Vacina contra o câncer é testada em humano pela 1ª vez

O medicamento estimula o sistema imunológico a atacar as células cancerígenas
-Publicidade-
Cientistas desenvolveram substância geneticamente modificada e projetada para infectar e matar as células cancerígenas
Cientistas desenvolveram substância geneticamente modificada e projetada para infectar e matar as células cancerígenas | Foto: Divulgação

Os cientistas do centro de pesquisa e tratamento do câncer City of Hope, nos Estados Unidos, e da empresa de biotecnologia Imugene, na Austrália, anunciaram o primeiro teste em um paciente humano da vacina contra o câncer.

O medicamento é denominado CF33-hNIS, mas também é conhecido como Vaxinia. A substância é um vírus geneticamente modificado e projetado para infectar e matar seletivamente as células cancerígenas.

Depois de aplicada no organismo, a substância funciona entrando nas células e se duplicando. As células infectadas explodem e liberam novas partículas virais, que funcionam como antígenos, estimulando o sistema imunológico a atacar as células do câncer.

-Publicidade-

“Nossa pesquisa anterior demonstrou que os vírus oncogênicos podem estimular o sistema imunológico a responder e matar o câncer, bem como estimular o sistema imunológico a ser mais responsivo a outras imunoterapias”, afirmou o oncologista e autor do estudo, Daneng Li.

O foco nesse momento é demonstrar a segurança da vacina contra o câncer e a tolerabilidade do medicamento. Futuramente, espera-se que a pesquisa envolva cem voluntários com tumores sólidos metastáticos ou avançados que já tenham passado por pelo menos, duas linhas de tratamento anteriores.

“Nosso vírus oncogênico treina o sistema imunológico para atingir uma célula cancerosa específica. O que significa que, se uma célula cancerosa semelhante tentar crescer novamente, o sistema imunológico estará pronto e esperando para desligá-lo”, apontou a oncologista Susanne Warner.

O vírus desenvolvido pelos cientistas demonstrou reduzir tumores de câncer de cólon, pulmão, mama, ovário e pâncreas em modelos pré-clínicos de laboratório e animais.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Oxalá dê certo!!! Tantos amigos, parentes que se foram por causa desta doença. Só menos nossos filhos e netos poderiam desfrutar desta tecnologia, caso se concretize.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.