Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Os ungidos do bem e seus jatinhos

Ricos e poderosos viajaram para a bela cidade de Davos com o intuito de reunir ungidos que vão salvar as nossas vidas

No best-seller A Visão dos Ungidos (The Vision of the Anointed), o escritor e economista Thomas Sowell — e um dos maiores pensadores norte-americanos contemporâneos — observa que um grupo de elite, sem ter sido nomeado por ninguém, há alguns anos resolveu declarar sua moralidade superior e seu papel crítico na “correção dos erros da sociedade”. Publicado em 1996, o livro mostra ser incrivelmente relevante hoje, mais de duas décadas após sua publicação. Os atuais ungidos continuam a ter a arrogância de acreditar que é seu papel, com sua visão e ideias superiores, resgatar as vítimas da “opressão” da sociedade, impondo sua vontade coletiva sobre os outros.

Como explica Sowell, os ungidos — uma classe composta de membros de instituições, mídia, acadêmicos e políticos progressistas de elite — acreditam piamente que seu papel é resgatar classes vitimizadas e desprivilegiadas e, hoje, proteger o meio ambiente e salvar o planeta terra, mesmo defendendo ideias estapafúrdias e sem nenhum contexto científico. Seu mecanismo-padrão para corrigir as injustiças é, claro, invariavelmente o Estado. Sowell apresenta uma crítica devastadora da mentalidade por trás das políticas sociais progressistas fracassadas durante três décadas e aponta que o que aconteceu durante esse tempo não é uma série de erros isolados, mas uma consequência lógica de uma visão maculada cujos defeitos levaram a crises na educação, na dinâmica familiar, nos índices de criminalidade e outras patologias sociais. Nesse livro, ele descreve como as elites — os ungidos — substituíram os fatos e o pensamento racional por afirmações retóricas, alterando assim o curso de nossa política social.

A Visão dos Ungidos (The Vision of the Anointed), livro de Thomas Sowell | Foto: Divulgação

Um dos pontos mais importantes para os ungidos é protegerem-se do escrutínio sobre fatos e políticas com o véu da “certeza moral” que também os torna altamente resistentes às evidências. Ciência? Fatos? Oh, details. Alexandria Ocasio-Cortez, membro da atual Câmara dos Deputados nos EUA (House of Representatives) e da casta de ungidos, recentemente disse em uma entrevista: “Acho que há muita gente mais preocupada em ser precisa, factual e semanticamente correta do que em ser moralmente correta”. A declaração da representante da extrema esquerda do atual radical Partido Democrata demonstra perfeitamente a tendência dos ungidos de se verem “moralmente em um plano superior”. Sowell diz em sua obra que muitas vezes é inútil tentar corrigir aqueles que adotam tal mentalidade, uma vez que “aqueles que discordam da visão predominante dos ungidos são vistos não apenas como estando em erro, mas em pecado”.

Os ungidos, de acordo com Sowell, devem também se recusar a aceitar que seus oponentes ideológicos compartilhem compaixão por grupos marginalizados — muitos marginalizados propositalmente por eles para que sejam usados apenas como conduíte de suas ideias. Se os ungidos reconhecessem que a compaixão e o cuidado são compartilhados por ambos os lados, essas emoções perderiam sua força política e sua força de ação e coação. O monopólio da compaixão é a plataforma sobre a qual eles colocam sua superioridade moral.

O livro de Sowell mostra de maneira não apenas brilhante, mas atual, que os ungidos fazem de tudo para silenciar ou ignorar a razão e as evidências — inclusive científicas — e, em vez disso, concentram-se em acusações de intenções sinistras de seus oponentes. “O que é notável é como poucos argumentos são realmente envolvidos em fatos e quantos substitutos para os argumentos existem”, observa Sowell. Talvez o mais preocupante seja que os ungidos tenham infestado os centros de poder mais significativos da sociedade. A “elite intelectual” é hoje dominada por essas figuras, incluindo a mídia de massa, a política e governos pelo mundo, muitos com grande influência na determinação do curso seguido por toda uma sociedade desde as escolas dos filhos.

O livro de Sowell de 1996 faz uma impressionante conexão com a real sociedade mundial em 2023. Se prestarmos atenção nos últimos anos, notaremos a óbvia natureza invertida da linguagem moderna. Praticamente tudo é precisamente o oposto do que os ungidos afirmam ser. As pessoas que dizem defender a democracia promovem o autoritarismo disfarçado de bondade, afinal, eles podem sufocar e até matar a democracia com a desculpa de que trabalham para salvar a democracia.

