Lewandowski toma posse como ministro efetivo do TSE

Essa é a segunda passagem do ministro pela Justiça Eleitoral
-Publicidade-
Posse do ministro Ricardo Lewandowski no TSE | Foto: Antonio Augusto/secom/TSE
Posse do ministro Ricardo Lewandowski no TSE | Foto: Antonio Augusto/secom/TSE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski tomou posse nesta terça-feira, 8, como membro efetivo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O magistrado ocupou o lugar deixado por Luís Roberto Barroso, que encerrou o mandato de quatro anos na Corte Eleitoral. O tribunal é composto de sete ministros, sendo três do STF, dois do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois advogados.

-Publicidade-

Essa é a segunda passagem de Lewandowski pela Justiça Eleitoral, pois em mandato anterior já foi presidente do TSE e esteve à frente das eleições de 2010, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi eleita.

Ao dar posse ao ministro, o atual presidente da Corte, Luiz Edson Fachin, disse que o colega é “impávido” na defesa “da integridade do processo eletrônico de votação e totalização de votos adotada pela Justiça Eleitoral há mais de 25 anos”.

“A República Federativa do Brasil é afortunada porque seus filhos não lhe fogem à luta, e o ministro Ricardo Lewandowski é exemplo inigualável disso”, finalizou Fachin.

Estiveram presentes na solenidade virtual, além dos ministros da Corte Eleitoral, outras autoridades, como o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, e o procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras.

Por causa da pandemia, a cerimônia de posse teve restrições e ocorreu de forma virtual. No plenário, estavam apenas ministros e servidores do tribunal.

Lewandowski tem 73 anos e foi nomeado para o Supremo pelo ex-presidente Lula (PT), em 2006. Ele formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP).

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

13 comentários Ver comentários

  1. Votar em senadores comprometidos em investigar todos do stf. Comprometidos em reduzir para 2 anos o mandato destes advodinhos.
    Já que os supostos advogadinhos do stf viraram blogueiros políticos que se metem em política, fazer leis e a todo instante se intrometem no executivo, na polícia federal e etc; é muito melhor nós escolhermos os 11 a cada 2 anos nas urnas.

  2. Esse é aquele asqueroso cabo eleitoral da dilMANTA?
    Preparem-se para os próximos capítulos, não duvido q seja esse o cara que passar a faixa de presidente do Brasil para o ladrão Mor de nove dedos

  3. Tanto faz, quem entra ou quem sai. Nenhum é juiz, são cargos sem eleição, sem um critério claro para escolha, então, tanto faz.

  4. Esse sujeito é aquele do impeachment da ex-presidenta que rasgou a Constituição e afirmou que “E” e “OU” significam a mesma coisa. A sociedade brasileira precisa urgentemente mudar a composição e a forma de escolha de ministro do STF, além de acabar com o famigerado foro privilegiado e retirar as ações criminais da competência do STF.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.