-Publicidade-

PT sofre o maior revés da história e perde o protagonismo na esquerda

PT fica sem nenhuma capital e vê seu líder máximo rechaçado pelo eleitorado de Norte a Sul

Sem nenhuma capital, sigla vê seu líder máximo rechaçado pelo eleitorado de Norte a Sul

pt - bandeira - região metropolitana de são paulo
Estrela cadente: o pior desempenho de um partido à deriva | Foto: Divulgação

Desde setembro, Oeste tem alertado para uma virada nos ventos da esquerda sem volta nem rumo. Talvez seja nesse segundo ponto que a rodada eleitoral deste domingo, 29, tenha jogado luz: o “lulopetismo” foi enterrado de vez e com ajuda da própria esquerda. O PT, como mostraremos na sequência, parece ter se deparado com o fundo do poço — administrará 183 cidades pequenas e médias, ante mais de 630 em 2012. Mas o Psol, o PCdoB e ‘os meio de esquerda, meio intelectuais de verão’, como PSB, PDT e Rede, sorriram ao lado.

Vamos aos fatos: o PT deixa a corrida sem comandar nenhuma capital, com o pior resultado no maior colégio eleitoral do país — em São Paulo, o desempenho de Jilmar Tatto só é comparável ao de Eduardo Suplicy em 1985 —, e, sobretudo, sem horizonte: ao seu maior líder, Luiz Inácio Lula da Silva, só restam agora as (piores) páginas da História. Não tem um único nome de peso em Brasília, nenhum discurso que cole e ainda aplaude Fernando Haddad, cujo perfil lembra mais o eleitor juvenil de Guilherme Boulos do que um líder operário marxista — leia-se: aquele jovem universitário de classe média-alta que acredita demais nos livros que não leu.

Ah, mas o PT venceu em Diadema e Mauá, na região metropolitana de São Paulo, gritam os torcedores barbudos nas redes sociais, inconformados com a segunda divisão da política. Os dois municípios que nem sequer cabem na sigla “ABC paulista” não possuem a mesma densidade eleitoral de territórios estratégicos naquele quadrado como São Bernardo, Santo André ou, quiçá, uma Guarulhos, o segundo PIB do Estado. Assim como comemorar vantagem no território mineiro em Juiz de Fora e Contagem é muito pouco para quem passou vexame em Belo Horizonte.

No segundo turno, das 15 cidades com mais de 200 mil eleitores em jogo, o “lulopetismo” só ganhou nessas quatro citadas — Diadema, Mauá, Juiz de Fora e Contagem. As principais apostas, Recife (PE) e Vitória (ES), ficaram pelo caminho. Um detalhe deveria chamar ainda mais a atenção dos cegos do castelo: em ambas, tanto Marília Arraes (PE) quanto João Coser (ES) enxergaram o apoio de Lula como “criptonita”. Mas Lula insistiu no abraço e deu no que deu.

A esquerda foi a grande derrotada no pleito municipal deste ano, e isso é matemático. Mas é importante pontuar que a esquerda também ajudou a sepultar o “lulopetismo”. É o fim da frase: o PT e seus satélites. Resta saber como esses satélites vão sair da escola.

Leia mais: “A ruína do ‘lulopetismo'”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Eu acho prematuro apontar a derrota consolidada do PT agora. Porque as gestões de prefeitos eleitos podem ser avaliadas pelos moradores como boa, além disso, a esquerda tem um apoio popular expressivo.

  2. Quem detona o Centro e esquerda no Brasil, é quem os poupa, em sua maioria por serem de esquerda, a mídia brasileira.
    É só Bolsonaro continuar bem com seu ministério, mostrar o mínimo de lucidez, controle sobre a economia e, muito importante, fazer o que puder de infra-estrutura com a grana que deixou de ser roubada, e teremos um grande período de DIREITA CONSERVADORA no comando da NAÇÃO.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês