Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

O colapso econômico tem raízes no lockdown

Por razões estranhas, muitos imaginaram que os governos poderiam simplesmente fechar uma economia e ligá-la novamente sem consequências

A capacidade de negação dos norte-americanos é realmente espantosa. Por pelo menos 27 meses, deveria ter ficado óbvio que estávamos caminhando para uma grave crise. Não só isso: a crise já estava aqui em março de 2020.

Por razões estranhas, muitos imaginaram que os governos poderiam simplesmente fechar uma economia e ligá-la novamente sem consequências. E ainda estamos aqui.

Os historiadores do futuro, se houver algum inteligente entre eles, certamente ficarão horrorizados com nossa espantosa ignorância. O Congresso promulgou décadas de gastos em apenas dois anos e imaginou que seria bom. As impressoras do Fed (Federal Reserve, equivalente ao Banco Central) funcionavam a todo vapor. Ninguém se importava em fazer nada sobre os emaranhados comerciais ou as quebras da cadeia de suprimentos. E aqui estamos.

Nossas elites tiveram dois anos para consertar esse desastre que se desenrolava. Não fizeram nada. Agora enfrentamos uma inflação terrível, sombria, extenuante e exploradora, ao mesmo tempo em que estamos mergulhando novamente na recessão, e as pessoas ficam se perguntando que diabos aconteceu.

Vou lhes contar o que aconteceu: a classe dominante destruiu o mundo que conhecíamos. Aconteceu bem diante de nossos olhos. E aqui estamos.

Não há mais brindes

Na semana passada, o mercado de ações cambaleou com a notícia de que o Banco Central Europeu tentará fazer algo sobre os mercados que combatem a inflação. Então, é claro, os mercados financeiros entraram em pânico, como um viciado que não consegue encontrar sua próxima dose de heroína. Esta semana já começou com mais do mesmo, por medo de que o Fed seja forçado a conter ainda mais seu evento de política de dinheiro fácil. Talvez não; mas a recessão parece iminente de qualquer maneira.

A má notícia está em toda parte. Mesmo em meio a mercados de trabalho muito apertados e desemprego muito baixo (principalmente mítico quando você considera a participação da força de trabalho), as empresas começaram a demitir trabalhadores. Por quê? Para se preparar para a recessão e a perspectiva de mais caos econômico à frente.

Funcionários do governo afirmavam que tudo ficaria bem. Muitas pessoas acreditaram neles, apesar de todos os dados apontarem exatamente o oposto

Gigantes da tecnologia que voam alto também estão restringindo seu entusiasmo. Aparentemente, o Facebook foi enganado ao pagar grandes agências de notícias para permitir que os usuários do FB tivessem acesso gratuito a artigos — sem dúvida àqueles que reforçavam a propaganda do governo, já que Mark Zuckerberg ofereceu toda a sua empresa para ser mensageira do regime em 2020. O FB foi roubado e agora está repensando. Não há mais brindes.

Este poderia muito bem ser o tema da vida norte-americana. Não há mais caridade. Não há mais bondade. Chega de fazer algo por nada. Em tempos inflacionários, todos se tornam mais gananciosos. A moralidade fica em segundo plano e a generosidade não existe mais. É cada um por si. Isso só pode ficar mais brutal.

Houve uma espécie de ruptura psicológica na última sexta-feira com as notícias da CPI (Índice de Preços ao Consumidor, na sigla em inglês). Não foi melhor do que no mês passado. Não foi o mesmo do mês passado. Foi pior: 8,6% ano a ano, o pior em 40 anos. Honestamente, todo mundo já sabia disso no fundo do coração, mas há algo sobre o anúncio oficial que o codificou.

Sem saída para o momento

Mas digamos que empilhamos os dados em dois anos em vez de um ano. Com o que se parece? Chega a 13,6%. Nunca vimos nada assim. E está realmente começando a doer como nunca. O gás está acima de US$ 5 e os aluguéis a mais de US$ 2 mil por mês, em média. Os aumentos no trabalho pararam de chegar também. Pelo contrário, os empregadores esperam maior produtividade por cada vez menos dinheiro em termos reais.

Os preços têm um longo caminho a percorrer para lavar o papel espalhado pela economia mundial. Aqui está a onda de impressão em comparação com as tendências atuais de preços. De jeito nenhum isso vai melhorar antes de ficar muito pior.

M2: Dinheiro Circulante

Índice de Preço ao Consumidor Consumidores Urbanos

Junte tudo, especialmente com as finanças em declínio, com as quebras da cadeia de suprimentos e outros deslocamentos econômicos, e é por isso que parece que as paredes estão se fechando. É porque estão. E realmente não há saída para ninguém neste momento.

Ninguém deve ficar chocado com nada disso. Estava tudo nas cartas, um resultado garantido por políticas medonhas em duas administrações presidenciais, tudo promulgado por um governo que não sabe nada de economia e não se importa com direitos comerciais e humanos básicos. Você dispensa essas coisas e corteja o desastre.

E é assim que você obtém o pior índice de confiança do consumidor já registrado.

O que torna hoje diferente da década de 1970 é o ritmo em que tudo isso se desenrolou. Mesmo um ano atrás, funcionários do governo afirmavam que tudo ficaria bem. Muitas pessoas acreditaram neles, apesar de todos os dados apontarem exatamente o oposto. Realmente parece que nossos senhores e mestres acreditam que suas fantasias são mais reais do que a própria realidade. Eles dizem isso e de alguma forma se torna verdade.

Você pode imaginar que, apenas no mês passado, o governo Biden inventou a ideia de estabelecer um “Conselho de Governança da Desinformação”? Ele foi projetado para roteirizar a verdade para todas as mídias sociais e meios de comunicação convencionais, censurando todas as dissidências. O plano explodiu apenas porque era abertamente orwelliano para consumo público. O que importa aqui é a intenção, que é nada menos que totalitária.

Vida de luxo sem trabalho

A política é uma boa diversão para muitas pessoas, um esporte real e uma boa distração da vida real. Mas a política se transforma num negócio muito sério quando as finanças pessoais tornam a vida boa cada vez menos viável. No momento, todo mundo está procurando alguém para culpar, e a maioria das pessoas deu em cima do velho da Casa Branca. De alguma forma, eles acreditam que Biden deveria fazer algo sobre todos esses problemas, apesar de uma carreira ao longo da vida de não saber nada e não fazer nada sobre nada.

Que coisa surpreendente ver desenrolar-se diante de nossos olhos, e tão rapidamente! O “mal-estar” de 1979 demorou muito para chegar, mas o colapso de 2022 atingiu muitas pessoas como um furacão, que de alguma forma evitou a detecção do radar. E, no entanto, pode estar longe de terminar.

Em 2020 e nos anos seguintes, o dinheiro apareceu como mágica nas contas bancárias de todo o país. Um terço da força de trabalho havia se acostumado a definhar em casa, fingindo trabalhar. Os alunos começaram a usar o Zoom em vez de aprender. Adultos que passaram a vida inteira abraçando as desutilidades normais do trabalho ganharam pela primeira vez a visão de uma vida de luxo sem trabalho.

Um dos resultados foi um enorme boom nas economias pessoais, mesmo que apenas por um breve período. Parte do dinheiro foi gasta na Amazon, com serviços de streaming e entrega de comida, mas também grande parte foi parar em contas bancárias, pois as pessoas começaram a economizar dinheiro como nunca antes, provavelmente porque as oportunidades de gastar em entretenimento e viagens secaram. As economias pessoais subiram para mais de 30%. Parecia que éramos todos ricos!

Esse sentimento não poderia durar. Uma vez que a economia se abriu novamente e as pessoas estavam prontas para sair e gastar suas novas riquezas, uma nova e estranha realidade se apresentou. O dinheiro que eles achavam que tinham valia muito menos. Também havia estranhas carências de bens que antes eles davam como garantidos. Suas novas riquezas se transformaram em vapor em questão de meses, cada mês pior que o anterior.

Como resultado, as pessoas tiveram de esgotar suas economias e recorrer ao financiamento da dívida, apenas para acompanhar o declínio do poder de compra, mesmo quando sua renda em termos reais caiu drasticamente. Em outras palavras, o governo tirou o que deu.

Taxa de Poupança Pessoal
Renda Pessoal Real Disponível


A teoria do mingau

O longo período de negação parece ter acabado de repente. Pessoas de todas as convicções políticas estão fumegando de raiva. O crime em todos os lugares hoje em dia não é incidental ou acidental. É uma marca do declínio civilizacional. Algo tem que dar e vai dar em algum momento. A classe dominante neste país e seus amigos ao redor do mundo causaram uma tremenda destruição.

Aqui está o poder de compra do dólar desde 2018. Veja o que nossos governantes fizeram!

Índice de Preços para Consumidores Urbanos. Poder de compra do dólar em média nas cidades norte-americanas

E, no entanto, o que nossos governantes têm a nos dizer? Eles nos dizem para confiar mais no vento e no sol — as palavras exatas de Janet Yellen ao Senado. Eu costumava pensar que ela era uma espertinha, mas acho que o poder transforma mesmo as boas mentes em mingau. Mingau é exatamente o que eles fizeram de uma nação outrora próspera e esperançosa.

O aspecto mais frustrante de tudo isso é a falha desenfreada em conectar causa e efeito. A causa deve ser clara: tudo isso foi iniciado pelas políticas mais flagrantes, arrogantes, irresponsáveis, imprudentes e brutais já perpetradas em toda a vida norte-americana, tudo em nome do controle de doenças. Ainda estou para ver evidências de que qualquer uma das pessoas e agências que fizeram isso conosco está disposta a reavaliar suas decisões. Pelo contrário.

Deve haver um acerto de contas. Não foram os pobres, as classes trabalhadoras ou a pessoa na rua que fizeram isso. Essas políticas não foram um ato da natureza. Elas nunca foram votadas pelas legislaturas. Foram impostas por homens e mulheres com poder administrativo descontrolado, sob a crença equivocada de que tinham tudo sob controle. Eles nunca fizeram e não fazem agora.

Leia também “A política de racionalidade zero da China”

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.