MEC anula ofício que barrava militância em universidades

Pressão de reitores de instituições federais fez o ministro da Educação recuar
-Publicidade-
O ministro da Educação, Milton Ribeiro
O ministro da Educação, Milton Ribeiro | Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O Ministério da Educação (MEC) suspendeu nesta sexta-feira, 5, o ofício que prevenia e punia “atos político-partidários nas instituições públicas federais de ensino”. Ao sofrer pressão de reitores, a pasta informou que não tinha “intenção de coibir a liberdade de manifestação e de expressão” no ensino superior. O documento inicial considerava imoralidades administrativas quaisquer manifestações políticas no ambiente universitário. “Informamos o cancelamento do ofício por possibilitar interpretações diversas da mensagem a que pretendia”, salientou o MEC, em circular assinada por Wagner Vilas Boas de Souza, secretário de Educação Superior.

O ofício

Em 7 de fevereiro, o MEC solicitou às universidades federais que tomassem providências para prevenir e punir manifestações políticas em suas dependências. O documento citava como um dos argumentos a decisão de 2019 do procurador-chefe da República em Goiás, Ailton Benedito de Souza. Na ocasião, ele afirmou que atos políticos contrários ou favoráveis ao governo representavam desrespeito ao “princípio da impessoalidade”. Portanto, caberia punição a comentários ou manifestações que ocorressem em espaços de serviços públicos. E seria necessário, na opinião dele, criar canais de denúncia sobre atividades político-partidárias.

-Publicidade-

Leia também: “Weintraub é condenado por dizer que universidades cultivam maconha”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comentários

  1. Acho que o assunto deve ser regulado….

    Claro… depois que a frente da DESTRUIÇÃO governou o Brasil por esse loooongo tempo.

    A gente nunca deve se esquecer : FOMOS NÓS QUE OS COLOCAMOS LÁ… !

  2. Acho, que alguns ministros não fazem jus a proposta do governo eleito. Recuam fácil. Assim, jamais se conseguirá repor a educação nos seus devidos eixos. Continuará sendo o vetor de uma ideologia que atenta contra o motor do sucesso da Ciência e tecnologia Ocidental: a liberdade para criar e a imparcialidade política, enquanto Instituição. É para “brigar” e se “impor” em todos os escalões; ou não acreditam na proposta eleita pelo povo-cidadão?

  3. Eis o motivo de terem pedido a cabeça do Weintraub! Com ele essa pressão não faria efeito! Já esse fraco aí… Tá bem a cara do PR atual! Fraco e covarde! Com a bota no pescoço!

  4. não deveria ter recuado, que as universidades estão aparelhadas pela ideologia de esquerda é fato inconteste tanto que preferi pagar para que meu neto cursasse uma universidade conservado e não fosse contaminado com essas ideias “progressistas”

  5. O cidadão de bem perde de novo! ! Conclui-se que:
    “NÃO PODEMOS CONTAR COM ESSA GERAÇÃO DOUTRINADA, para colocar o Brasil nos trilhos novamente!” Fica a dica!

  6. Mais uma estratégias dos globalistas para se infiltrarem dentro das instituições de ensino superior públicas e implantar seu maquiavélico plano socialista.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site