China pede que países da ONU não participem de evento sobre repressão de Pequim a minorias

Informação é da agência Reuters, que teve acesso à nota
-Publicidade-
Bandeira da China | Foto: Pixabay
Bandeira da China | Foto: Pixabay

A China pediu aos Estados-membros das Nações Unidas que não compareçam a um evento planejado para próxima semana por Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido sobre a repressão aos muçulmanos uigures e outras minorias em Xinjiang, no noroeste do país asiático. A informação é da agência Reuters que teve acesso à nota na sexta-feira 7.

“É um evento com motivação política”, escreveu a missão da China na ONU na nota, datada de quinta-feira 6. “Solicitamos à sua missão de não participar deste evento anti-China”, afirma o documento.

-Publicidade-

Leia mais: “Em carta, Pacheco pede relação construtiva com o governo chinês”

Pequim acusou os organizadores do evento, que também inclui vários outros Estados europeus junto com Austrália e Canadá, de usar “questões de direitos humanos como uma ferramenta política para interferir nos assuntos internos da China, como Xinjiang, para criar divisão e turbulência e interromper o desenvolvimento da China”.

“Eles estão obcecados em provocar confrontos com a China”, disse a nota, acrescentando que “o evento provocativo só pode levar a mais confrontos”.

Segundo a Reuters, a missão chinesa junto às Nações Unidas confirmou a autenticidade da nota e a oposição de Pequim ao evento. Os embaixadores dos Estados Unidos, Alemanha e Grã-Bretanha devem discursar no evento virtual da ONU na quarta-feira 12.

O objetivo do evento é “discutir como o sistema da ONU, os Estados membros e a sociedade civil podem apoiar e defender os direitos humanos dos membros das comunidades étnicas turcas em Xinjiang”, de acordo com um convite.

Estados ocidentais e grupos de direitos humanos acusaram as autoridades de Xinjiang de prender e torturar uigures em campos, o que os Estados Unidos descreveram como genocídio. Em janeiro, Washington proibiu a importação de produtos de algodão e tomate de Xinjiang sob alegações de trabalho forçado.

Pequim nega as acusações e descreve os campos como centros de treinamento vocacional para combater o extremismo religioso.

“Há anos Pequim tenta intimidar os governos para que se calem, mas essa estratégia falhou miseravelmente, à medida que mais e mais Estados se apresentam para expressar horror e repulsa pelos crimes da China contra uigures e outros muçulmanos turcos”, disse o diretor da Human Rights Watch, Louis Charbonneau.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comments

  1. Reparem só como a China eh hábil em corroer a ordem democrática por dentro, manipulando o “politicamebte correto” ao seu favor: preocupação humanitária legitima com o extermínio dos uigures eh instantaneamente convertida em “xenofobia” e “racismo” aos chineses.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site