Programa de investimentos no Nordeste visa libertar cidadão, diz ministro

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirma à Oeste que governo federal pretende mudar modo de vida no Nordeste. Algo que o PT não fez
-Publicidade-
Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Ao comentar as ações do governo federal no programa especial para o semiárido, ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, alega que Nordeste é prioridade do presidente

Ministro destacou que programa pretende libertar nordestino de “bolsas” | Foto: Alan Santos/PR
-Publicidade-

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou à revista Oeste que as ações do governo federal a partir do mega programa de investimentos que está sendo planejado para a região Nordeste visam, sobretudo, libertar a região de ações assistencialistas. O intuito é desenvolver, mas com plenitude, as habilidades do cidadão nordestino.

Revista Oeste: O fator Nordeste nas eleições de 2022

Nesta sexta-feira, a revista Oeste revelou com exclusividade a intenção do governo federal de instituir um programa de injeção de capital na região que pode resultar em investimentos de até R$ 25 bilhões ao ano, por meio de cartas de crédito de bancos públicos como Banco do Nordeste e a Caixa. “Todo o trabalho até aqui desenvolvido pelo governo, já demonstra que somos quem mais olhou e atendeu ao Nordeste brasileiro. As determinações do presidente Bolsonaro e a atuação do governo seguem sempre na direção da liberdade. Quanto mais livres as pessoas são, mais elas podem desenvolver plenamente suas habilidades”, descreveu o ministro à Oeste.

Fim do assistencialismo

Para Lorenzoni, o governo federal tem mirado a libertação do nordestino de políticas assistencialistas. “Assim, o que se busca com a elaboração de uma política pública é torna-la eficaz, que seja viável em sua manutenção e que as pessoas que delas precisem em um momento, se beneficiem, mas, que essa política seja libertadora e não escravizante”, ressaltou o ministro. A princípio, esse programa de investimentos deve se chamar “Sertanejo Forte” ou “Sertanejo Vencedor”.

A aposta do governo com o programa é numa estratégia que permita a saída do assistencialismo por meio da criação de oportunidades de trabalho. O projeto pretende integrar pequenos produtores rurais da região às operações do grande circuito do agribusiness. Presume-se que seja possível aproveitar recursos naturais do bioma caatinga. Haverá crédito, assistência técnica e garantia de compra da produção.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. A ideia é boa, os programas sociais, quaisquer que sejam, tem que ter uma porta de saída.
    O que se observou nas três últimas décadas foi um número crescente de pessoas integrando tais programas, país, filhos e netos.
    A mera distribuição de grana com finalidade populista e eleitoreira não deu certo na Argentina, com o peronismo, e nem no Brasil.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site