Mourão afirma que Brasil quer agregar valor a exportações para a China

'E queremos abertura para novos produtos', disse o vice-presidente
-Publicidade-
Vice-presidente, Hamilton Mourão, participa da VI Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) | Foto: Gustavo Magalhães/MRE
Vice-presidente, Hamilton Mourão, participa da VI Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) | Foto: Gustavo Magalhães/MRE

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira, 23, que o Brasil quer agregar valor a produtos exportados para a China, em especial àqueles ligados a soja, minério de ferro e petróleo. “E queremos abertura para novos produtos. Hoje, discutimos a questão do trigo que será produzido na Bahia, no Ceará e em Roraima”, acrescentou.

As afirmações foram dadas depois de participar da VI Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), realizada de forma virtual, devido às restrições impostas na China pela política de “covid zero”.

-Publicidade-

“Queremos agregar valor às três commodities que mais exportamos para a China: soja e derivados, minério de ferro e petróleo”, disse.

Mourão acrescentou que os documentos que estão sendo elaborados — nas reuniões envolvendo os dois países — estabelecem orientações que deverão ser mantidas pelo próximo governo. “Dois planos avançarão independentemente do governo que for eleito: o estratégico, que vai até o fim da década; e o executivo, que vai até o fim de 2026”, disse.

Segundo o vice-presidente, as diretrizes que estão sendo elaboradas nos planos bilaterais com o país asiático devem favorecer a abertura das relações e investimentos em setores como agricultura, saúde e comunicações, além de infraestrutura, comércio, educação e sustentabilidade.

O vice-presidente disse também que o Brasil tentará se beneficiar de alguns fundos verdes criados pelos chineses. “No ano passado, eles criaram um fundo de apoio a ações de combate ao desmatamento, visando à promoção do desenvolvimento sustentável da Amazônia. Estamos discutindo formas de ter acesso a esse fundo.”

“O governo que assumir encontrará o caminho traçado, com previsibilidade dos objetivos comuns”, acrescentou, ao detalhar que os planos têm, entre suas prioridades, a participação chinesa em projetos de infraestrutura previstos pelo Programa de Parcerias de Investimento (PPI), em especial visando à construção do corredor bioceânico que ligará o Brasil ao Pacífico a partir da fronteira com a cidade paraguaia de Porto Murtinho.

Com informações da Agência Brasil

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.