Vacina da Pfizer deve evitar doença grave com a Ômicron, diz CEO

O executivo que lidera a BioNTech fez afirmação em uma entrevista publicada hoje
-Publicidade-
BioNTech ajudou a desenvolver a vacina da Pfizer
BioNTech ajudou a desenvolver a vacina da Pfizer | Foto: Kevin David/Estadão Conteúdo

A vacina da Pfizer provavelmente protege contra qualquer doença grave da variante Ômicron do coronavírus. É o que afirmou o CEO da BioNTech, Ugur Sahin, em uma entrevista publicada nesta terça-feira 30 pela agência Reuters.

A BioNTech participou do desenvolvimento do imunizante da vacina da Pfizer contra a covid-19. A variante Ômicron é a cepa mais recente do coronavírus. Botsuana registrou a primeira notificação da nova mutação; o país faz fronteira com a África do Sul.

“Achamos que é provável que as pessoas [vacinadas com o imunizante] tenham proteção substancial contra doenças graves causadas pela Ômicron”, disse o CEO e cofundador da BioNTech, Ugur Sahin. O empresário considera “graves” os casos de pacientes com a covid-19 que precisam de internação hospitalar ou tratamento intensivo.

-Publicidade-

De acordo com o executivo, as células T promovem a possível eficácia. Elas foram desenvolvidas para reconhecer as proteínas spike, que permanecem sem alterações. Entretanto, os anticorpos produzidos pela vacinação podem ter dificuldade de combater a nova cepa do vírus.

Enquanto os anticorpos se ligam diretamente ao coronavírus e evitam infecções, as células T de longa duração atuam nas células contaminadas. Esse mecanismo combate a replicação viral e o agravamento das doenças.

Ontem, o professor Salim Abdool Karim já havia declarado que as vacinas podem prover proteção contra formas graves da covid-19 em pacientes com a Ômicron. Um dos maiores especialistas em doenças infecciosas da África do Sul, o médico aconselhou o governo de seu país na resposta inicial à pandemia.

Sahin espera uma versão atualizada da vacina da Pfizer no mercado em 100 dias, caso os reguladores aprovem. A princípio, ele estima um lote entre 25 milhões e 50 milhões de doses.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. ‘Provavelmente’? Imagine um candidatro dizendo que provavelmente será honesto com o trato do dinheiro público… Isso foge do escopo científico e carrega um grau de desconfiança muito grande, beirando ao achismo, curandeirismo e práticas do tipo… Que tal um médico receitando: ‘Tome este medicamento que provavelmente isso salvará sua vida’! Se o paciente morrer ainda poderá ser processado por algum tribunal (culpa eterna) por ter contrariado a ‘ciência’!

  2. Já existe conhecimento suficiente sobre a nova cepa para desenvolver uma nova vacina? O marketing já entrou em cena, mesmo sem o desenvolvimento e lançamento de um novo produto. Infelizmente, nós os cobaias humanos seremos testados. Triste história…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.