-Publicidade-

Vacina da Oxford tem benefícios que superam riscos de efeitos colaterais, afirma Agência Europeia de Medicamentos

Nota veio a público após alguns países do bloco suspenderem a vacinação com o imunizante para verificar se seu uso está relacionado à formação de coágulos sanguíneos
Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo
Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo | Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

De acordo com a Agência Europeia de Medicamentos (na sigla em inglês, EMA), a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca tem benefícios que “superam o risco de efeitos colaterais”. O comunicado foi emitido pela agência vinculada à União Europeia nesta segunda-feira, 15. A nota veio a público depois que alguns países do bloco suspenderam a vacinação com o imunizante para verificar se seu uso está relacionado com a formação de coágulos sanguíneos.

Leia também: “Tudo o que você precisa saber sobre a vacina da Oxford”

“Muitos milhares de pessoas desenvolvem coágulos sanguíneos anualmente na UE por diferentes razões. O número geral de eventos tromboembólicos em pessoas vacinadas não parece ser maior do que o observado na população em geral”, revela o documento emitido pela EMA. “Os benefícios da vacina AstraZeneca na prevenção de covid-19, com seu risco associado de hospitalização e morte, superam os riscos de efeitos colaterais.”

A suspensão da vacina em alguns países europeus

Na semana passada, a Holanda interrompeu a utilização da vacina depois da constatação de coágulos em seis pacientes que utilizaram o imunizante na Dinamarca e na Noruega — posteriormente, as duas nações também adotaram a suspensão. Entretanto, a autoridade de medicamentos holandesa enfatizou que não havia nenhuma ligação comprovada entre os casos e o fármaco.

No domingo, a AstraZeneca garantiu que a “revisão cuidadosa com os dados de segurança de 17 milhões de pessoas vacinadas” no continente europeu revelou não existir “nenhuma evidência de aumento do risco de coágulos sanguíneos”. Ainda assim, a lista de países com o uso interrompido do produto ganhou a adesão de Alemanha, Áustria, Espanha, Estônia, França, Itália, Irlanda, Letônia e Luxemburgo.

Entregas em atraso

A AstraZeneca não tem conseguido cumprir os prazos das entregas da vacina acordados com o bloco europeu. Diante das dificuldades, a empresa decidiu usar seus locais de produção em outros continentes para suprir a demanda europeia — antes do fim do primeiro semestre, a fabricante pretende entregar 100 milhões de doses do imunizante à UE.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.