Bolsonaro cita ex-ministros da Defesa do PT e questiona: ‘Eu que estou politizando?’

'Estou politizando colocando generais do último posto dentro da defesa?', rebate o presidente
-Publicidade-
Jaques Wagner e Aldo Rebelo | Foto: Montagem/Geraldo Magela/Edilson Rodrigues/Agência Senado
Jaques Wagner e Aldo Rebelo | Foto: Montagem/Geraldo Magela/Edilson Rodrigues/Agência Senado

Na live de quinta-feira 1º, o presidente Jair Bolsonaro enumerou alguns ministros da Defesa de governos petistas, como Jaques Wagner, do PT, e Aldo Rebelo, que era do PCdoB, e rebateu críticas de que estaria politizando a Pasta.

Bolsonaro destacou que tanto o ex-ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva quanto o atual, Braga Netto, são generais de quatro estrelas, o posto mais elevado do Exército, e não pertencem a nenhum partido político. “Estou politizando, colocando generais do último posto dentro da Defesa?”.

Leia mais: “Lula pede a Gilmar Mendes que Moro seja declarado suspeito em processos sobre sítio e instituto”

-Publicidade-

“No passado, a Dilma Rousseff botou Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, do PT, para ser ministro da Defesa. Isso é politizar, ou eu que estou politizando?” Bolsonaro disse que Wagner colocou na secretaria-geral do ministério Eva Chiavon, que, segundo ele, é casada com o “02 do MST” e tem “vida pregressa pela CUT”.

“Também tivemos o senhor Aldo Rebelo, do Partido Comunista do Brasil; então, alguém do PCdoB à frente do Ministério da Defesa. A imprensa criticou? Não!”, pontuou Bolsonaro.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

12 comentários

  1. A diferença entre Bolsonaro e essa turma desmiolada de esquerda é que Bolsonaro fala a verdade— isto é, fala algo com consistência. Os demais, certamente, deveriam repensar seus scripts, pois, até intuitivamente, salta aos olhos que não possuem mais credibilidade.

  2. Vários fatores contribuem pra isso: Bolsonaro estancou o dinheiro fácil q sustentava a imprensa tradicional, aliado ao fato q essa imprensa jamais esperava q um presidente da República fosse “bater de frente” , pois os anteriores se comportavam de forma subservientes a troco de notícias elogiosas mesmo com decisões bizarras.

  3. Ministério da defesa só comunistas e socialistas desde que FHC acabou com os ministérios das forças armadas. É daí no ministério da defesa só com socialistas e comunistas ….. É o país da mentira e escarnio o tempo todo

  4. Hehehe. Boa, presidente! Mostrando ao PT que a cartilha deles nunca passou do nível “defasada”. É como num jogo de futebol onde o time da oposição nunca esteve à altura do time que ganhou as eleições.

  5. Calhordas querendo sempre desviar-nos do que interessa. PORRA DIRETO AO PONTO VAMOS LÁ:
    PEC DA BENGALA
    PEC DA PRISÃO EM SEGUNDA INSTÂNCIA
    VOTO IMPRESSO.
    Tudo isto é atribuição deste congresso rabo preso. Como fazermos? Acho que cansamos destas falsas falas de globolixo.
    Já encerrei conta no Bradesco, não compro produtos do paladar da Fátima, não compro carros Fiat.

  6. Nao sei o que leva o presidente a dar qq tipo de satisfação.ou resposta a esses insetos, manda todos tnc.
    Nas urnas em 2022 daremos as devidas explicações usando uma única palavra: BOLSONARO

  7. Realmente, a criação do Ministério da Defesa criado em 1999 por FHC e dirigida por um civil e assessores civis foi provocação, especialmente quando dirigido por notáveis esquerdistas.
    Entendo que pode haver militares que tenham alguma simpatia com a esquerda, mas não é crível tamanha mudança de ideologia. Concordo que militares não são políticos, mas são democratas. Afinal, os militares voltaram a ter a honra de dirigir seu ministério da defesa pelas mãos de Bolsonaro que se orgulha das forças armadas. Antipatias pessoais não mobilizam tropas para o tal golpe que a tradicional imprensa do ódio, tenta imagina possível insuflar.
    Afinal Bolsonaro é quem tem voto popular e o apoio dos militares é importante para lhe assegurar a independência do Poder Executivo e a harmonia entre os poderes estabelecidos pela CF, atualmente com acentuadas interferências dos outros Poderes. Penso que em 2022, seria vitoriosa importante chapa inversa Mourão/Bolsonaro. Mourão como liderança das FA e Bolsonaro liderança do voto e com importante ministério como o atual para nos próximos 6 anos reestruturar o pais e o nosso desenvolvimento. Em tempo, necessário também aprovar urgente a PEC do VOTO IMPRESSO, única forma de AUDITAR e se necessário RECONTAR as apurações das urnas eletrônicas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro