Pular para o conteúdo
publicidade
fertilizantes
O elemento químico potássio (K) é de grande importância para a agricultura. É a matéria-prima dos fertilizantes | Foto: Shutterstock
Edição 102

Potássio para dar e vender

Embora as reservas brasileiras sejam capazes de suprir o país por mais de 200 anos, o mineral ainda é importado

Artur Piva
-

Não são apenas os ataques a usinas nucleares e alvos civis ou os milhões de refugiados que deixam a Ucrânia rumo a outras paragens da Europa o que preocupa o Brasil na guerra que acontece do lado de lá do Atlântico. O potássio, um mineral de cor marrom que, depois de processado, é transformado em pequenas porções que lembram ração de cachorro, é indispensável para a produção de fertilizantes usados nas lavouras brasileiras. E boa parte desse potássio é importada da Rússia.

Apesar dessa dependência do mercado externo, o Brasil tem uma das maiores reservas de potássio do mundo. O mapa dessa mina é conhecido há mais de uma década. Localizada no Amazonas, a quantidade de minério depositada ali pode suprir a demanda nacional por mais de 200 anos.

Reinhold Stephanes, que comandou o Ministério da Agricultura no governo Lula entre 2007 e 2010, afirmou que o grupo canadense Falcon já havia comprado uma grande área na região quando ele estava à frente da pasta. “Eles me disseram que havia ali a perspectiva de existir a terceira maior reserva de potássio do mundo”, contou Stephanes.

A área faz parte de uma jazida que pode se estender até o Pará. Ao todo, estimam-se mais de 3 bilhões de toneladas de minério. Boa parte dele está localizada em Autazes (AM), município a pouco mais de 100 quilômetros de Manaus, encostado nos rios Madeira e Amazonas. A quantidade existente ali é estimada em quase 800 milhões de toneladas de silvinita (sais de potássio), segundo estudos realizados pela Potássio do Brasil Ltda., empresa que pretende explorar a área.

YouTube video

O potássio na agricultura

Em 2020, as plantações brasileiras consumiram pouco mais de 10 milhões de toneladas de fertilizante à base de potássio. Cerca de 95% disso não foi produzido aqui, segundo os dados do Ministério de Minas e Energia. O problema é que todo o potencial encontrado no Norte do país ainda está longe de ser aproveitado.

O setor privado deseja começar a produzir esses fertilizantes no país desde 2010, quando a Potássio do Brasil anunciou a descoberta “de potássio no projeto de pesquisa na Bacia do Rio Amazonas”. Mas a burocracia brasileira emperra a operação há mais de uma década. Embora não esteja dentro de reservas indígenas, o fato de estar poucos quilômetros distante de algumas delas impede o início da mineração.

Sob o argumento dessa “proximidade”, o Ministério Público Federal pediu, em 2016, a suspensão das licenças que a Potássio do Brasil já tinha para fazer pesquisas no local e iniciar as obras do complexo de processamento. Elas haviam sido concedidas pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas, órgão estadual. A Justiça atendeu os procuradores, e tudo ficou parado.

O “Projeto Potássio da Amazônia”, nome dado à empreitada, inclui instalar uma fábrica, uma linha de transmissão de energia e um porto para escoar a produção. A estrutura aproveitará as barcaças que navegam pelo Rio Madeira carregadas com a produção agrícola do Centro-Oeste rumo à foz no Oceano Atlântico. No retorno, em vez de voltar vazias, seriam utilizadas para levar o insumo aos produtores.

A operação ainda traria ganhos ao meio ambiente, uma vez que muito menos cargas viriam do extremo norte do planeta. Atualmente, a maior parte do potássio aplicado nas lavouras brasileiras vem dessa faixa do globo. O Brasil importa o produto principalmente do Canadá, de Belarus e da Rússia.

A invasão da Ucrânia

Nos últimos anos, essa dependência deixou o Brasil refém das mudanças de preço do dólar. Agora, com a invasão da Ucrânia pela Rússia, o problema se tornou ainda mais sensível. Tereza Cristina, ministra da Agricultura, trabalha para evitar que a guerra vire uma tragédia também para a agropecuária. O setor, vital para a economia brasileira, somou o Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 1 trilhão e faturou mais de US$ 100 bilhões com exportações em 2021.

Russos e bielorrussos passam por sanções econômicas em razão do conflito. A retirada deles do mercado impede os envios do minério para o Brasil. A ministra busca suprir a necessidade nacional com outros parceiros. Além do Canadá, entram na lista de possíveis fornecedores o Chile, Israel, alguns países árabes, como a Arábia Saudita e o Catar, além do Irã.

