Vereadores de São Paulo aprovam cachê para ‘lives’

Apenas cinco parlamentares foram contrários à destinação de dinheiro público para artistas que fazem shows via internet
-Publicidade-
Vereadores liberaram prefeitura de São Paulo para remunerar artistas | Foto: CANVA
Vereadores liberaram prefeitura de São Paulo para remunerar artistas | Foto: CANVA | lives - cachê - vereadores de São Paulo

Apenas cinco parlamentares foram contrários à destinação de dinheiro público para artistas que fazem shows via internet

lives - cachê - vereadores de São Paulo
Vereadores liberaram prefeitura de São Paulo para remunerar artistas | Foto: CANVA

Com aval de maioria absoluta dos vereadores de São Paulo, a prefeitura da capital paulista está liberada para repassar recursos públicos (ou seja, dinheiro pago pelo contribuinte) para artistas que realizam apresentações via internet, as populares lives. Na noite de quarta-feira, 1º de julho, apenas cinco integrantes do Legislativo municipal votaram contra a emenda que liberou essa iniciativa.

-Publicidade-

Leia mais:Alcolumbre e Barroso comemoram adiamento das eleições

A questão de pagamento de shows por parte da prefeitura de São Paulo, via Secretária Municipal de Cultura, foi aprovada como emenda de um projeto que, originalmente, visava levantar mais recursos para um programa de alfabetização de jovens e adultos da cidade. Mesmo sem ter relação direta com o tema, o pagamento por transmissões online foi pautado pela Câmara dos Vereadores e contou com apoio de 43 integrantes do Parlamento.

Aprovado pelo Legislativo, o projeto — com a inclusão da emenda sobre pagamento por lives — seguirá para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB). O mandatário tucano já se mostrou, aliás, um entusiasta do programa. Até agora, ele não explicou a razão de, em meio ao estado de calamidade pública enfrentada pelo país todo, a prefeitura de São Paulo liberar dinheiro público para quem realiza apresentações por meio de plataformas digitais.

Os cinco vereadores que votaram contrários à emenda foram:

  • Janaína Lima (Novo);
  • Fernando Holiday (Patriota);
  • Caio Miranda Carneiro (DEM);
  • Camilo Cristófaro (PSB);
  • Gilberto Nascimento Jr. (PSC).

Reclamações

Logo após a votação, Janaína Lima demonstrou a sua insatisfação. De acordo com ela, a prefeitura deveria destinar recursos dos contribuintes para outras ações. “É um absurdo em plena pandemia utilizar esse recurso, para fomentar a política como justificativa de fomento cultural”, publicou a vereadora do Novo por meio de seu perfil no Twitter.

Além de votar contra o projeto, Holiday avisou que irá acionar a prefeitura na Justiça. Conforme declaração do próprio parlamentar, o “pagador de impostos merece respeito com seu dinheiro”.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.