Pular para o conteúdo
publicidade
Futuros ministros do governo Lula | Foto: Montagem Revista Oeste/Agência Brasil/Wikimedia Commons
Edição 143

O ministério de Lula é um pesadelo

PT prepara farra de cargos na máquina pública e arma novo projeto de poder para chamar o Brasil de seu

Silvio Navarro
-

Na semana passada, uma hora antes do jogo decisivo da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, começou a colocar em prática seu plano para destruir o país. O petista anunciou futuros ministros para áreas estratégicas: Fernando Haddad (Fazenda), Mauro Vieira (Relações Exteriores), José Múcio Monteiro (Defesa), Rui Costa (Casa Civil) e o comunista Flávio Dino (Justiça).

A exemplo da emenda à Constituição (PEC) para promover a gastança de R$ 170 bilhões, o mercado reagiu com sobressaltos na Bolsa de Valores e alta do dólar. Mas não para por aí. No dia seguinte, circulou uma foto do ex-governador Flávio Dino vestido de guerrilheiro — chapéu de Fidel Castro e empunhando uma foice e um martelo no Carnaval. No caso de Dino, não era fantasia. Ele foi militante do Partido Comunista do Brasil durante anos.

Flávio Dino | Foto: Reprodução

A escolha de Rui Costa, ex-governador da Bahia, era previsível. A Casa Civil é uma espécie de antessala da Presidência da República, onde despachava, por exemplo, José Dirceu, quando Lula chegou ao poder. Também foi um recado claro de que é o PT quem vai chefiar a Esplanada dos Ministérios, e não um aliado do chamado centrão, como ocorre sempre que o governo precisa ampliar sua base no Congresso Nacional.

O Poder Executivo tem hoje 34 tipos de cargos em comissão, funções de confiança e gratificações, com cem faixas salariais

Mauro Vieira já anunciou que o plano na área internacional, em que o Brasil conseguiu uma corrente comercial recorde de US$ 500 bilhões, é um cavalo de pau. Pretende restabelecer as relações diplomáticas com a Venezuela e socorrer os vizinhos latinos em ruína financeira. A primeira viagem internacional de Lula será à Argentina, para retribuir o abraço de Alberto Fernández. Depois, embarcará para a China.

Máquina de empréstimos do BNDES

Para quem se espantou com o time lulista anunciado antes da partida de futebol, a semana seguinte foi pior. O momento mais ousado foi a nomeação de Aloizio Mercadante para comandar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mercadante é dirigente da Fundação Perseu Abramo e coordenador da campanha de Lula. Sua indicação fere a Lei das Estatais, de 2016, que determinava uma quarentena de três anos. A lei era um legado da Lava Jato, para blindar os cofres públicos de ingerência política e corrupção. Qual foi a saída encontrada? Rasgar a Lei das Estatais.

O BNDES ficou conhecido na era petista como uma máquina de empréstimos, inclusive para ajudar a financiar ditaduras de esquerda na África, na Venezuela e em Cuba — o banco abriu uma linha de financiamento de US$ 640 milhões, não quitada, para construir o Porto de Mariel na ilha.

Dilma Rousseff, na inauguração do Porto de Mariel, em Cuba | Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A articulação política da “emenda Mercadante”, como foi apelidada em Brasília, envolveu promessas de cargos em conselhos, diretorias e comissões de empresas e bancos públicos para deputados e senadores. Do lado da Câmara, quem capitaneou o balcão foi o próprio presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), em campanha pela reeleição. O alagoano quer um naco significativo na Esplanada, com o controle de um ministério e indicações na Caixa Econômica Federal e no setor elétrico — neste último, a briga é para impedir seu rival, o senador Renan Calheiros (MDB), de dominar a área.

