Pular para o conteúdo
publicidade
Foto: Montagem Revista Oeste/Agência Brasil
Edição 146

O consórcio (international) de imprensa

Principais veículos de comunicação do mundo estão de quatro por Lula

Dagomir Marquezi
-

“Luiz Inácio Lula da Silva, o porta-estandarte da esquerda latino-americana, de 77 anos, voltou ao poder no domingo, 12 anos após sua última passagem como presidente. Desta vez, ele enfrenta alguns de seus desafios mais difíceis, desde unir uma nação amargamente dividida até impedir a destruição da maior floresta tropical do mundo e aumentar a renda de milhões de famílias desesperadamente pobres.”

Um teste: quem escreveu este texto?

  1. Jornal Folha de S.Paulo
  2. Site oficial do Partido dos Trabalhadores
  3. Redação do Jornal Nacional, da Rede Globo
  4. Revista Carta Capital

Nenhuma das respostas anteriores. Esse texto abre uma reportagem assinada por Samantha Pearson e Luciana Magalhães e publicada no The Wall Street Journal no dia 1° de janeiro. O “jornal norte-americano de direita”, “o porta-voz do capital especulativo”, a “bíblia do capitalismo selvagem”, agora repete passivamente as lendas criadas pelo departamento de marketing do PT.

“Lula retorna ao poder 20 anos depois” é a chamada do The Wall Street Journal | Foto: Reprodução

O Wall Street Journal tem todo o direito de elogiar Lula ou qualquer outra pessoa. Mas o que os principais órgãos da imprensa internacional estão fazendo vai além do elogio. Dão como verdade incontestável tudo o que Lula e seus partidários dizem. Se fizessem a mesma coisa com Jair Bolsonaro, ou qualquer outro político, também estariam completamente errados do ponto de vista ético. 

(NOTA – No mesmo Wall Street Journal, a colunista Mary Anastasia O’Grady publicou uma coluna afiada com o título “A volta de Lula e a ameaça jurídica à democracia no Brasil”. Foi uma das raríssimas vozes a discordar do coro dos contentes da imprensa mundial.)

A longa marcha através das instituições

O controle ideológico da imprensa brasileira faria o comunista italiano Antonio Gramsci suspirar de orgulho no seu túmulo no Cimitero Acattolico, em Roma. Gramsci (1891-1937) foi o grande mentor do conceito de “hegemonia cultural” — o controle político das instituições “burguesas” por dentro. Outro comunista, o alemão Rudi Dutschke (1940-1979), desenvolveu esse conceito como a “longa marcha através das instituições”. Inspirado pela “Longa Marcha”, de Mao Tse-tung, Dutschke dizia que o sistema capitalista deveria ser tomado por dentro, especialmente através das categorias profissionais.

Gramsci
Antonio Gramsci influenciou de maneira determinante o movimento revolucionário | Foto: Reprodução

A imprensa tradicional brasileira, todos sabemos, virou um consórcio. Mas… a imprensa internacional também? É o que parece, quando lemos a cobertura da posse de Luiz Inácio Lula da Silva registrada por alguns dos principais jornais, revistas e sites noticiosos do mundo.

A revista Economist, que já foi um padrão de rigidez jornalística, dedicou um longo artigo a confirmar a tese petista de que o ex-ministro Paulo Guedes destruiu a economia brasileira

O The Guardian publicou um artigo, escrito por André Pagliarini, que tem o seguinte trecho: “Milhares de seguidores de Bolsonaro se recusaram a aceitar o resultado das eleições do ano passado. Muitos acamparam em frente a quartéis militares pedindo a intervenção das Forças Armadas, cometendo graves atos de vandalismo na capital do país. Felizmente, seus apelos não deram em nada — Bolsonaro partiu sem-cerimônia para a Flórida no último dia do ano —, e Lula está oficialmente de volta. Nenhum presidente da maior nação da América Latina ganhou três eleições, uma prova da popularidade duradoura e relevância política do ex-metalúrgico. Lula enfrenta muitos desafios, principalmente devido à natureza de terra arrasada das políticas de Bolsonaro”.

O autor do artigo, André Pagliarini, é brasileiro. Nas redes sociais, Pagliarini elogia Guilherme Boulos e posta foto mostrando que passou o fim de ano ao lado de Chico Alencar, deputado federal pelo Psol.