Thomas Sowell | Foto: Divulgação

Nesta semana, os ricos e poderosos viajaram para a bela cidade de Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial anual. Dezenas e dezenas de jatos particulares pousaram na humilde cidade suíça com o intuito de reunir a nata — os ungidos — da elite global para que possam traçar estratégias para salvar nossas pobres almas de nós mesmos. Sim, eu disse jatos particulares. Desculpe, não entendi — você disse o quê? Poluição? Emissão de gases? Não, amigos. Vocês não estão entendendo: essa é uma emissão de gases poluentes do bem, para o nosso bem. Gás ruim, de acordo com os ungidos, só os puns das vacas. Isso, sim, precisa acabar! E daí que o Greenpeace publicou um estudo das viagens de jato particular do ano passado para a cúpula anual na cidade suíça de esqui e descobriu emissões de carbono equivalentes a “cerca de 350.000 carros médios”? As vacas precisam de fraldas para estancar esse gás nocivo do pum delas!

O Brasil mandou ao fórum globalista a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e Fernando Haddad, ministro da (err) Economia. Ah, é… É Fazenda agora, não é mesmo? O ministro da Fazenda do presidente do sítio! Perfeito. Ele pode dar um jeito nos puns das vacas! Como não pensamos nisso antes?! Mas já vamos avisando aos ungidos de Davos que só podemos emprestar o Haddad apenas depois de resolvermos nosso problema levantado pela ministra do Meio Ambiente para todo o mundo ver: os nossos 120 milhões de pessoas famintas no Brasil. Não, não há “agência de checagem” em Davos. Totalmente desnecessário. Tudo o que eles dizem é verdade. Gastar tempo e dinheiro com “Fact checkers” enquanto vacas soltam pum e vamos morrer por isso. Só vocês mesmo querendo “checagem de declaração”, coisa de fascista. Eu, hein…

Marisol Argueta de Barillas, Fernando Haddad e Marina Silva no Fórum Econômico Mundial de Davos | Foto: Reprodução

Os EUA mandaram John Kerry, enviado presidencial especial para o clima, que rasgou elogios aos participantes da reunião anual por tentarem salvar o planeta. Kerry caracterizou os esforços para combater as mudanças climáticas e salvar o planeta como “quase extraterrestres”. Ele também minimizou as críticas que foram feitas contra o ativismo climático, observando que “a maioria das pessoas” acredita que ele e os outros participantes do fórum mundial são apenas “loucos” abraçadores de árvores: “Quando você começa a pensar sobre isso, é bastante extraordinário que nós — grupo seleto de seres humanos, por causa de tudo o que nos tocou em algum momento de nossas vidas — somos capazes de nos sentar em uma sala e nos reunir e realmente conversar sobre salvar o planeta. Quero dizer, é quase extraterrestre pensar em salvar o planeta”. Quase escorreu uma lágrima aqui.

Um dos pontos mais importantes para os ungidos é protegerem-se do escrutínio sobre fatos e políticas com o véu da “certeza moral” que também os torna altamente resistentes às evidências. Ciência? Fatos? Oh, details

Kerry, que fez o discurso durante uma sessão do Fórum intitulada “Filantropia: um catalisador para proteger nosso planeta”, acrescentou que “seres humanos adultos supostamente sábios ainda querem ignorar a ciência, a matemática e a física das mudanças climáticas”. Ele também disse que metade das espécies na Terra já foi morta, uma aparente referência a um estudo de 2020 que previa que o aquecimento global eliminaria metade das espécies animais e vegetais do planeta até 2070. Discurso parecido com o do Al Gore, lembram? O ex-vice-presidente de Bill Clinton e ativista ambiental (leia-se “ecoterrorista”) dos EUA que fez um documentário (An Inconvenient Truth) e encheu a mídia mundial com a narrativa catastrófica de que as camadas de gelo no Ártico estariam praticamente derretidas em meados de 2013. Sim, ele também estava lá e, sim, ele também foi com o seu jatinho particular, afinal, alguém precisa emitir gases poluentes para salvar a humanidade dos gases das vacas.

Não custa lembrar que foram os ungidos do chamado Fórum Econômico Mundial que disseram ao governo do Sri Lanka para desistir de fertilizantes modernos. O resultado? O país entrou em colapso, e as pessoas passaram fome. Não custa lembrar que foi o Fórum Econômico Mundial que promoveu o esquema de pirâmide (Ponzi scheme) de Sam Bankman-Fried, a maior fraude financeira da história. Aparentemente, os sábios do Fórum Econômico Mundial simplesmente não conseguiram dizer que o garoto inquieto, e que literalmente jogava videogame durante as entrevistas, era um golpista totalmente transparente. Eles não tinham ideia e pensaram que ele era um gênio, assim como eles.

