Trump mobiliza Exército para conter violência em protestos

Washington D.C teve saques e atos de vandalismo, como o incêndio da igreja Saint John; presidente garante que vai restaurar a ordem e a segurança
-Publicidade-
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump | Foto: SGT BRIGITTE BRANTLEY/US AIR FORCE
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump | Foto: SGT BRIGITTE BRANTLEY/US AIR FORCE

Washington teve saques e atos de vandalismo, como o incêndio da igreja Saint John; presidente garante que vai restaurar a ordem e a segurança

Trump aciona Exército pata conter radicais
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump
Foto: SGT BRIGITTE BRANTLEY/US AIR FORCE

Em resposta aos saques, vandalismos e incêndios promovidos pela extrema esquerda e por movimentos supostamente antifascistas, como o Antifa, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que acionará o Exército para conter os excessos na capital do país.

-Publicidade-

“O que aconteceu na cidade ontem à noite é uma desonra absoluta. Estou enviando milhares de soldados fortemente armados”, garantiu em pronunciamento nacional. Caso os Estados não consigam conter atos contra a ordem pública, Trump avalia ajudar com tropas.

Em Washington, registraram-se distúrbios nas imediações da Casa Branca, com destroços, incêndios, bandeiras americanas em chamas e muros grafitados com palavras de ordem contra a polícia e o governo. As ações foram provocadas por infiltrados nas manifestações.

Até mesmo a igreja episcopal Saint John, conhecida como “igreja dos presidentes”, foi queimada. Depois de dispersos os manifestantes, Trump caminhou até o templo. Ontem, o presidente anunciou no Twitter a inclusão do Antifa na lista de grupos terroristas.

O movimento reivindicou a autoria de vários atentados nos Estados americanos. Confira registros do caos:

Entenda

Na semana passada, o ex-segurança negro George Floyd, de 46 anos, foi morto por um policial branco na cidade de Minneapolis, capital de Minnesota. O presidente Donald Trump ligou para a família da vítima na ocasião.

“Conversei com membros da família, pessoas maravilhosas. Acabei de expressar minha tristeza. Isso foi uma coisa horrível de testemunhar”, garantiu Trump durante um evento na Casa Branca.

Desde então, atos pacíficos se alternaram com distúrbios violentos, em que ocorreram saques e vandalismo. Sendo assim, a polícia e a Guarda Nacional entraram em confronto com manifestantes e efetuaram prisões.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Não e mais sobre George Floyd,acho que nunca foi por um negro que sofre violência por sua cor,e sim para se aproveitarem e cometer esses atos terroristas.
    Obama foi o primeiro negro americano a se tornar presidente,ficou 8 anos no poder,o que mudou para a população negra americana?Nada!
    Esses artistas,atletas negros com suas vidas privilegiadas,que se dizem horrorizados,só aparecem quando acontece algo do tipo,e ficam P da vida,mas só no Twitter,ai depois passa e ninguém se lembra mais,até aparecer o próximo.
    E todas as vidas importam!

    1. Por detrás dessa violência toda cometida pela esquerdalha maldita e pelo tal de Antifa, está essa figura nojenta que é o George Soros. Ele é quem financia essa corja. Já deveria ter sido encarcerado há muito tempo. Destruir a propriedade privada não é a melhor forma de protesto. Toda e qualquer forma de racismo é condenável,
      Os policiais, não sómente o que assassinou o Floyd, bem como todos os que assistiram de braços cruzados, devem ser punidos e expulsos da Polícia.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.