No mesmo Guardian, o repórter inglês Tom Phillips dá outra aula de militância sem pudor: “Durante o reinado de quatro anos de Bolsonaro, o palácio presidencial foi ocupado por um grupo predominantemente branco e masculino de políticos e militares, muitos dos quais não tinham vergonha de seu desrespeito às comunidades indígenas e negras tradicionais, moradores de favelas e membros do movimento de direitos civis do Brasil. (…) Mas quando Lula, 77, chegou para assumir o cargo no domingo, a impressionante rampa de mármore do palácio foi cercada por uma mistura de cidadãos representando uma das nações com maior diversidade social e racial do mundo”.

“Enfrentar a brutalidade policial”

No Washington Post, Gabriela Sá Pessoa e Samantha Schmidt cobriram a posse de Lula com o mesmo padrão de “isenção” jornalística: “Lula, 77 anos, conquistou a Presidência em outubro na eleição presidencial mais disputada da história do Brasil, três anos após ser libertado da prisão, por acusações de corrupção, que mais tarde foram retiradas. Depois de uma disputa acirrada contra o atual presidente, Jair Bolsonaro, marcada por desinformação, espera-se que ele una a nação, mantendo as promessas de campanha de reconstruir a economia, enfrentar a brutalidade policial e combater o desmatamento. Os desafios fiscais do Brasil limitarão sua capacidade de lidar com a pobreza e a fome”.

“Lula foi empossado como presidente do Brazil; Bolsonaro pula a inauguração”, diz o The Washignton | Foto: Reprodução

A reportagem está recheada de depoimentos de petistas — e só petistas — registrados por Gabriela Sá Pessoa. Samantha Schmidt assinou o que não viu. Estava instalada em San José, Costa Rica, durante a posse.

O New York Times mandou dois jornalistas para a cerimônia. O norte-americano Jack Nicas e o brasileiro André Spigariol surpreendentemente (para os padrões do jornal) tentaram um tom menos panfletário, mais focado na “fuga” do ex-presidente Jair Bolsonaro para a Flórida. Não escondem de que lado estão, mas são mais sutis. “É improvável que a presença de Bolsonaro nos Estados Unidos possa protegê-lo de um processo no Brasil. Ainda assim, a Flórida se tornou uma espécie de refúgio para os brasileiros conservadores nos últimos anos.”

“Fim da pobreza em vez de aumentar os lucros”

“Vou reconstruir o Brasil a partir das ruínas deixadas por Jair Bolsonaro”, foi a manchete do The Times, o jornal britânico também considerado “de direita”. Seu correspondente para a América Latina, Stephen Gibbs, também não conhece a regra básica do ouvir os dois lados: “‘Isso é como uma restauração da felicidade e coloca o Brasil de volta no mapa’, disse Nicolas Nascimento, 23, advogado no meio da multidão, ao The Times. Yasmin Batista, 19 anos, estudante, disse: ‘Estou feliz em ver o fim do governo fascista anterior’”.

A manchete do jornal britânico The Times foi uma frase de Lula: “Vou reconstruir o Brasil a partir das ruínas deixadas por Jair Bolsonaro” | Foto: Reprodução

A agência Reuters se saiu com essa “análise”: “Os 580 dias do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva atrás das grades o imbuíram de um senso renovado de justiça social, disseram os aliados e confidentes do esquerdista, convencendo-o da necessidade de priorizar o fim da pobreza em vez de aumentar os lucros”. O artigo, assinado por Anthony Boadle e Lisandra Paraguassu, diz que, “enquanto se esforça para unir uma nação dividida por problemas econômicos, uma pandemia contundente e o populismo de extrema-direita de Bolsonaro, Lula busca inspiração em seus dias de prisão, disseram aliados e confidentes à Reuters”. A reportagem sugere que a oposição à Lula se limita à Avenida “Faria Lima, a Wall Street brasileira”.

A revista Economist, que já foi um padrão de rigidez jornalística, dedicou um longo artigo a confirmar a tese petista de que o ex-ministro Paulo Guedes destruiu a economia brasileira: “Lula tem uma tarefa difícil pela frente, graças ao buraco econômico ao qual Bolsonaro levou o Brasil. O crescimento, que o Banco Central estima ter sido de 2,9% em 2022, graças aos abundantes gastos de estímulo pré-eleitorais, deve cair para 1% em 2023. A inflação caiu de um pico de 12% em abril para 6% em novembro. No entanto, o número de brasileiros que não comem o suficiente aumentou de 6%, pouco antes da posse de Bolsonaro em 2019, para 16%”.

