-Publicidade-

Partidos trabalham para desidratar PEC Emergencial

Proposta permite volta do auxílio emergencial e prevê medidas de controle de gastos
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, no plenário da Casa
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, no plenário da Casa | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Depois de a PEC Emergencial ter sido aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, o plenário da Casa analisa destaques do texto. Partidos trabalham para desidratar a proposta, que, além de abrir caminho para a volta do auxílio emergencial, prevê medidas de controle de gastos.

Foi aprovado um destaque que tira da PEC a desvinculação de fundos públicos. O dispositivo daria mais flexibilidade ao governo na gestão do Orçamento federal.

Leia mais: “Em sessão tumultuada, Bia Kicis é eleita para presidir a CCJ”

Após o governo entrar em campo, os deputados rejeitaram um destaque do PT que desfiguraria ainda mais a PEC.

O líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), anunciou acordo para permitir a policiais e servidores públicos a promoção e a progressão de carreira em momentos de calamidade. O texto será modificado na votação em segundo turno da PEC Emergencial.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.