Talibã reaparece e pede que Rússia e Ucrânia resolvam conflito ‘por meios pacíficos’

Grupo extremista solicitou a segurança de estudantes
-Publicidade-
Radicais voltaram ao poder depois de retirada atabalhoada do presidente Joe Biden
Radicais voltaram ao poder depois de retirada atabalhoada do presidente Joe Biden | Foto: Reprodução/Flickr

Controlado pelo grupo extremista Talibã, o Afeganistão pediu que a Ucrânia e a Rússia resolvam a crise “por meios pacíficos”. Em um comunicado, o governo solicitou que os dois lados cessem fogo e tenham “moderação”.

“De acordo com sua política externa de neutralidade, o Emirado Islâmico do Afeganistão pede a ambos os lados do conflito que resolvam a crise por meio de diálogo e meios pacíficos”, informou o governo, na sexta-feira 25.

Segundo o Talibã, “todos os lados precisam desistir de tomar posições que possam intensificar a violência”. Além do pedido, o Talibã também solicitou que os estudantes afegãos na Ucrânia sejam mantidos “seguros”.

-Publicidade-

Talibã volta ao poder

Em agosto de 2021, os radicais voltaram ao poder depois de 21 anos. O retorno se deu após a retirada atabalhoada dos norte-americanos, conduzidos pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

O Talibã já foi acusado na Organização das Nações Unidas por violação de direitos humanos, incluindo a tortura de jornalistas. O governo também violou os direitos de mulheres, comunidades étnicas e religiosas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.