A língua de Lula

O site português Público dedicou nada menos que quatro reportagens para louvar o vestido usado pela nova primeira-dama, Janja da Silva, na posse do marido. “O fato branco é um look icônico do movimento feminista. Foi adotado pelas sufragistas dos Estados Unidos na década de 1920 e tem sido usado por mulheres em cerimônias políticas desde então. (…) As escolhas e o posicionamento de Janja da Silva a diferenciam de suas antecessoras mais recentes. A mulher de Jair Bolsonaro, Michelle, foi um símbolo de conservadorismo, ao repetir que o papel da mulher é ser ‘ajudadora’ do marido. A mulher de Michel Temer, Marcela, teve ainda menos expressão pública e chegou a ser descrita como ‘bela, recatada e do lar’”.

Longa matéria sobre o vestido da Janja da Silva, no site português Público | Foto: Reprodução

Depois de governar o Brasil por dois mandatos consecutivos, entre 2003 e 2010, Lula herdará um país com dívidas paralisantes e níveis de pobreza muito mais altos do que quando deixou o cargo”, afirmou reportagem da CNN Internacional. O texto é assinado, entre outros, por Camilo Rocha, que nas redes sociais demonstra apoio entusiasmado à censura imposta a Guilherme Fiuza e ao mesmo tempo elogia Lula por “usar sua língua para beijar (Janja), e não (para) atacar a democracia”.

O alemão Der Spiegel deu outro show de parcialidade. “Lula agora enfrenta grandes desafios. Depois que seu antecessor dividiu profundamente a sociedade e isolou o país, o novo presidente quer reconciliar o Brasil e trazê-lo de volta ao cenário internacional. Lula anunciou uma política resoluta de proteção ambiental e climática e medidas contra o aumento da fome.”

O salvador do mundo

“O futuro da Amazônia, e talvez do planeta, depende de Lula, presidente eleito do Brasil”, foi o título da entrevista publicada na revista The New Yorker, no dia 15 de novembro. “Pessoas ao redor do mundo esperam que você não apenas salve a Amazônia, mas também o mundo”, disse a Lula o jornalista Jon Lee Anderson, que já escreveu uma biografia de exaltação à “vida revolucionária” de Ernesto Che Guevara.

“O futuro da Amazônia, e talvez do planeta, depende de Lula, presidente eleito do Brasil” é o título da entrevista publicada na revista The New Yorker | Foto: Reprodução

Fidel Castro tinha o Granma para enaltecer diariamente seus feitos. Josef Stalin, o Pravda. Mao Tsé-tung, o Diário do Povo. Todos se consideravam muito poderosos. Pobrezinhos. Não são nada perto de Luiz Inácio Lula da Silva, que tem não só a maioria dos veículos de comunicação nacionais, mas a elite da imprensa mundial de joelhos, registrando cada um de seus passos na longa marcha rumo à salvação do Brasil e do planeta. Parece piada de mau gosto. Não é.

Leia também “O direito de rir”

28 comentários
  1. Paulo Cesar Soares da Silva
    Paulo Cesar Soares da Silva

    Lula decepciou o povo nordestino

  2. Pedro Hemrique
    Pedro Hemrique

    Realmente só rindo muito dos jornalistas atuais, por não enxergarem absolutamente um palmo se quer a frente do nariz além de não terem nenhum comprometimento com a verdade. Lastimável tanta desinformação!

  3. Francisco de Assis Sena Junior
    Francisco de Assis Sena Junior

    Cada vez mais orgulhoso se ter assinado a revista Oeste. Mentes pensantes. Artigos inteligentes e de qualidade. Deveria ter feito 2 anos logo de cara ao invés de 1 😅😅😅

  4. Vanessa Días da Silva
    Vanessa Días da Silva

    Não sabia que os jornalistas mundiais eram tão burros, desinformados e desonestos como os nossos. Já vi que é um fenômeno global. O século XXI se mostra o século da decadência em todos os aspectos: Morais, intelectuais e científicos.

  5. Danilo Amaral
    Danilo Amaral

    Não é o jornalismo que está podre, mas a alma dos jornalistas.

    Destrua a moral das pessoas, portanto, também dos jornalistas, e você destruirá o produto de suas mãos.

    Uma das realidades daquilo que é verdade é sua evidência. O que é evidente dispensa comprovação.