O PT não quer ceder espaço no setor elétrico nem na Petrobras. O partido indicou nomes para retomar a área: Maurício Tolmasquim, ex-EPE (Empresa de Pesquisa Energética); Giles Azevedo, ex-braço direito de Dilma Rousseff; Nelson Hubner; e o ex-deputado Fernando Ferro. Para a Petrobras, o favorito é o senador Jean Paul Prates, do Rio Grande do Norte, assim como ​​Magda Chambriard na Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Lula também pretende ajudar o amigo mineiro Anderson Adauto (PCdoB), que foi seu ministro dos Transportes, mas acabou condenado em 2012 por improbidade administrativa quando foi prefeito de Uberaba.

Companheirada

O projeto de governo Lula 3 também abriu espaços generosos para antigos petistas que estavam desempregados desde o impeachment de Dilma Rousseff ou o término dos mandatos em prefeituras.

Um caso simbólico é o de Luiz Marinho, ex-presidente da CUT e ex-prefeito de São Bernardo do Campo. Marinho é amigo de Lula há décadas, desde o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, quando comprava briga com montadoras de veículos. Vai assumir o Ministério do Trabalho, para restabelecer benefícios aos sindicalistas, no lugar de escolher técnicos de carreira. A CUT já apresentou uma lista de nomes para serem alocados em cargos de menor escalão. É aí que o aparelhamento corre solto.

A “república sindical” é uma marca dos mandatos de Lula. Na época, a cientista política Maria Celina D’Araújo, da PUC-RJ, afirmou no livro A Elite Dirigente do Governo Lula que 42% dos ocupantes de cargos de assessoramento eram filiados a sindicatos. Desse total, 85% eram filiados ao PT. A CUT tinha assento em conselhos de bancos públicos, como o próprio BNDES, e na administração dos fundos de pensão — Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Funcef (Caixa Econômica)

Em São Bernardo, Luiz Marinho foi condenado por improbidade administrativa, num caso de nepotismo cruzado de familiares com o colega Carlos Grana, ex-prefeito de Santo André. Também enfrentou denúncias de desvios na obra do Museu do Lula, que pretendia erguer na cidade, mas que foi revertida pelo sucessor, Orlando Morando (PSDB), quando assumiu o mandato. Ele foi absolvido na Justiça no ano passado.

Outro episódio que marcou sua trajetória política foi a atuação como “piloto de testes” dos caças suecos Gripen. O petista fez lobby a favor da empresa Saab no processo seletivo com a francesa Dassault (caças Rafale) e a norte-americana Boeing (F-18). Os suecos ganharam a concorrência.

Luiz Marinho | Foto: Reprodução

Também vão ser agraciados com cargos velhos conhecidos, como Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula; os ex-ministros Paulo Bernardo, Miriam Belchior e José Sergio Gabrielli, que dirigia a Petrobras.

Faltou espaço para acomodar toda a equipe de transição de governo instalada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. Logo na primeira semana pós-urnas, não havia cadeiras para o grupo, que chegou a mil pessoas, divididas em mesas temáticas.

O Poder Executivo tem hoje 34 tipos de cargos em comissão, funções de confiança e gratificações, com cem faixas salariais. São mais de 5 mil assessores sem concurso público. O novo projeto de poder do PT para chamar o Brasil de seu está só começando.

Leia também “Congresso covarde”

12 comentários
  1. Daniel BG
    Daniel BG

    O presidente Bolsonaro falou enquanto cortava o cabelo em Orlando, nos EUA:

