Ministério da Justiça amplia programa de segurança nas fronteiras a Roraima

Martelo foi batido nesta quarta-feira e antecipado com exclusividade à reportagem da Oeste. Pasta chefiada pelo ministro Sérgio Moro vai auxiliar na integração de políticas de combate ao tráfico de drogas e contrabando na fronteira com a Venezuela e Guiana
-Publicidade-
Na imagem, o coordenador-geral de fronteiras da pasta, Eduardo Bettini | Foto: Divulgação
Na imagem, o coordenador-geral de fronteiras da pasta, Eduardo Bettini | Foto: Divulgação
Na imagem, o coordenador-geral de fronteiras da pasta, Eduardo Bettini | Foto: Divulgação

O Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas (VIGIA), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, faz um ano na próxima quarta-feira, 15, e tem motivos para comemorar deste já. Nesta quarta, 8, o coordenador-geral de fronteiras da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), Eduardo Bettini, confirmou com exclusividade à Oeste a ampliação do projeto para Roraima.

-Publicidade-

O VIGIA atua, atualmente, nas áreas fronteiriças de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre, Amazonas, Paraná e nas das divisas do Tocantins e de Goiás. Ou seja, com Roraima, o programa irá para nove estados. Outros três ainda estão na mira e deverão ser anunciados até o fim deste ano: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Amapá.

Com isso, o VIGIA estará presente em áreas de todas as 10 fronteiras do Brasil com países vizinhos da América do Sul. O desembarque em Roraima começará em duas cidades pilotos: Pacaraima, que faz fronteira com a Venezuela; e Bonfim, município fronteiriço com a Guiana.

Apesar da proximidade com a Venezuela, a estratégia em embarcar primeiramente em Roraima é estritamente técnica, garante Bettini. “O programa tem todo um viés técnico. Então, as discussões são feitas em alto nível estratégico no sentido de autorizar o início do programa”, destaca. Para iniciar o trabalho, foram enviados alguns servidores para traçar o planejamento e o diagnóstico da região.

Integração

A Coordenação-Geral de Fronteiras tomou conhecimento do relatório e soube quais os pontos mais críticos para iniciar a relação. Conexões entre as instituições foram feitas e a integração com os agentes de segurança público estaduais que atuam na área, também. “Quem desenvolve as atividades são as instituições que estão ali no terreno. Nós integramos e trabalhamos ali no apoio, fornecemos meios para trabalharem com, custeio, equipamentos e capacitação”, explica Bettini.

As expectativas na ampliação para Roraima são altas. “Todos os lugares a gente inicia com um ou dois pilotos. Começamos pequeno, vamos ajustando e aquecendo os motores. A expectativa é a melhor possível. Percebemos um terreno fértil, com as instituições querendo e buscando já a integração. E o que vamos fazer é dar ferramentas para que isso ocorra”, sustenta.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site