Maurício Souza, jogador de vôlei | Foto: Montagem Revista Oeste/Shutterstock
Maurício Souza, jogador de vôlei | Foto: Montagem Revista Oeste/Shutterstock

Radiografia de um linchamento

Maurício Souza foi condenado por um tribunal obscuro e covarde — e, se silenciar, um dia a vítima vai ser você

Em entrevista ao jornalista Rica Perrone, o jogador de vôlei Maurício Souza contou que sua mulher quis a separação em meio ao linchamento que o atleta sofreu. Hoje está na moda chamar isso de “cancelamento” — uma licença poética emprestada da terminologia dos matadores. E ainda dizem que se trata de uma onda virtuosa, afirmativa, inclusiva, etc. Nunca se viu tanto carinho com a violência.

Maurício não joga mais vôlei. Foi estigmatizado de maneira terminal por uma opinião que emitiu. Não é que ele tenha sido alvo de contestações ou objeto de repúdio. Esse integrante da seleção brasileira foi aniquilado. Riscado do mapa. Você está diante de um tribunal obscuro e covarde — e, se silenciar, um dia a vítima vai ser você. E ninguém vai te socorrer.

Foi o que aconteceu com Maurício, como ele detalha nessa conversa franca publicada no YouTube pelo Canal do Rica Perrone. Preste atenção a esse detalhe: o jogador conta que ninguém — ninguém mesmo — do seu círculo profissional deu um pio publicamente contra o seu linchamento. “Só em off”, conta Maurício, mesmo assim expressando gratidão aos que se solidarizaram em particular com ele. É um escândalo.

Como todos sabem, Maurício Souza foi acusado de homofobia — por conta de uma postagem criticando a bissexualidade do personagem do novo Superman. No entanto, como conta na entrevista, sempre atuou ao lado de atletas homossexuais e jamais teve problema com qualquer um deles. Ao contrário, relata que o clima sempre foi de companheirismo, irreverência e respeito, sem que a questão sexual trouxesse qualquer aresta às suas relações no vôlei e na vida. Como uma pessoa assim pode ser enforcada moralmente em praça pública, sob o absoluto silêncio dos que o conhecem e sabem da hedionda injustiça?

O técnico da seleção, um ídolo do vôlei nacional, não hesitou em jogar Maurício aos leões

O que se viu foi um companheiro de time, que se tornou ativista gay, disparar publicamente contra Maurício — com a tese de que um Superman bissexual seria uma mensagem de ampliação da representação heroica, incluindo a possibilidade de identificação dos que não são héteros. Ok, é uma possibilidade de abordagem. Mas por que não pode existir a abordagem de Maurício? Ele criticava a troca de sexo de um personagem conhecido como super-homem.

Beijo gay entre o novo Superman, filho de Clark Kent, e outro personagem | Foto: Divulgação

Considerando-se que a fronteira entre inclusão e demagogia nem sempre é clara, no mínimo deveria ser garantido o respeito a abordagens distintas, sem essa caçada reacionária a tudo que divirja do panfleto-padrão. Quem quiser detestar, que deteste. Quem quiser processar, que processe.

Mas nada disso basta. É preciso aniquilar o herege. O técnico da seleção, um ídolo do vôlei nacional, não hesitou em jogar Maurício aos leões. O mesmo fizeram as empresas patrocinadoras do seu clube. O linchamento foi montado e nenhum covarde deixou de aparecer para dar o seu chute na vítima. Sob esse cerco violento, a mulher de Maurício lhe disse que ia deixá-lo. Não estava suportando a pressão. Ele se manteve firme e conseguiu acalmá-la, assegurando que a loucura iria passar, conforme relata na entrevista.

Conseguiu superar a crise em casa e hoje é bem recebido em qualquer lugar do país — o atleta de seleção que não encontra um único time para exercer o seu talento na atividade da qual vive. Felizmente os canalhas não conseguirão matá-lo de fome, graças a tudo que uma carreira pródiga lhe deu.

E também não conseguiram deixá-lo sozinho, graças a manifestações isoladas, como a da também gloriosa ex-jogadora da seleção Ana Paula Henkel, atualmente colunista da Revista Oeste, e do jornalista esportivo independente Rica Perrone — que agora no seu Cara a Tapa, programa de grande audiência, dá a Maurício Souza a oportunidade de mostrar as circunstâncias chocantes do seu aniquilamento. Um tapa na cara da sociedade covarde.

Leia também “Jantando a democracia”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

38 comentários Ver comentários

  1. Covardes, vermes abjetos, querendo impor uma merda de goela abaixo em todos. Vão pra PQP. Quero mais que se fodam. Homem é homem e mulher é mulher e ponto final. Bando de escrotos.

  2. Destruíram uma carreira de atleta, mas construíram um novo político, que espero, entre forte nesse combate contra toda essa hipocrisia e ajude fazer do nosso país um lugar decente para se viver.

  3. Ser considerado ” crime de homofobia” quando se trata de um personagem de filme, fictício já é demais….profundamente decepcionada com o pessoal do volei esporte que mais AMO e acompanho sempre….infelizmente não vejo mais com bons olhos o técnico Renan….esse NÃO tem mais meu apoio….Desejo todo sucesso a Maurício que prontamente foi acolhido por Bolsonaro e sua equipe….

