Uber enfrenta processo de 550 passageiras por agressão sexual nos EUA

Empresa não teria adotado medidas efetivas para prevenir a violência e garantir a segurança das clientes

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
Advogados investigam outros 150 casos de mulheres supostamente agredidas por motoristas do aplicativo
Advogados investigam outros 150 casos de mulheres supostamente agredidas por motoristas do aplicativo | Foto: Reprodução/Pixabay

Um processo aberto, na quarta-feira passada 13, na Justiça de San Francisco acusa a Uber de não ter adotado nenhuma providência efetiva para proteger as passageiras de assédio, sequestro, agressões e estupro por motoristas do aplicativo. Conforme reportagem do jornal britânico The Guardian, 550 mulheres figuram como vítimas no processo.

O advogado Adam Slater, sócio da Slater Slater Schulman, que representa as mulheres, disse que, “embora a empresa tenha reconhecido essa crise de agressão sexual nos últimos anos, sua resposta real foi lenta e inadequada, com consequências terríveis”.

Segundo ele, a Uber poderia ter exigido o uso de câmeras nos veículos, feito uma checagem mais rígida dos antecedentes dos motoristas e criado um sistema de alerta quando o destino do veículo é alterado”. Slater disse que sua empresa está investigando outros 150 casos que podem ser incluídos no processo.

-Publicidade-

Ele acrescentou que a plataforma sabia desde 2014 que motoristas do aplicativo agrediam mulheres. “No entanto, embora a Uber estivesse totalmente ciente do problema de predadores sexuais, não tomou as precauções de segurança para proteger seus passageiros.”

O advogado citou o relatório de segurança divulgado pela empresa em junho do qual constam 141 denúncias de estupro nos EUA somente em 2020, e um total de 998 incidentes de agressão sexual.

Em nota, a empresa disse que “não há nada mais importante do que a segurança, e é por isso que a Uber criou novos recursos de segurança, estabeleceu políticas centradas no passageiro e foi mais transparente sobre incidentes graves”.

O processo instaurado nos EUA não tem relação com a investigação Uber Files, encabeçada pelo Guardian e que aponta práticas obscuras da empresa para se instalar em diversas cidades do mundo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Um dia uma coisa que se chamava justiça, hoje que aceita acusações como condenações .Os globalistas querem acabar com a Uber , para reduzir a mobilidade. A mobilidade vai na contramão da dominação.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.