O ex-CEO da FTX Sam Bankman-Fried deixa o Tribunal Federal, em Nova Iorque, em 3 de janeiro de 2022 | Foto: Shutterstock

E, claro, foi o Fórum Econômico Mundial que previu que os lockdowns na pandemia de covid “melhorariam silenciosamente as cidades” e não as transformariam em um sinistro cenário infernal de desemprego, vício em drogas, crime e depressão e suicídio. Parecia um bom plano na época, não sejam tão rigorosos, amigos leitores! “Ei, tive uma ideia. Vamos impedir as pessoas de frequentarem escolas, igrejas, viajar e trabalhar. Isso vai deixá-las ricas na alma e vai melhorar a vida de todos. Eles vão reclamar, mas nós sabemos o que é melhor para o mundo!”. Esse é o Fórum Econômico Mundial para você — não para eles.

O livro de Thomas Sowell trata muito bem dos ungidos que vivem de palavras, mas que deveriam viver também de argumentos. Como Sowell documenta ricamente, a elite progressista moderna não é tão boa em argumentar quanto em encontrar substitutos para o argumento. E a tática é tão clara como a luz do dia: primeiro somos apresentados a uma quantidade de “fatos” descontextualizados e estatísticas absurdas, todos indicando a existência de uma “crise” que somente o governo pode resolver. Há sempre também a tentativa de simplesmente declarar vitória ao rotular as propostas políticas atuais como direitos inerentes: é anunciado, por exemplo, em termos vagos, mas dogmáticos, que todos têm direito a uma moradia decente e que, portanto, o governo é obrigado a fornecê-la. Se necessário, a fundamentação desse “novo direito” pode ser descoberta em uma Constituição que signifique o que quer que seja que a mais recente escola de juristas decida que isso signifique. E é assim para todos os outros assuntos que permeiam nossa vida.

Se mesmo esses métodos não conseguirem conquistá-lo, a atenção será redirecionada da questão política para sua própria falta de moralidade. Será insinuado que pessoas como você e eu são simplistas ou perversamente opostas à mudança, carentes de compaixão e aliadas às “forças da ganância” e da “extrema direita”. Como observa Sowell, são sempre os pagadores, e não os que gastam impostos, que estão com os pescoços na guilhotina sob a acusação de ganância.

A visão dos ungidos exige que poderes amplamente ampliados sejam dados a governantes, formuladores de políticas econômicas, educadores morais e implementadores de mandatos constitucionais — mesmo que algumas ordens sejam absolutamente inconstitucionais. Esses poderes serão exercidos por pessoas que compartilham os pressupostos ideológicos e os modos de ação política dos ungidos. Os reforços mútuos de ideologia, posição política e hábitos de trabalho comum são suficientes para constituir uma classe governante que envolve a elite da imprensa, dos bilionários e seus jatinhos e do Estado como um todo — até o Judiciário, para lhe arrancar tudo se você reclamar.

E o Fórum Econômico Mundial, reunido numa luxuosa estação de esqui na Suíça, está lutando contra os teóricos da conspiração que dizem que ele e seu fundador, Klaus Schwab, estão buscando a dominação global por meio de uma “grande reinicialização” — The Great Reset — destinada a despojar as massas de sua propriedade privada, industrializando a economia e fazendo todo mundo comer insetos.

fórum econômico mundial
O presidente-executivo do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, durante sessão plenária da organização – 22/1/2019 | Foto: Alan Santos/PR

“Não seja dono de nada e seja feliz.” Já ouviu essa frase por aí? Ah… Não se preocupe, é apenas mais uma teoria conspiratória da internet ou daquele velho doido da Virgínia. O pessoal de Davos só quer nos proteger. Mesmo que para isso eles tenham de destruir nossas vidas.

Leia também “Um Ministério do Esporte contra as mulheres”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

30 comentários Ver comentários

  1. Brilhante, Ana Paula!!
    Acompanho suas redações e todos os canais…Oeste Sem Filtro cada vez melhor e com aumento de assinantes e ouvintes… Parabéns!!!

  2. Felicitaciones por el texto. Vivimos controlados por los ungidos. En Chile, Boric, el Frente Amplio y el Partido Comunista lideran esta generación de iluminados que buscan determinar nuestro futuro. No comamos carne, que el país no crezca tanto, adoremos la inmigración ilegal y tengamos una nueva Constitución. Eso nos venden los medios tradicionales. Es por eso que nuestro país sufre durante esta década perdida. El karma existe.

  3. Anna Paula
    Excelente artigo!
    Longo, mas diante do tema abordado, por mais paradoxal que possa parecer, conciso.

    Extremamente analítico.

    👏👏👏👏👏

  4. É por isso que os ET´s não entram em contato. Olham para este planeta e não conseguem identificar vida inteligente. Mais um brilhante texto da Ana.

  5. Me esqueci de um comentário: perguntem a um ambientalista qual é a frente de uma árvore. Se tiverem dúvida depois eu respondo.

