-Publicidade-

4 mil obras paradas podem ser retomadas

Ministro da Economia apoiou a iniciativa, mas fez um alerta sobre a falta de espaço no orçamento

Uma parceria entre Conselho Nacional de Justiça (CNJ), governo federal e Ministério Público pretende destravar quase quatro mil obras que estão paradas no Brasil. A iniciativa faz parte do programa “Destrava”, lançado pelo Judiciário em 2020.

Na terça-feira 9, se reuniram para falar sobre o projeto o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e outras autoridades, como o procurador-geral da República, Augusto Aras.

Leia mais: “Bolsa de Valores tem ano recorde de IPOs em 2020”

Fux apresentou um levantamento segundo o qual há 3.921 obras paradas no Brasil. Com investimentos orçados em R$ 144 bilhões, os empreendimentos consumiram cerca de R$ 10 bilhões até agora.

A maior parte dos problemas vem de processos que poderiam ser revisados pelo Poder Executivo, como erros de projeto. Entre os principais motivos para os atrasos, somente 6% estão relacionados a pendências com a Justiça, com o Ministério Público ou com os Tribunais de Contas.

Paulo Guedes

Ao discursar no evento, o ministro Paulo Guedes disse apoiar a iniciativa do CNJ, mas fez um alerta sobre a falta de espaço no orçamento para prosseguir com as obras públicas e a limitação imposta pelo teto de gastos.

“Evidentemente, o governo quer tocar tudo que for possível. Vamos destravar. Eu estou sempre junto”, declarou.

Fux ressaltou que a iniciativa do CNJ pretende estimular a economia, principalmente num momento de recuperação da pandemia. Segundo ele, os encontros ainda estão em fase inicial. Outras reuniões estão previstas ao longo de 2021.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês