-Publicidade-

A politização do vírus

As soluções que nos tirarão do escuro, das camas de hospitais, dos respiradores e dos necrotérios não podem ser “isso OU aquilo”, e, sim, “isso E aquilo”

Em junho de 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, Hitler surpreendeu o mundo ao invadir a Rússia e rasgar o pacto de não agressão (Molotov-Ribbentrop Pact) entre a União Soviética e Alemanha, empurrando o país comunista para ser um aliado da Grã-Bretanha. Winston Churchill, primeiro ministro britânico e um anticomunista de longa data, então disse: “Se Hitler invadisse o inferno, eu faria pelo menos uma referência favorável do diabo no Parlamento”, referindo-se ao fato da Grã-Bretanha se aliar à Rússia para lutar contra um mal maior, o nazismo.

[ihc-hide-content ihc_mb_type=”show” ihc_mb_who=”reg,1,3″ ihc_mb_template=”6″ ]

Guerras levantam bandeiras de trégua entre povos e nações, empurram grupos antagônicos para fora de qualquer zona de conforto em prol do bem maior, para uma batalha que se não combatida em conjunto.

Independentemente do espectro político e ideológico de cada um, elas podem ser letais para todos.

Seria leviano querer comparar guerras em verdadeiros campos de batalha com a nova guerra contra a covid-19, inimigo invisível que vem assolando países numa pandemia histórica. No entanto, fica cada dia mais óbvio que o coronavírus chegou para escrever um capítulo triste na história da humanidade sobre doentes e mortos em hospitais enquanto políticos se digladiam em suas arenas com discursos pré-fabricados em seus comitês apenas para fins políticos.

Os abutres do caos

Entre o que é realmente pandemia ou histeria, há um gigantesco hiato sendo preenchido por hipocrisia e sensacionalismo para que agendas ideológicas sejam empurradas em meio ao caos, milimetricamente alimentado por abutres que veem em cada desgraça a sua carniça de cada dia. A sensatez e a cooperação, qualidades esperadas e praticadas em momentos históricos em que todos estão no front e qualquer um pode ser atingido, parecem exceções num mar de platitudes e proselitismo barato visto todos os dias nas redes sociais e na grande mídia.

Em meio a tanta incerteza no campo do desconhecido que vem ceifando vidas, o presidente americano Donald Trump tem sido uma voz que vem norteando a nação mais rica e poderosa do mundo, mas que também está sendo obrigada a encarar o medo do frenético contágio viral da covid-19 do que pode trazer o colapso hospitalar até para este próspero país.

Antes de prosseguir, é preciso fazer uma confissão: Donald Trump não era meu candidato nas primárias republicanas em 2016 por várias razões que agora não vêm ao caso. No embate pela Casa Branca com a democrata Hillary Clinton, obviamente a opção mais racional era ele, já que políticas como um Estado mínimo e enxuto, estímulos para o livre mercado, reformas tributárias e a proteção à liberdade individual, por exemplo, fazem parte da agenda do Partido Republicano.

Três anos se passaram após a eleição do “controverso” agente russo, de infinitas conspirações holywoodianas e a terceira guerra mundial não veio como prometeram. Pelo contrário, os números do novo inquilino da Casa Branca amorteceram minha inicial apreensão ao mais novo “nazista, fascista, taxista,…” do partido Republicano. Há exatos três anos, testemunhamos aqui nos Estados Unidos, sob um bombardeio de notícias falsas, acusações e pedidos de impeachment desde o primeiro dia de seu governo. Hoje, a economia americana apresenta números impressionantes, como a menor taxa de desemprego desde 1969 — com o menor índice da história para negros e latinos — e com a incrível marca de 7 milhões de empregos criados desde 2017.

Depois de marcas expressivas na economia, e com o pragmatismo do americano focado no bem-estar de suas famílias, a reeleição de Trump parecia certa, principalmente diante de candidatos democratas que empurraram a agenda do partido para uma esquerda radical que defende, entre outras pautas absurdas, o aborto em qualquer fase da gestação, fronteiras abertas, direito de voto para presidiários, mais impostos, regulações e mais Estado na vida dos cidadãos.

Logo após o show de um pedido de impeachment vazio e sem sustentação pelos democratas, a popularidade de Trump aumentou entre eleitores independentes, normalmente os que podem definir eleições, e a reeleição começava a ser pavimentada. E então veio o vírus.