  4. Lembrando que condenados por assassinato e motoristas bêbados que atropelaram e fugiram sem prestar socorro, não sofreram qualquer tipo de censura.
    A sociedade está aceitando o cabresto do politicamente correto. Tempos difíceis!
    E a Oeste é um sopro de esperança! Parabéns!

  5. Lembro que não muito tempo atrás o ex-goleiro Bruno saiu da prisão, pelo assassinato de sua mulher, e contratado para jogar num clube de futebol. Donde se conclui que um assassino é mais bem quisto que um suposto crime de homofobia, nessa nova realidade.

  6. Essa patifaria da esquerda quer impor uma minoria contra a maioria, e até cria leis. A lei é pra todos. Isso é uma zorra. Eu sou hidrofóbico, trauma dê afogamento, eu sou um Criminoso das águas?

  7. Irretocável esse texto do Fiuza. Parabéns. No que depender de mim, enquanto o atual técnico da seleção masculina de volei estiver no comando, não verei nenhum jogo da seleção. Também, nem que fosse a única fabricante de veículos automotivos no mundo, compraria automóveis da marca Fiat. É lamentável a que ponto chega a covardia das pessoas.

  8. Mauricio vai ser eleito deputado federal com estrondosa votação dos que não suportam mais essa covardia por você apontada, Fiuza. Essa dominação que algumas minorias sem caráter buscam impor ao estilo brasileiro de liberdade e respeito entre os seus é abjeta.

  9. PARABÉNS FIUZA!!!
    TEM DE LEMBRAR SEMPRE NOSSO POVO..

    Covid/Fique em CASA e o cancelamentos de pessoas bem nos moldes NAZISTA uqe esta escumalha socialista pratica..
    os partidos do demonio ABERTAMENTE são PT -PSOL- PSTU- PCO REDE e silenciosamente ===>>>> PSDB MDB DEM PP Solidariedade, PDT NOVO30, PSB do covarde Roberto Freire de pernambuco..
    MINORIA COVARDE
    Mas é muito mais covardes aqueles que “esquecem”, não se indignam
    E NÃO COBRAM!
    FIAT-JEEP e Aços GERDAU NÃO COMPREM!
    NATURA E BOTICARIO NÃO COMPREM!
    Itau , Bradesco e Santander NÃO ABRAM CONTA
    NETFLIX – DISNEY
    REDE GLOBO e suas coligadas streamingTelecine, CNN, Bandeirantes
    FOLHA SÃO PAULO – estado de são paulo – VEJA – Isto é – Metropolis DELETEM… de suas vidas

  10. Esse técnico da Seleção de Volei além de ser fraco e tembém um covarde agindo assim com um ATLETA DE CARACTER E PROFISSIONAL
    RENAN PEGUE SEU CHAPEU E VA PARA CUBA ONDE É SEU LUGAR, NÃO QUEREMOS MAUS CARACTER EM NOSSA SELEÇÃO.

  11. Acabei de fazer um comentário no facebook sobre o filme da Disney, Buzzlighyear ,que não era para criança, querendo colocar a cartilha LGBT para crianças, o facebook apagou meu comentário e me deu um block de dias !!

  12. Qdo um líder de um time de quaisquer modalidades de esportes toma publicamente um viés político, para mim, ele não serve mais para comandar o grupo. A verdade é nua e crua a seleção não está correspondendo na quadra, devem ter atletas que não concordam e houve uma divisão do grupo

  13. Boa RF, é isso mesmo. Uma opinião não pode execrar uma carreira, um cidadão, muito menos acabar com uma Família. Onde iremos parar com essas bossalidades? Com esse politicamente correto?
    Até quando?

  14. bom,minha parte estou fazendo,nao compro mais carros da fiat e aço da gerdau e deixei isto claro a eles por e-mail e tbem recomendando a NAO compra para meus conhecidos talvez nao seja nada ,mas me sinto satisfeito em poder dar o troco

  15. As pessoas não podem mais opinar,a liberdade de expressão está na corda bamba, é difícil falar abertamente para um grupo o que você pensa sobre acontecimentos da atualidade.Mauricio.nao agrediu ou atacou ninguém,apenas emitiu uma opinião,isso atingiu sua vida pessoal e profissional.Opinioes e pontos de vista tornaram-se motivo de punição.

  16. Não basta condenar o cara, perseguir, acabar com a reputação, é preciso aniquilá-lo. Estamos nesse momento ridículo em q as pessoas querem um mundo com uma opinião única em q se vc divergir dessa opinião, vc tem q ser destruído. Isso pq eles se dizem tolerantes, o mundo imaginário da paz, amor e ódio do bem. Agora a mulher no momento em q ele se encontrava mais só ameaçar deixá-lo? Pesado.

  17. Sou admiradora dos seus comentários no Pingos Nos Is e dos textos em Oeste. Livros, ainda não os li.
    Inadmissível o que acontece com o Maurício.

  18. É assustador saber que acabaram com a carreira de um excelente atleta somente por emitir sua opinião. É assustador e um verdadeiro absurdo.

      1. Obrigado ao Maurício pelas alegrias que nos deu. Vai ser eleito deputado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.