Mais um governador se torna alvo de processo de impeachment

Depois de Wilson Witzel, outro político vê seu mandato em risco
-Publicidade-
Foto: DIVULGAÇÃO
Foto: DIVULGAÇÃO | carlos moisés - impeachment - alesc - governador de santa catarina - capa

Depois de Wilson Witzel, outro político vê seu mandato em risco

carlos moisés - impeachment - alesc - governador de santa catarina - capa
Foto: DIVULGAÇÃO

Wilson Witzel não é o único governador que tem de encarar o processo de impeachment. Além dele, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), terá de lutar para se manter à frente do Poder Executivo local. Isso porque o comando da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc) aceitou na tarde desta quarta-feira, 22, um dos pedidos de cassação do mandato do pesselista.

-Publicidade-

Leia mais: “Fundeb cria racha na base bolsonarista

A abertura do pedido contra Moisés foi decidida pelo presidente da Alesc, Julio Garcia (PSD). Ele acatou o parecer da Procuradoria Jurídica do Legislativo catarinense. De acordo com o órgão, o governador é suspeito de cometer crime de responsabilidade. Isso porque o mandatário de Santa Catarina aumentou o salário de procuradores do Estado. O processo de impeachment também atinge a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido).

“Procedimento político, mas precisa ter início com base jurídica”

Ao anunciar a abertura do processo de impeachment contra o governador e a vice-governadora, o presidente da Alesc salientou que, anteriormente, havia rejeitado outros quatro pedidos de cassação, pois seguiu as recomendações vindas da procuradoria da Casa. O que, no entanto, não ocorreu com o processo de agora. “O pedido de impeachment é um procedimento político, mas precisa ter início com base jurídica”, disse Garcia.

carlos moisés - impeachment - alesc - governador de santa catarina
Carlos Moisés é o governador de Santa Catarina | Foto: DIVULGAÇÃO

Alegação

O parecer que recomenda a abertura do processo de impeachment contra Carlos Moisés e Daniela Reinehr foi assinado pelo defensor público Ralf Zimmer Junior. Para ele, a dupla cometeu crime de responsabilidade porque em 2019 resolveu aumentar o salário dos procuradores do Estado de Santa de Catarina, de forma sigilosa e sem consulta à Alesc. Tal ato equiparou os vencimentos dos procuradores do Estado com os procuradores do Legislativo, o que seria ilegal, entende o procurador.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.