“O Brasil tomou um caminho equivocado de importar, e não produzir fertilizantes”

Tereza Cristina se reunirá com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) para buscar alternativas. A estratégia é mostrar ao órgão da ONU que fertilizantes e alimentos têm a mesma importância: sem adubo, não há comida. Portanto, os dois itens devem ser tratados da mesma forma: com uma política de zero sanções.

Ainda que funcione, ela avisa que o mercado deve passar por ajustes. “Os preços ficarão mais altos”, alertou, numa entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan. “Essa é uma dificuldade, mas o produtor sabe que, nesse primeiro momento, teremos o aumento do preço desses insumos importantes para agricultura.”

Menos produção e mais dependência

Segundo a ministra, “o Brasil tomou um caminho equivocado de importar, e não produzir fertilizantes”. “Nós ficamos cada vez mais dependentes”, lamentou. Tereza Cristina comentou os casos de Estados Unidos e China, outros grandes players do agronegócio mundial, que optaram pelo caminho oposto e hoje produzem 80% da necessidade local de fertilizantes.

Cloreto de potássio é um fertilizante mineral vermelho | Foto: Andrei Dubadzel/Shutterstock

A “mina em Autazes”, de acordo com a ministra, é uma solução de longo prazo. “É tão grande que temos nela o suficiente para abastecer o país por 200 anos”, disse, lembrando do entrave burocrático que impede a exploração. Caso tudo corra bem, a jazida pode começar a suprir um quarto da necessidade nacional até 2025. Ou cinco vezes mais que a produção atual brasileira, que hoje está praticamente toda concentrada no complexo Taquari-Vassouras, em Sergipe.

Antônio Cabrera, ministro da agricultura do governo Collor, resume o problema em três palavras: falta de liberdade. “Todo potencial que existe aqui não pode ser utilizado em razão da nossa burocracia, da nossa capacidade de não aproveitar os recursos naturais”, disse. Segundo Cabrera, falta aos governantes brasileiros uma percepção básica: “Mais liberdade significa menos pobreza e mais alimentos”.

Leia também “Pulverizando mitos”

24 comentários
  1. Hailton Azevedo Pelaes
    Hailton Azevedo Pelaes

    A esquerdalha vive em função da pobreza, quanto mais melhor. Exemplos na América Latina é o que não falta.🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  2. jose eustaquio sampaio
    jose eustaquio sampaio

    Infelizmente no Brasil, o ativismo judiciário, os maus políticos e Ongs Internacionais,
    sempre agirão contra o Agro negócio Brasileiro, se não haver uma derrubada desse
    ativismo e dos entraves, além da Guerra , logo para o Agro começará a faltar o fertilizante seja em um preço exorbitante ou pela falta do mesmo, o preço dos alimentos
    irão as alturas, e nada segurará a população faminta.

  3. Romeu José Paludo
    Romeu José Paludo

    Como, em nome da nossa soberania, parte destas terras estão na mão de canadenses? Quase sempre desafetos, sempre concorrentes ( nem sempre leais ) os canadenses não poderiam estar nesta posição. Tem brasileiro vendendo o Brasil! E para estrangeiros ruíns para nossa soberania.

  4. Erasmo Silvestre da Silva
    Erasmo Silvestre da Silva

    Tanto absurdo que não se consegue comentar

  5. João Gioda Angonesi
    João Gioda Angonesi

    O inimigo do Brasil não é só a burocracia. Há muitos outros como os políticos, juízes e promotores esquerdistas que preferem internacionalizar a amazônia a permitir a sua exploração econômica em prol do povo brasileiro.

  6. José Camargo
    José Camargo

    Só foi o Brasil começar a falar na nossa reserva de potássio no Amazonas que já saiu um “estudo” lá na Europa dizendo que 75% da floresta amazônica está entrando na fase terminal.É mole?

  7. Robson Oliveira Aires
    Robson Oliveira Aires

    Ótimo artigo. Parabéns. Agora com órgãos como o MPF e outros similares fica difícil a vida dos produtores rurais. Com essa conversa fiada de defender os interesses dos índios, esses órgãos, bem como ONG’s e terroristas ambientais acabam atrapalhando, dificultando o agronegócio brasileiro.

  8. José Carlos Falcão De Andrade
    José Carlos Falcão De Andrade

    Todas essas dificuldades e impedimentos são reflexo do método esquerdista de manter as populações na pobreza. Afinal, seitas como todas as de esquerda não sobrevivem se não houver massas de miseráveis para serem manipuladas e escravizadas.

  9. José Carlos Gastaldi
    José Carlos Gastaldi

    Existem na política suja do Brasil o desprezo pelas nossas riquezas que fluem a décadas dos políticos do pt e esquerdistas somados às hongs e aos militantes ambientalistas que sequer conhem e distinguem um inseto de uma planta.

