Brasil não reconhece legitimidade de Maduro para convocar eleições

Governo do Brasil considera que ditador não tem legitimidade para convocar ou conduzir um processo eleitoral limpo e justo
-Publicidade-
Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro | Foto: Prensa Presidencial/Venezuela
Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro | Foto: Prensa Presidencial/Venezuela

Comunidade internacional deve trabalhar pela extinção do regime ditatorial, anuncia governo

Maduro
Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro | Foto: Prensa Presidencial/Venezuela
-Publicidade-

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o Brasil não reconhece a legitimidade do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, para convocar eleições: “O Brasil considera que um regime como o de Maduro não tem quaisquer condições ou legitimidade para convocar ou conduzir um processo eleitoral limpo e justo”. A declaração foi feita em nota emitida nesta quinta-feira, 17, em apoio ao relatório realizado pela missão especial da Organização das Nações Unidas, que responsabilizou o ditador Nicolás Maduro por crimes contra a humanidade.

Leia também: A Argentina está a caminho de ser uma nova Venezuela?

Na opinião do governo brasileiro, a comunidade internacional não deve apoiar as eleições parlamentares convocadas pela ditadura para o próximo mês de dezembro e precisa se mobilizar “pela extinção do regime ditatorial de Maduro e pela libertação da Venezuela”.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comments

  1. Esta conversa de eleição, tem alguns objetivos muito específicos: 1.) acesso aquele ouro que está no cofre em Londres; 2) se livrar de uma vez por todas de Guaidó e Capriles, colocando os dois na cadeia, provavelmente de forma perpétua; 3) Recuperar a legitimidade perante a comunidade internacional, pois será “eleito” portanto com apoio do “povo”, não importa quantos milhões de votos tenha que fraudar e por final; 4) encerrar de vez com esta constituinte, pois não será mais necessária.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site