PF cria banco de dados contra fraudes no coronavoucher

Governo determinou o bloqueio de 1,3 milhão de CPFs por suspeita de irregularidades; Justiça vai investigar
-Publicidade-
Agentes da PF vão atuar contra maracutaias no recebimento de auxílio emergencial | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Agentes da PF vão atuar contra maracutaias no recebimento de auxílio emergencial | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL | Agentes da PF vão atuar contra maracutaias no recebimento de auxílio emergencial | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Governo determinou o bloqueio de 1,3 milhão de CPFs por suspeita de irregularidades; Justiça vai investigar

pf
Agentes da PF vão atuar contra maracutaias no recebimento de auxílio emergencial
Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
-Publicidade-

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal passarão a atuar em casos de fraudes no auxílio emergencial. Ontem, o governo pediu o bloqueio de 1,3 milhão de CPFs por suspeita de irregularidades.

Quaisquer problemas do tipo identificados pelos agentes terão de ser repassados à Caixa Econômica Federal. E, portanto, caberá ao banco confirmar se houve pagamento fraudulento ou não.

Leia também: 317 mil servidores receberam o coronavoucher indevidamente, revela CGU

Em caso de confirmação, os dados devem ser remetidos à chamada Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial. O sistema foi desenvolvido pela PF e vai auxiliar nas operações.

Assim sendo, pessoas que tiverem cometido ilicitudes estarão sujeitas a penas de reclusão de um a cinco anos. Além disso, a penalidade será acrescida de 1/3, no caso de estelionato qualificado, de dois a oito anos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. É preciso realmente verificar as fraudes e combatê-las. Entretanto não fico à vontade quando leio sobre “sistemas desenvolvidos pela Polícia Federal”. É numa democracia que esses “sistemas” precisam ser validados pelo Legislativo ou Judiciário, uma vez que não se conhece seus alcances.Como os dados capturados serão tratados é uma questão que merece o apreço e a investigação da imprensa. Não devemos, a pretexto de combater fraudes, facilitar o acesso aos dados indiscriminadamente sem que seja conhecido da justiça os métodos dessa apuração. A Receita Federal já vigia todos nós, O Fisco Estadual idem, O MP também, e recentemente o COAF e agora a PF. Esse Estado Democrático de Direito parece estar tomando outro rumo…..Não sou contra, que fique claro.Sou à favor de transparência .Só.Alguém poderá dizer: AH! quem não deve não teme. Pois eu lhe digo: concordo.Mas continua descoberto o direito de saber o destino dos dados,Seus arquivos. A troca de informações.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.