Onyx é exonerado para tratar de emendas do Orçamento no Congresso

Ele havia assumido a Secretaria-Geral da Presidência da República há dois dias
-Publicidade-
Onyx Lorenzoni: volta momentânea à Câmara dos Deputados
Onyx Lorenzoni: volta momentânea à Câmara dos Deputados | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Onyx Lorenzoni deixou momentaneamente de ser o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República. Empossado no cargo na última quarta-feira, 24, quando deixou a pasta da Cidadania, o político do DEM foi exonerado. A saída dele do governo federal foi publicada na edição desta sexta-feira, 26, do Diário Oficial da União.

Leia mais: “Lira recua e cria comissão para discutir PEC da Imunidade”

-Publicidade-

Com a exoneração, Onyx reassume mandato como deputado federal pelo Rio Grande do Sul — cargo para o qual foi eleito nas eleições de 2018. Em nota divulgada à imprensa, ele confirma a movimentação, mas adianta que a sua passagem pelo Congresso Nacional será breve. O aliado do presidente Jair Bolsonaro informa ter pedido para deixar Secretaria-Geral da Presidência para tratar de perto — de dentro do próprio Poder Legislativo — das emendas do Orçamento.

No mesmo comunicado, a equipe de Onyx adianta que ele deve voltar a trabalhar diretamente do Palácio do Planalto na próxima semana. Isso porque deve novamente assumir mandato de ministro de Estado na próxima terça-feira, 2 de março.

Aliado movimentado

Essa não é a primeira movimentação de Onyx Lorenzoni dentro da estrutura do governo federal. Ele começou a gestão Bolsonaro como ministro-chefe da Casa Civil. Depois, foi descolado para a pasta da Cidadania. Nesta semana, trocou novamente de área e foi indicado para a Secretaria-Geral da Presidência da República.

Ministro, deputado, ministro, deputado…

Aliado de Bolsonaro, Onyx já havia voltado à Câmara dos Deputados de modo relâmpago no começo do mês. Na ocasião, o presidente o exonerou para que ele, como deputado federal, ajudasse o governo na eleição que definiu Arthur Lira (PP-AL) como presidente da Câmara dos Deputados. Após a votação, voltou a ser ministro — status que deve voltar a ter na próxima semana.

Leia também: “O novo Congresso”, matéria do editor-executivo Silvio Navarro publicada na capa da Edição 45 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.