O inimigo invisível se alastrou pelo mundo, ceifando preciosas vidas e importantes pilares econômicos.

Em poucas semanas, os números da pandemia tornaram-se não apenas alarmantes na esfera humana, mas também no âmbito econômico, trazendo índices vistos apenas durante a Grande Depressão. Alertas foram acionados e forças-tarefas formadas para ações coordenadas com o propósito de proteger vidas humanas e dar algum oxigênio para a economia que sustenta milhões de famílias. O Congresso americano foi convocado para aprovar pacotes de emergência robustos para evitar o colapso do sistema de saúde e da economia, de modo a bloquear um efeito dominó no mundo de proporções catastróficas.

Nancy Pelosi
Nancy Pelosi, líder do Partido Democrata e presidente da Câmara: medidas oportunistas durante a epidemia.

E eis que surge Nancy Pelosi. Líder democrata na Câmara, Pelosi foi responsável pelo fiasco do impeachment de Trump e pela perda de popularidade e confiança do eleitor democrata moderado no partido. Há mais de uma semana, o Senado tenta votar um pacote de ajuda financeira de US$ 2 trilhões que serão destinados a pequenas empresas e cidadãos americanos afetados pela crise que paralisou as atividades comerciais vitais na sociedade.

Nancy Pelosi, que há três anos tenta tirar Donald Trump da Casa Branca, entrou na negociação e fez algumas exigências para “ajudar” na aprovação do pacote emergencial. Na lista de socorro para a nação da líder democrata, bondades vitais e ajuda imediata como: “autorização para tirar título de eleitor no mesmo dia da votação”; “autorização para votar pelo correio sem precisar apresentar documento de identidade”; “limitar o poder de ação da Polícia Imigratoria (ICE)”; “aprovação de créditos fiscais para empresas de painéis solares e modificação dos padrões de emissões de carbono para companhias aéreas”. Respira, não acabou, não. “Orçamentos corporativos dedicados a iniciativas para diversidade e inclusão”; “extensões automáticas para vistos de trabalho para imigrantes”; “US$ 25 milhões para ‘Despesas e Salários’ na Câmara”. E, entre outros pontos cruciais para socorrer cidadãos e hospitais, por que não “US$ 25 milhões para o Centro de Artes Kennedy”?

Diante do desconhecido

A politização do vírus vai tomando conta de quem não aceitou até hoje perder as eleições e quer de todo jeito um terceiro turno, nos Estados Unidos e no Brasil. Há críticas pontuais para ambas as administrações no decorrer dos eventos dessa crise histórica, mas não é justo jogar toda a devastação humana e econômica no colo dos atuais gestores — principalmente no Brasil, onde herdamos uma recessão também histórica dos governos petistas. Nos últimos dias, o número de desempregados nos Estados Unidos, onde a economia pulsante mostrava os melhores números em décadas, bateu recorde. Chegou a três milhões em apenas uma semana. Imaginem o que vem por aí no Brasil…

Não há e não haverá soluções fáceis para problemas complexos.

O mundo está diante do desconhecido e com mais perguntas do que respostas. Urge que políticos e jornalistas desçam de seus palanques e pedestais. As soluções pedirão sensatez e honestidade intelectual e virão o quanto antes apenas se houver cooperação e não a atual dicotomia burra e cega pela politização da infectologia. As que nos tirarão do escuro, das camas de hospitais, dos respiradores e dos necrotérios não podem ser “isso OU aquilo”, e, sim, “isso E aquilo”.

Para os que andam pegando carona no corona e estão em alta velocidade apostando no “quanto pior, melhor” para ganho eleitoral, não se animem. A conta do fã-clube do vírus pode demorar, mas ela vai chegar, ela sempre chega. E aí, não há respirador que salve da morte política. Como Winston Churchill dizia: “A verdade é incontestável. A malícia pode atacá-la, a ignorância pode ridicularizá-la. Mas, no final, lá está ela.”

[/ihc-hide-content]

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

38 comentários

  1. Excelente texto. Nesse momento, o “lado político” deve ser deixado completamente de lado para o bem maior. A população precisa saber que a classe política é capaz de deixar de lado suas divergências para buscar, de maneira conjunta, o que é melhor para o povo. Só assim será possível a criação de um plano racional e correto para proteger a economia do país e também a saúde das pessoas.

