Flordelis chora e afirma que não mandou matar o marido

Deputada se disse vítima de "perseguição pública implacável"
-Publicidade-
Deputada Flordelis
Deputada Flordelis | Foto: Reprodução/TV Câmara

Acusada de mandar matar o marido, a deputada Flordelis (PSD-RJ) foi ouvida nesta terça-feira, 16, pelo Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Ela chorou, disse ser inocente e afirmou que sofre uma “perseguição pública implacável”.

O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que a parlamentar é a mandante do assassinato do pastor Anderson do Carmo. Ele foi morto a tiros na casa da família, em Niterói (RJ), em junho de 2019.

-Publicidade-

Leia mais: “Projeto de homeschooling avança na Câmara”

Fora o processo na Justiça, Flordelis enfrenta uma representação no Conselho de Ética por quebra de decoro, que pode levar à cassação de seu mandato. “Eu sou inocente. Eu não mandei matar meu marido. Eu não participei de nenhum ato de conspiração”, afirmou.

Confissão da filha

Em janeiro, uma das filhas da deputada confessou ter pagado R$ 5 mil para matarem o pastor. A motivação do crime seriam as constantes investidas sexuais dele.

“Eu não sabia o que estava acontecendo dentro da minha casa. Eu não sabia que meu marido estava assediando a minha filha”, afirmou Flordelis. A deputada disse que não teve coragem de ouvir a confissão da filha. “Eu não compactuo com isso. Não matar. Ela tinha os caminhos de denúncia.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.