    Envenenar esse axioma, é envenenar a alma, mais precisamente a racionalidade. É isso o que jornalistas da outra grande imprensa, nacional e internacional, deixaram acontecer consigo.

    Mentem para si e mentem para o mundo através do jornalismo.

  6. Julio José Pinto Eira Velha
    Julio José Pinto Eira Velha

    E eu que pensei que a grade maioria de imbecis está por aqui, fui enganado, o problema é mundial.

  7. Indignado
    Indignado

    1984 demorou, mas chegou com tudo. O que pode nos salvar é a informação descentralizada e distribuída.

  8. IVAN GUILHERME GERHARD BARROCAS
    IVAN GUILHERME GERHARD BARROCAS

    OS CANALHAS ESTÃO INFECTANDO TODO PLANETA!

  9. Fernando Godoi
    Fernando Godoi

    Só tenho uma palavra: inacreditável! :O

  10. Valesca Frois Nassif
    Valesca Frois Nassif

    Muito desanimador!!

  11. Michel henri leplus
    Michel henri leplus

    Esqueceu o que os jornais Francês escreveu…..e pior

  12. Kaísa Justo
    Kaísa Justo

    Da nojo e desesperança ler isso!

  13. Adriana motte
    Adriana motte

    De fato o mundo está perdido, elogiar um vagabundo, ladrão, canalha, cadeeiro, é no mínimo pensar que o mundo perdeu a vergonha, honra, ética, decência e etc.(MISERICÓRDIA).

  14. Celia Freitas
    Celia Freitas

    Após terminar de ler essas matérias a única vontade é de vomitar. É impressionante o que eles escreveram deveriam ter vergonha de falar tantas mentiras. Nenhum destes jornalistas se deu ao trabalho de ir aos acampamento pra saber a verdade. Porque será. Fica aqui o meu questionamento.

  15. Emilio Sani
    Emilio Sani

    a china descobriu que a imprensa mundial hoje é muuuuuiiiito baratinha, e as universidades também

  16. Ricardo de Freitas Nobre
    Ricardo de Freitas Nobre

    Parece que o trabalho ideológico do partido quadrilha nas Universidades deu muito certo, isso é uma vergonha mundial.

  17. FRANCISCO JOSE GONCALVES
    FRANCISCO JOSE GONCALVES

    Essa Imprensa desaprendeu a fazer jornalismo. Só fala o que eles querem e ataca as pessoas de bem.

  18. IMP
    IMP

    VOCE AINDA TEM DUVIDAS QUE O POVO PRECISA REALMENTE LUTAR PELA LIBERDADE??? ASSISTA O FILME NA NETFLIX “”WINTER ON FIRE”” “” Em tempos tirânicos, sempre bacana reviver e aprender com as histórias daqueles que resistiram e venceram a perseguição e a censura.
    No começo dos anos 80 – olha que história incrível – os poloneses viviam sob a opressão comunista. Tudo era restrito e monitorado, sobretudo a comunicação e o direito de ir e vir.
    Os poloneses tiveram seus passaportes cancelados e durante os primeiros meses da Lei marcial, ninguém podia sequer viajar entre as cidades da Polônia sem a devida autorização do governo.
    Cartas sempre eram entregues abertas, amassadas dentro de sacos plásticos e com um carimbo escrito “Censurado”. Quando alguém discava um número no telefone, uma voz automaticamente avisava, “conversa monitorada”.
    Os comunistas assumiram o controle de toda a comunicação, substituíram âncoras e jornalistas dos jornais, rádios, tudo passou a ser monitorado e na TV era comum a transmissão de filmes russos sobre a Segunda Guerra Mundial.
    Então começaram a surgir editoriais independentes e clandestinos. Poloneses passaram a traduzir, imprimir e distribuir várias obras “subversivas” de Alexander Solzhenitsyn, George Orwell, e até mesmo de Murray Rothbard e Ayn Rand.
    O melhor veio com o heróico casal Zbigniew e Sofia Romaszewski. Eles montaram uma estação de rádio clandestina, que constantemente mudava de lugar para não serem pegos pela polícia.
    A transmissão era curta, cerca de oito a dez minutos de cada vez, sempre levando uma voz de esperança e notícias que jamais seriam divulgadas na mídia oficial.
    Uma certa noite, quando estavam “no ar”, perguntaram se havia alguém ouvindo e pediram para piscarem as luzes de suas residências para mostrar se acreditavam na liberdade.
    Zbigniew e Sofia, curiosos e ansiosos, correram para a janela para conferir e durante horas, assistiram toda Varsóvia piscando suas luzes nos apartamentos e casas. Foi a noite mais bela da história de Varsóvia e da Polônia.
    Os poloneses descobriram que não estavam sozinhos no sonho e desejo por liberdade. Algum tempo depois o regime comunista caiu e Varsóvia nunca mais teve uma noite nas trevas da tirania.
    Quem sabe os brasileiros em breve não façam o mesmo? Toda vez que alguém censurar e cercear liberdades, que as luzes pisquem para nos lembrar que somos muitos dispostos a lutar pela liberdade”” (RCL).
    (TENHO MEDO DE MORRER ACOVARDADO E ASSISTINDO ESSES IMPOSTORES CONQUISTANDO DEFINITIVAMENTE O BRASIL PARA O SOCIALISMO COMUNISMO)
    AS ELEIÇOES FORAM UMA COMPLETA FRAUDE E O SILENCIO DO POVO NAO IRA TRANSFORMAR ESSA MENTIRA EM UMA VERDADE.)
    IMP. (PRESENTE E PRONTO PARA A LUTA)