    1. Pelo jeito essa Nancy Pelosi é um Rodrigo Maia de saias.

    2. Muito bom te ver aqui.
      Pois não tinha mais estômago para aturar a cruzoe.
      Espero que a oeste se mantenha firme no propósito de ter um jornalismo verdadeiro.
      A parcela do povo que quer ser enganado não precisa assinar nenhuma revista, é só continuar na globolixo bandlixo e cnnlixo..

    3. Já sou assinante. Fiz meu cadastro e o pagamento na semana passada e não consigo entrar na revista

  2. Bah, Ana. Que bom te ver por aqui. E que turma da pesada te acompanha! Fiquei feliz por todos vocês trabalhando juntos pelo Brasil. Vou tomar fôlego para dar conta de tudo! Sucesso! Grande e fraterno abraço.

    1. Parabéns Ana, mais uma vez inserida num time de primeira.

    2. Mais claro impossivel. Como é bom ler uma análise sem emoção exacerbada. Parabéns pela clareza das ideias.

  3. Maravilha, Ana! Realmente, temos de deixa nossa ideologia de lado e nós unir para um bem maior. E não ficar como criança de 5 série falando: “eu avisei e mimimi”.

  4. Prezada Ana

    Adorei o texto, achei bastante esclarecedor para o momento que estamos vivendo.
    Sucesso!

  5. Agora sim, uma revista onde a opinião dos colunistas são isentas e imparciais, cada um responsável pelo seu texto, sem ter uma linha editorial, na qual ou você é da turma do politicamente correto ou está fora. Parabéns a todos os colunistas, os quais ja sou seguidor nas redes sociais. Estou sentindo falta do Alexandre Garcia.

  6. Excelente sua abordagem, Ana. Lúcida e sutil! Parabéns!

  7. A Imprensa tradicional brasileira de outrora a tempos perderam sua honestidade intelectual e vem tentando corromper a intelectualidade do povo brasileiro. Estão passando vexame e colhendo descrédito.

  8. Faltou somente comentar o papel sujo da imprensa, de olho nas verbas governamentais, destilando mentiras e números duvidosos hiperdimensionados, com claro viés ideológico de esquerda. Talvez possa ser uma sugestão para um próximo artigo.

    1. Et et: a solução é sempre genuinamente católica, ortodoxamente católica.

  9. Gostava de ti noutra plataforma e não entendi seu desaparecimento por lá. Gosto de tuas posições e também de teu histórico esportivo. Aqui em casa eu e a Sandra ficamos muito contentes que a nova revista tenha reunido um time de ponta no jornalismo.

  10. Parabéns! É de jornalistas como você que nosso país precisa.

  11. Parabéns pelo texto muito bem redigido.
    Lúcido, focado e principalmente esclarecedor.

  12. excelente como sempre! ainda mais terminando com Churchill! parabéns por nos enriquecermos com conhecimento!

  13. Parabéns, Ana. Teu artigo me fez pensar muito. E por isso mesmo te agradeço. E um dos meus pensamentos foi de que se pudéssemos dotar o coronavírus de um desejo a ser realizado e de um objeto para essa realização (como o alvo de um Exocet) eu diria que o desejo último e único desse vírus seria o de infectar o Trump.

  14. Boa sacada! he he he
    Daqui da serra gaúcha um “jornada nas estrelas”.

  15. As atitudes que os governadores estão tomando serão catastróficas e trarão muito mais mortes que o próprio vírus. Que o Senhor nos ajude!

  16. Coerência intelectual e uma grande verdade constroem um texto tão bom.

  17. Você não imagina a alegria que me da ver uma revista com jornalismo DE VERDADE! Parabéns a todos!

  18. Sou seu seguidor no Twitter e te admiro pela sensatez das suas postagens. Primeiro texto longo seu que leio. Parabéns! Sensato, claro e isento.

  19. Parabéns! Brilhante como sempre. Ah! Que bom que vc deixou o O Antagonista que virou uma espécie de “Capricho” da imprensa política brasileira.

  20. Parabéns Ana Paula! Brilhante…saiba que sou seu admirador desde o tempo do estadeco…acompanhava você naquela outra revista (que deixou de ser séria para ser um baba-ovo do covidoria), e agora cancelei lá e vim pra cá…entre outras razões para continuar a ter o privilégio de ler seus textos…
    Continue assim…!! Ler textos como o seu nos dá a esperança de dias melhores!

Os comentário estão desabilitados.

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.