  6. Uma conta que gostaria que fizessem, quantas vacas há no mundo e quantos puns elas soltam por dia e, quantos seres humanos há no mundo e quantos puns soltam por dia? Será que não tem mais puns de humanos do que de vacas??? E os animais das florestas, não soltam puns? Se somarmos a taxa de puns do humanos mais animais da florestas não seria bem maior que a taxa das vacas???
    Frase atribuída ao Einstein; DUAS COISAS SÃO INFINITAS, A BURRICE HUMANA E O UNIVERSO, SENDO QUE COM RELAÇÃO AO UNIVERSO EU AINDA TENHO DUVIDAS.
    .

  7. Sensacional Ana Paula! Eles querem se manter na soberania e de seus altos sumptos as custas dos capitalistas famigerados e destruidores do mundo… Em seus jatinhos particulares, eles dizem que é melhor você andar a pé… Nosso mundo tá sendo destruído aos poucos, mas pelo andar da carruagem… Eles querem acelerar esse processo.

  8. Davos é o centro da pura verdade. Tudo o que é dito ali se torna realidade. Marina Silva disse que o Brasil tem 120.000.000 (cento e vinte milhões) de famintos. Alguém duvida disso?

  9. Faço a sugestão de nas reportagens da revista na opção “ouça este conteúdo”, fosse colocada uma gravação com uma voz humana que representasse de forma mais natural o texto, com as pontuações, pausas e entonações adequadas de forma que tornasse o texto mais compreensível. Acho a opção de ouvir muito boa, pois podemos ouvir os textos enquanto fazemos outras coisas e ficaria bem mais agradável a compreensão. Acho que a relação custo x qualidade seria bem compensador.

  10. Excelente artigo, Ana. Da hora!👏
    Esses mistificadores praticam o ‘pronunciamento salvador’. Que consiste em resolver todo e qualquer problema nas sociedades simplesmente falando sobre o assunto. Basta oratória, postura física e atitude. Invariavelmente demagógica. E pronto. Muitos acreditam, outros tantos não conseguem checar e fica por isso mesmo. Pilantras!

  11. Ás vezes fico pensando que, não vai demorar, milhões de pessoas vão achar melhor migrar desses países ricos para o interior de países do terceiro mundo, visto que o dia a dia dos cidadãos decentes está ficando cada vez mais chato no meio desta gente metida a besta. Quanta empáfia e canalhice, meu Deus. Xô! Passarinho. Vê se some.

  12. Impossível destacar à qual Ana Paula mais admiramos: a atleta ou a jornalista. Porém, no momento, sua lucidez e influência , muito ajudaria nas eleições da câmara e senado, nos livrando dos atuais e VENDIDOS presidentes.

  13. O Brasil está sendo usado como um tubo de ensaio pelos esquerdopatas estrangeiros, os quais em conluio com seus comparsas brasileiros, tentam acabar com o compasso moral da sociedade. Hoje em dia você deve desconfiar de tudo e de todos. A maior conquista dos esquerdopatas até o momento, foi o roubo das eleições. O povo brasileiro e muito leniente e estoico, herdamos está passividade dos nossos colonizadores Portugueses os quais são famosos por terem vivido a mais longa ditadura da Europa que durou 47 anos com seu ditador Salazar. Se o povo brasileiro não abrir os olhos e cheirar o café, estaremos vivendo sob uma ditadura sem prazo de duração. Os destruidores da nossa Liberdade estão em fase de consolidação do poder absoluto sobre todos, mesmo assim continuamos passivos assistindo nosso fim como um povo livre.

  14. Grande Ana Paula Henkel, longa vida para você e seu cérebro lúcido, analítico, astuto, arejado, perspicaz, cirúrgico, inteligente, bem humorado, sutilmente satírico. Gigante esse seu artigo muito bem embasado e esclarecedor!!!mande mais !!

  15. Brilhante seu artigo Ana. Parabéns.
    Sou brasileiro mas moro há alguns anos em Portugal. Sorte a minha ter essa revista para me sentir bem informado. Sobrou pouca coisa para isso. Obrigado , vocês fazem a diferença !

  16. Fico feliz de saber que assim como eu, a Ana tbem aprecia os livros deste brilhante economista Dr. Thomás Sowell.
    Aproveito está oportunidade para mencionar um outro ótimo escritor e amigo de Dr. Sowell, o economista Walter Williams, o qual infelizmente já se foi para o paraíso.

  17. Os especialistas em aquecimento global, tempo em tempo culpa um bode expiatório. Os gazes das vacas é atualmente os que provocam este aquecimento. Creio que para zerar esses gazes, deveriam abri mão dos se jatinhos, exterminar os aviões e todos os tipos de veículos movido aos derivados do petróleo, e voltaremos ao tempo das cavernas, desde que os humanos não soltem gazes para a Terra não ser exterminadas. Gente chata!.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.