UTIs de mais, pacientes de menos

Colocaram mais de 30.000 UTIs à disposição do público na Alemanha – e têm, agora, apenas 1.500 pacientes internados nelas. Foi um custo altíssimo, sem contar as perdas criadas em um país que ficou completamente parado.
-Publicidade-
ITA - CORONAVÍRUS/ITÁLIA - INTERNACIONAL - Médicos cuidam de pacientes infectados   com o novo coronavírus (COVID-19) na   Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do   Hospital Casalpalocco, em Roma, na   Itália, neste sábado, 11 de abril de   2020.    11/04/2020 - Foto: CECILIA FABIANO/LaPresse/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO
ITA - CORONAVÍRUS/ITÁLIA - INTERNACIONAL - Médicos cuidam de pacientes infectados com o novo coronavírus (COVID-19) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Casalpalocco, em Roma, na Itália, neste sábado, 11 de abril de 2020. 11/04/2020 - Foto: CECILIA FABIANO/LaPresse/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: CECILIA FABIANO/LaPresse/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDO

Por Claudia Wild

-Publicidade-

Os virologistas alemães não estão conseguindo explicar o pânico que geraram em seu país por conta de suas prescrições para combater o coronavírus. Foram colocadas mais de 30.000 UTIs à disposição do público na Alemanha — e há, agora, apenas 1.500 pacientes nelas internados. Foi um custo altíssimo, sem contar as perdas ocorridas em um país que ficou completamente paralisado. Hoje, como não existem doentes disponíveis no território nacional, a Alemanha está procurando vítimas do vírus pela Europa toda para preencher suas UTIs vazias. Uma justificativa corrente para essa desproporção entre leitos e ocupantes é a de que foi preciso planejar-se para o futuro. Já se disse que o “pico” seria em março, abril, maio. Agora estão dizendo que será “em junho”.

Na Alemanha, no início de março, as autoridades se mostravam preocupadas por só terem 28.000 leitos de UTI; pensavam que isso não seria suficiente, embora os números alemães fossem superiores, numa comparação internacional de camas, ventiladores e demais equipamentos para cuidados intensivos. Acabou-se aumentando o total, então, para 30.000 vagas — com possibilidade de chegar, caso necessário, a 40.000, das quais entre 15.000 e 20.000 gratuitas. Hoje, dia 14 de abril, pouco mais de 1.500 pessoas estão internadas nas UTIs alemãs por causa da epidemia.

Resultado: estão buscando pacientes na França, Itália e Holanda para dar alguma utilidade a unidades em que menos de 10% dos leitos se acham ocupados. Previram uma hecatombe. Mas a hecatombe nunca aconteceu.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. A hecatombe aconteceu, só não foi o de casos de coronavirus. Foi uma hecatombe global contra as liberdades individuais e econômica com sérias consequências inclusive para a saúde pública

  2. Ótimo texto, Claudia. Curioso notar que a Alemanha apresenta um desempenho excelente no tratamento dos casos de covid-19, visto que é o país com a menor proporção entre mortos e contaminados. Qual será o segredo?

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site