PF mira fraude de R$ 73 milhões na compra de cestas básicas pelo governo do Pará

 Agentes da Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Receita Federal atuaram na operação
-Publicidade-
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Agentes da Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Receita Federal atuaram na operação

Pará
Foto: Reprodução/Redes Sociais
-Publicidade-

Uma força-tarefa cumpre 15 mandados de busca e apreensão com o objetivo de apurar eventuais fraudes no contrato de aquisição de cestas de alimentação escolar para toda a rede estadual de ensino do Pará.

A PF investiga fraudes num contrato de R$73.928.946,00, celebrado pelo governo paraense por meio da Secretaria de Estado de Educação.

A Operação Solercia foi deflagrada em Belém, Ananindeua e Salinópolis, no Pará, e na capital paulista.

LEIA MAIS: MP recomenda cassação da chapa de Helder Barbalho

Em março deste ano, o governo Helder Barbalho, por meio de dispensa de licitação, firmou um contrato cestas de alimentação escolar para famílias de alunos da rede estadual de ensino, como medida de enfrentamento à pandemia da covid-19.

A contratação acabou sendo cancelada, mas auditores descobriram que a empresa vencedora faz parte de um grupo de três companhias, possivelmente constituído em nome de testas de ferro com o objetivo de firmar contratos junto ao Governo do Pará há pelo menos cinco anos.

Nesse período, os pagamentos recebidos pelas empresas somam mais de R$ 50 milhões, segundo os investigadores.

De acordo com a Controladoria-Geral da União, há indícios de que o esquema foi organizado por grandes empresários do setor alimentício do Estado.

Os investigados podem responder por crimes previstos na Lei de Licitações, falsidade ideológica, associação criminosa, corrupção passiva e ativa e peculato.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação do Pará informou que a própria secretaria cancelou imediatamente o contrato com a empresa, quando tomou conhecimento da denúncia e não houve nenhum pagamento, portanto nenhum prejuízo ao erário público.

Na mira da PF

Há uma semana, o próprio governador do Estado, Helder Barbalho (MDB), foi alvo da Operação Para Bellum que investiga supostas fraudes na compra de R$ 50,4 milhões em 400 respiradores também sem licitação.

Os 152 equipamentos entregues no primeiro lote apresentaram falhas técnicas durante o processo de instalação, não puderam ser usados e foram devolvidos.

A casa de Barbalho foi alvo de buscas e a Justiça também determinou o bloqueio de R$ 25 milhões de Barbalho e outros sete investigados.

O governo nega irregularidades.

Com informações do Estadão Conteúdo.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site