Auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças fossem parar na extrema pobreza

Auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças fossem parar na extrema pobreza.
-Publicidade-
Sem coronavoucher, mais de 28 milhões de brasileiros teriam caído na pobreza extrema
Sem coronavoucher, mais de 28 milhões de brasileiros teriam caído na pobreza extrema | pobreza extrema, coronavoucher, auxílio emergencial, governo federal, fgv, pesquisa | Foto: Tetraktys/Wikimedia Commons

Pesquisa do Ibre/FGV aponta que sem as distribuição dos recursos pelo governo federal, quase 8 milhões de crianças seriam afetadas

pobreza extrema, coronavoucher, auxílio emergencial, governo federal, fgv, pesquisa
Sem coronavoucher, mais de 28 milhões de brasileiros teriam caído na pobreza extrema
-Publicidade-

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) mostra que o auxílio emergencial evitou que 5,6 milhões de crianças entrassem para a extrema pobreza.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 2,27 milhões de crianças, entre zero e 13 anos, estavam abaixo da linha da extrema pobreza em maio, ou seja, 5,5% do total de pessoas nessa faixa etária no país.

Sem a distribuição do coronavoucher, esse número subiria para 7,93 milhões, o equivalente a 19,4% do total.

Com relação à população de todas as idades, o auxílio emergencial evitou que 19,17 milhões de pessoas caíssem na pobreza extrema.

Sem ele, o número total de pessoas nessa situação iria para 28 milhões, 8,83 milhões a mais, segundo a FGV.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.