-Publicidade-

YouTube derruba canais do site Terça Livre

Plataforma garante que houve violação dos termos de serviço; donos da página tirada do ar falam em censura
O jornalista Allan dos Santos
O jornalista Allan dos Santos | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Na noite da quarta-feira 3, o YouTube tirou do ar dois canais do site Terça Livre. A plataforma justificou a medida alegando que houve violação reiterada dos termos de serviço do site. “Todos os conteúdos precisam seguir as diretrizes da comunidade”, informou a empresa, em nota obtida pelo empresário Paulo Figueiredo, colaborador do veículo censurado. Ainda segundo a companhia de mídia, ela “se reserva o direito de restringir a criação de conteúdo de acordo com os próprios critérios”.

Italo Lorenzon, um dos fundadores do Terça Livre, lamentou o ocorrido no Instagram: “Talvez essa seja a maior porrada que a gente já tomou em termos de censura. Não podemos dizer que estamos surpresos com o que aconteceu”. Lorenzon garante, porém, que as atividades multimídia continuarão em outros meios. Comandado pelo jornalista Allan dos Santos, o Terça Livre chegou a ter 1,1 milhão de seguidores no YouTube.

O Sleeping Giants Brasil comemorou no Twitter o ocorrido: “O Terça Livre foi banido do YouTube. Depois de mais de 100 empresas bloquearem os seus anúncios após a nossa denúncia, o canal principal e o reserva foram banidos! Essa é mais uma vitória de todos vocês. Eles nos obrigaram a sair do anonimato e acharam que iam nos calar! O nosso trabalho continuou e tudo isso foi possível graças aos mais de 2000 doadores em nossa campanha”.

Leia também: “Os novos senhores do mundo”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na edição 43 da Revista Oeste

Leia também: “YouTube censura vídeo sobre outdoor de Doria em Campo Grande”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 comentários

  1. Já cancelei Facebook, Twitter e Instagram. Tô vendo que o YouTube vai ser o próximo a rodar. Pau que dá em Chico dá em Francisco. Será que eles não aprendem que quem manda é o cliente? Censura a uma plataforma é inútil na medida em que abre portas para mais e mais plataformas alternativas. Quero ver censurarem o Telegram, para onde migrei e no qual encontro todas as informações que me é vedado acessar nas plataformas acima.

  2. A turma do Terça Livre sabe que o YouTube não é um ambiente democrático. Podem muito bem ocupar espaço no Rumble ou no Dailymotion, por exemplo. Mas eles continuam por lá apenas para provocar esse tipo de reação. A censura acaba sendo mais positiva a eles do que a audiência do conteúdo em si. Se realmente quisessem enfrentar a tirania do cartel do Silício já teriam buscado alternativas.

    1. Não é bem assim… 1,1 milhão de seguidores é um ativo e tanto. É claro que o banimento já era uma tragédia anunciada, mas migrar tanta gente para outra plataforma não é moleza não.

      1. Bastava postar também nessas plataformas e colocá-las sempre como alternativas.

  3. O Terça Livre, com certeza terá que migrar para outra plataforma, o problema é o seguinte: como e quando saberemos qual a plataforma eles irão migrar? Eu sei que eles dispuseram um link para que permitissem essa comunicação. Mas até quando?

  4. Essas plataformas precisam ser enquadradas em uma nova política. Se eu abro uma loja eu não posso determinar quem pode entrar e comprar, ou posso ?

  5. Agora, como estas plataformas tornaram-se “editores”, elas devem ser responsabilizadas por qualquer sandice que qualquer um divulgue lá.
    Quero ver eles darem conta de todos os processos.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês