Itacaré, Bahia | Foto: Shutterstock
Itacaré, Bahia | Foto: Shutterstock

Itacaré e a decolagem do turismo

Cidade do litoral baiano é exemplo perfeito da recuperação do setor com o fim da pandemia

Distante apenas 75 quilômetros de Ilhéus, no litoral baiano — cerca de uma hora de carro —, Itacaré tem passado por uma transformação nos últimos anos: a cidade baiana que se aproxima dos 40 mil moradores tem atraído mineiros, paulistas, belgas, franceses, israelenses… Gente de variadas regiões, com perfis diversos, jovens ou mais velhas, aposentados ou não, que não só vão para passar alguns dias na cidade, mas abrem negócios por lá. Esses empreendimentos variam desde uma pousada ou restaurante até ideias inovadoras, como um barco de luxo que navega todo o Rio das Contas. As histórias ouvidas pelas ruas da cidade por Oeste no último fim de semana têm muitas similaridades: afora a decisão de largar uma megalópole do porte de São Paulo e ir atrás de um lugar mais calmo para viver, há o fator econômico. A cidade deixou de ser um território bucólico de pescadores, surfistas e praieiros para se consagrar como um destino de novas empresas para satisfazer os eufóricos turistas.

Do 8 ao 80

A expansão imobiliária, de hotéis, resorts e condomínios e a logística fácil que faz um turista chegar rápido a Itacaré têm feito a economia da cidade do sul da Bahia movimentar R$ 200 milhões por mês só com turismo. A conta foi feita por autoridades locais, baseada num período de ocupação de 70%, média essa que costuma perdurar por meses. Na última semana, a ocupação foi superior a 80%, com um festival gastronômico na cidade. O chamariz era a agricultura familiar. 

O movimento da cidade

Em agosto, a programação de Itacaré vai envolver um evento literário, chamariz para atrair mais e mais turistas. De resorts luxuosos, como o Txai (R$ 1,2 mil a R$ 2,8 mil a diária), a pousadas simples (por menos de R$ 100 a diária), há 7 mil leitos e mais 3 mil casas de aluguel à disposição pelo aplicativo Airbnb. Os novos donos de negócios que chegam à região olham com lupa a movimentação dos 7 mil turistas que costumam passar por ali diariamente e largar R$ 7 milhões a cada 24 horas em pousadas, bares, restaurantes e outras atrações. 

Foto: Reprodução

A euforia do turismo…

O exemplo pontual de crescimento que ocorre em Itacaré é mais um caso que tem sucedido em muitas cidades: depois de dois anos de duras restrições, o turismo volta a ganhar fôlego. Sem exageros, há um clima de euforia no mundo, com hotéis sem vagas, filas quilométricas em atrações e aeroportos abarrotados de gente. A Europa, que tem vivido um caos aéreo, que o diga. O lado mais visível da movimentação é justamente o local de ir e vir — o aeroporto. Na quinta-feira 4, a Gol anunciou avanço na oferta e na demanda por voos em julho. A empresa diz que o número de passageiros transportados cresceu 34,7% no período. 

…e a busca pela natureza

Maior agência virtual do Brasil, a Decolar registrou alta de 180% na procura por destinos europeus para a temporada de 1º de junho a 1º de outubro, em relação ao mesmo intervalo de tempo em 2021. A Associação Brasileira dos Agentes de Viagem (Abav) constatou que não só a venda de pacotes para viajar cresceu 100%, comparado com o ano passado: os destinos clássicos, como o Rio de Janeiro e a Europa, seguem, mas houve uma crescente procura por locais ligados à natureza e cidades menores. 

Foto: Reprodução

O Bar.Co

Ex-sócios de uma das maiores agências de eventos de São Paulo, com a produção de grandes shows no currículo, o Salão do Automóvel e a Copa do Mundo, o casal paulistano Camila Caruso e Leandro Wyatt é um dos recém-chegados a Itacaré. Pararam na cidade pelo trabalho: Wyatt foi um dos organizadores do réveillon da cidade. Decididos a sair da “loucura” de São Paulo, em vez de migrar para Portugal, eles criaram a marca O Bar.Co, espécie de roteiro de experiência de luxo gastronômico pelo Rio das Contas. Em um barco, o turista tem variedade de comida (como o delicioso ceviche de guaiúba), bebida (como a caipirinha de cacau) e programação que vai de mergulho em regiões do rio a parada para o deslumbrante pôr do sol. A brincadeira não é barata: um casal precisa desembolsar R$ 2,1 mil, e uma turma de 12 pessoas, R$ 500 cada uma. A ideia inovadora, inspirada em programas similares em Portugal e na França, tem agenda cheia até o fim do ano. 

Foto: Reprodução

Terra boa

Nem tudo são flores no caminho de quem empreende na Bahia. Os meses de maio e junho são considerados fracos, inclusive nulos de demanda. “A gente sabe que precisa trabalhar muito no fim do ano para passar por meses mais fracos”, diz Wyatt. Neste ano, o que impressiona é a demanda para o segundo semestre. A pousada Terra Boa, conhecida na região, já tem reservas na casa dos 80% nos últimos meses do ano e começo de 2023. Novembro a janeiro, tendo no meio uma Copa do Mundo, promete. 

* * *

Mercado do Brasil

O Mercado Livre bateu um recorde no Brasil no segundo trimestre: vendeu 143 milhões de itens. É o nível mais alto da série histórica para três meses. O país segue sendo responsável por 53% das vendas da plataforma nascida na Argentina e hoje presente em 19 países. 

Operação de entregas do Mercado Livre | Foto: Divulgação/Mercado Livre

Vendas abundantes

A performance do Mercado Livre no segundo trimestre mostrou que o poderoso site passou incólume pela desaceleração nas vendas on-line no Brasil, ocasionada muito pela retomada das vendas presenciais, sobretudo em shoppings. Um relatório do banco norte-americano Goldman Sachs mostrou que a venda digital teve o pior segundo trimestre da história, com uma retração de 4,2% entre abril e junho, na comparação com 2021. O Mercado Livre passa longe disso: teve uma receita recorde de US$ 2,6 bilhões. Só o lucro líquido foi de US$ 123 milhões no trimestre, alta de 80%. 

bruno@revistaoeste.com 

Leia também “Toda a solidez do luxo”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Tem um enxame de vendedores, piores que os borrachudos de Ilha Bela! Não lhe deixam 10 segundos sem oferecer coisas que tu não precisa! aff

  2. Só não entendi os dois últimos parágrafos falando da performance do Mercado Livre. Em que isto tem relação com o aumento do turismo em Itacaré ?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.