  19. Ivo Steinhoff
    Ivo Steinhoff

    Tudo previsível e de acordo com a ótica da agenda globalista, que tinha Bolsonaro como uma das poucas pedras no sapato a incomodar sua implantação. Resta esperar a posição desta “mídia” quando o Brasil for à bancarrota e o “povo” começar a morrer de fome ou pelas balas da milícia federal (ainda denominada de “polícia” atualmente). Enquanto os membros da cúpula do “partido” se lambuzam nos bilhões desviados para paraísos fiscais.

  20. Mauro Maretto
    Mauro Maretto

    Meu Deus! 1984 em escala global!

  21. Bruno Araujo Barbaresco
    Bruno Araujo Barbaresco

    Pelo amor de Deus Dagomir. Vc poderia colocar as verdades ao lado dessas reportagens de loas ao meliante presidiário condenado. Ficou um compêndio de virtudes a um narcouadrilheiro, ue já passou pelo governo e acabou com o país.

  22. Clarissa Tenório Valle Capeloci
    Clarissa Tenório Valle Capeloci

    É realmente incrível o que o dinheiro e o poder pode chegar a alcançar neste mundo. Eu acredito que Lula é a última “cara” que vemos de toda uma gente poderosa que controla muito mais do que imaginamos. A imprensa de Portugal e da Espanha são totalmente pró Lula, e a imensa maioria que não conhece o Brasil compra todas as notícias mentirosas que recebem. Realmente acreditam que Lula é o salvador da pátria. Triste.

  23. Belon Muskulous
    Belon Muskulous

    “O futuro do planeta depende de Lula”

    Pffahahahah!! Que piada.

    Só se o mundo realmente se tornar um Gulag, regido pelos patrões de Lula,
    a elite financeira global, esta mesma que é dona de todas as agências internacionais
    de notícias, de onde os demais “grandes jornais” do mundo tiram suas informações e opiniões.

    Não é de se estranhar que todos repitam e emitam em uníssono as mesmas
    opiniões.

    São pagos e mantidos pelos mesmos donos, mundo afora.

    1. MB
      MB

      Ler esse seu artigo, sempre muito bem escrito, é duro, caro Dagô. Duríssimo! Mas, necessário. É a realidade da qual não podemos fugir. Nós não! A visão desfocada do ‘Consórcio’, me faz lembrar do clássico teatral de Henrik Ibsen, ‘Peer Guint’, onde o herói, se vê ‘cordialmente’ ameaçado pelo Rei dos Trolls, que depois de uma bebedeira de hidromel, quer dar um ‘corte suave’ em suas pupilas, com a ponta de sua unha do dedo mindinho, para que o jovem humano passe a “enxergar o mundo de um modo mais interessante.”
      A realidade dos fatos como a maioria enxerga, está sumindo da imprensa mundial.
      Restam estoicos como você Dagomir e Gigantes como a Oeste? 👏👏👏👏👏👏

  24. Almanakut Brasil
    Almanakut Brasil

    QUANDO UM (A) JORNALISTA PEÇONHENTO (A) VAI PARA O COLO DO CAPETA O “MIMIMI” É UMA SINFONIA.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.