  10. Agnelo A. Borghi
    Agnelo A. Borghi

    Não pode dentro das “terras indígenas”. Não pode próximo a elas. Ah, burocratas de merda. Vão todos a pqp.

  11. Joao Alberto Reboucas Nery
    Joao Alberto Reboucas Nery

    Brasileiros ligados aos interesses do pais gostando de ver , claro que bolsonaro ! falar do Lula ladrao nada utiil deixa pra Dilma babar ovo , so infutilidade e ignorancia coitada auseiner né ! embora nao se pode culpar a doença , mas enfim ela é PT por opçao problema dela.

  12. Joao Alberto Reboucas Nery
    Joao Alberto Reboucas Nery

    Ta fumando alguma coisa esse maluco, nós brasileiros discutindo saida pra importaçao do potacio e derivados e o Petista cagando tudo com desinformaçao, fica calado oohhooo

  13. Augusto
    Augusto

    O brasil não era pra depender de nenhum outro país com as riquezas que possui.

  14. Dulce
    Dulce

    Corrigindo a matéria: potássio não é mineral. Potássio é um elemento químico que existe na estrutura de vários minerais. Um exemplo de mineral que contém potássio é a carnalita, cuja fórmula química é KCl.MgCl2·6(H2O).
    Outros minerais que contém potássio(k) : silvita, cainita, halita e kieserita.

  15. José Roberto Lima
    José Roberto Lima

    O problema é essas desgraças dos Bolsonaros e Guedes, que entregam o país, para ganhar comissão em paraísos fiscais com a importação, que a ministra diz burrocracia.

    1. Guido
      Guido

      Cara … O que vc fala e besteira.
      O problema da burocracia e muito mais velha.
      Os “direitos indígenas” sao muito anteriores, e justamente Bolsonaro e especialmente Paulo Guedes, tentam desburocratizar a economía e fazer um estado menor.
      E impossivel desenvolver um país onde um escuela funcionario com um carimbo pode atrapalhar um investimento milionario

    2. Manfred Trennepohl
      Manfred Trennepohl

      Jose R. Lima, você e um perfeito idiota. Para de falar asneiras. Olha para teu time: Lula e cia., que roubaram esse Pais ao longo de 14 longos anos. Eles e que deixaram nosso Brasil na situação de falencia.

  16. Vanessa Días da Silva
    Vanessa Días da Silva

    As vezes acho que esses entraves burocráticos servem para favorecerem a venda de nossas terras para empresas estrangeiras, como citado no texto em relação à empresa canadense.

  17. Osvaldo Nogueira
    Osvaldo Nogueira

    Depois esse mesmo mpf vem pedir apoio popular, quando sofre investidas do legislativo visando diminuir suas interferência abjetas.

  18. Jorge Vaz
    Jorge Vaz

    Autor?

    1. Revista Oeste
      Revista Oeste

      Artur Piva

  19. Arlete Pacheco
    Arlete Pacheco

    ÀS VEZES FICO IMAGINANDO COMO CERTOS ELEMENTOS CONSEGUEM APROVAÇÃO EM UM CONCURSO PÚBLICO. CRIATURAS QUE NADA SABEM SOBRE DETERMINADAS MATÉRIAS, ALÉM DE IGNORAREM O CUSTO SOCIAL E ECONÔMICO QUE SEUS ATOS PODEM CAUSAR, IMPEDEM A TRAMITAÇÃO DE UM PROCESSO E, O QUE É MAIS GRAVE, DEIXAM-NO ESQUECIDO EM UMA GAVETA POR ANOS A FIO!!! NO CASO EM TELA, NÃO É POSSÍVEL QUE UM PROCESSO SUSPENSO, A PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO, FIQUE DE 2016 ATE O PRESENTE, SEM QUE TENHA FICADO ESCLARECIDO SE AS DÚVIDAS DO MP TÊM FUNDAMENTO OU !!!!!!!!?????????????

    1. Antonio Carlos Neves
      Antonio Carlos Neves

      Não seria o caso do Poder Executivo via presidente Bolsonaro exigir que o STF se manifeste em 48 hs. a respeito, ou o presidente Fux do STF compareça na PF para esses esclarecimentos. A proposito, foi FUX quem manteve por longos 4 anos uma LIMINAR que garantiu o IMORAL e ILEGAL AUXILIO MORADIA a juízes, procuradores e assemelhados. Esse desvio de recursos públicos não poderiam ser destinados a saúde e saneamento básico? Vale dizer que essa LIMINAR só foi suspensa quando o STF recebeu generoso aumento de salário.

Anterior:
Barbara Koboldt, jornalista: ‘Quis sair de A Fazenda depois de três dias de reality’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 222
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.