    “hoje é um dia em que o brasileiro acordou com combustíveis mais caros, no caso, em especial, a gasolina”.
    “eu quero dizer a vocês que, diferentemente do que parte da imprensa publicou, nós reduzimos os preços dos combustíveis lá atrás com apoio do parlamento brasileiro, reduzindo impostos. Nós zeramos os impostos federais do álcool, que é o etanol, da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. Por que fizemos isso? Para compensar o aumento dos preços dos combustíveis no mundo todo, que veio em função, em parte, da pandemia, e, em grande parte, em função do conflito Ucrânia-Rússia. Então, nós zeramos os impostos federais, PIS-Cofins, dos combustíveis, e foi feito um teto para o ICMS, imposto estadual. E também foi feito um teto para os impostos da energia elétrica. Você pode ver que diminuiu o que você pagou”.
    “Tivemos eleições, uma outra pessoa assumiu no dia primeiro. Agora, dois meses de mandato, mais uma medida de impacto negativo junto à população brasileira. Ele reonerou, ou seja, voltou a cobrar impostos federais dos combustíveis. O preço médio vai chegar na casa dos 50 centavos por litro. Para quem enche um tanque, vai pagar mais 25 reais”.
    “E aí o governo, alguns comentaristas do grande consórcio de mídia, dizem que não vai afetar o mais pobre, apenas a classe média”. Ele explicou: “o que mais pesa na inflação é a gasolina, e não o óleo diesel. Então, a inflação vem, vai se fazer presente agora em março, o que é uma consequência natural do aumento dos combustíveis. Da nossa parte, nós reduzimos, botamos a gasolina abaixo de 5 reais o litro. Mudou o governo, políticas diferentes”.
    Bolsonaro afirmou que, para cobrir todos os gastos de seu governo, Lula terá que tirar dinheiro de algum lugar, e só há duas opções: “vai tirar dinheiro da população, majorando impostos ou criando outros impostos”.

  2. Wall-E
    Wall-E

    É….. O Ali Babá e os 40.000 ladrões prontos para assaltar o Banco Central a partir de primeiro de janeiro de 2023…. Assaltar? Não….. Vão sumir com o banco sem deixar qualquer vestígio….

  3. Marcelo Gurgel
    Marcelo Gurgel

    Trágico

  4. THIAGO LUI REGIANI
    THIAGO LUI REGIANI

    alguém está honestamente surpreso??
    que venham e destruam o país..
    foi isso que o brasileiro escolheu…
    é isso que o brasil merece…

  5. FABIO LUIS ZAGATTO TIBURCIO
    FABIO LUIS ZAGATTO TIBURCIO

    LLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

  6. Vanessa Días da Silva
    Vanessa Días da Silva

    Isso não é governo, é castigo

  7. Jose Carlos Rodrigues Da Silva
    Jose Carlos Rodrigues Da Silva

    Tem mais um para entrar na turma, o novo Sérgio Cabral.

  8. Mara Nadia Jorge Mattos
    Mara Nadia Jorge Mattos

    PT é um verdadeiro filme de terror.

  9. Código de Conduta
    Código de Conduta

    Quem tem urnas eletrônicas e pode impedir as forças armadas de fazer auditoria em qualquer eleição pode nomear o que há de pior para os ministérios.

  10. Daniel BG
    Daniel BG

    O sonho da esquerda é maléfico! É como fazer a operação mais simples de matemática: um mais um é igual a dois, ou um menos um é igual a zero. O sonho da esquerda é um estado inchado, oligopólio político-estatal, controle do pensamento e da imprensa, privação da liberdade individual e do direito à propriedade.
    Enquanto a propaganda da esquerda nas escolas e meios de comunicação se mantiver, perderemos mais e mais a noção de liberdade que a direita nos proporciona e ficaremos mais pobres, pagando impostos ao governo.
    O Twitter é o exemplo atual de como a esquerda controla os meios sociais de comunicação. E ainda estamos sob sensura, sem sequer podermos duvidar do resultado das urnas para as eleições presidenciais.

  11. Hugo Monteiro
    Hugo Monteiro

    Ué! A “tchurma” em torno do nine é essa mesmo. O cara é uma besta ferrada nas quatro patas, sofre do tal efeito Dunning-Kruger, não é um centésimo tão inteligente como se julga, e só dispõe dessa mão de obra. Quem pensava que o espécime iria arrebanhar gente no nível da Mensa Society Brasil estava navegando na mayonaise… É o que tem, relaxa, goza, e vote melhor da próxima vez!

    1. Alzira Conceição Pacheco de Lima
      Alzira Conceição Pacheco de Lima

      E quem disse que haverá próxima vez para votar?

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.