Pular para o conteúdo
publicidade
Jair Bolsonaro na Flórida
Bolsonaro na Flórida | Foto: Montagem Revista Oeste/Shutterstock/Agência Brasil
Edição 151

O dilema de Jair Bolsonaro

Na Flórida desde que deixou Brasília, o ex-presidente se vê diante de um impasse: voltar à capital federal e provavelmente ser preso ou permanecer nos EUA e correr o risco de cair no anonimato

Gabriel de Arruda Castro
-

O condomínio Seven Bridges, em Boca Raton, na Flórida, tem muitas virtudes. A conveniência para os pedestres não é uma delas. Em um site de anúncio de imóveis que descreve as características da região, o condomínio recebeu nota 0 (de 0 a 100) nessa categoria.

A reportagem de Oeste esteve lá.

Num raio de 20 minutos de caminhada, o máximo que o morador do Seven Bridges vai encontrar, se tiver sorte, é um food truck de comida mexicana (legítima), frequentado por trabalhadores braçais que cuidam dos muitos jardins da região.

Não que os moradores do Seven Bridges pareçam se importar. A maioria deles busca justamente o isolamento.

Encravada em uma região onde os condomínios parecem competir pelo troféu de portaria mais luxuosa (quanto maior a fonte de água ou chafariz, mais sofisticado o empreendimento), o Seven Bridges parece ter sido feito sob medida para quem procura uma vida tranquila — a apenas 25 minutos da praia.

Há alguns dias, um corretor de imóveis visitou uma casa do condomínio acompanhado por emissários de Jair Bolsonaro. Eles buscavam um imóvel para o ex-presidente, que em breve deixaria a casa do lutador de MMA José Aldo, em outro condomínio, 300 quilômetros ao norte, em Orlando. Acabaram não fechando negócio.

Mas Bolsonaro parece disposto a se instalar na região de Boca Raton — por um período que pode durar semanas, meses ou anos.

Entrada do Condomínio Seven Bridges | Foto: Gabriel de Arruda Castro/Revista Oeste

Aglomeração em Orlando

Em 30 de dezembro, às vésperas do fim do seu mandato, Bolsonaro embarcou para a Flórida. Foi direto para a casa de José Aldo, onde morou durante um mês.

À reportagem de Oeste, um dos seguranças do condomínio disse ter ficado aliviado com a saída de Bolsonaro, na virada de janeiro para fevereiro. Não que o ex-presidente tenha causado problemas: os funcionários dizem que ele parecia ser um sujeito simpático. Mas a romaria constante de apoiadores e jornalistas acabou tirando a paz dos vizinhos mais próximos e criando um problema para a administração do local. Os seguranças do condomínio dizem que a presença de Bolsonaro estava causando aglomerações excessivas e que os brasileiros que iam até lá em busca de uma foto com o presidente nem sempre cumpriam as regras — como parar o carro no lugar certo e não bloquear a rua. Apesar de ser rodeado por muros, o condomínio Encore Resort (que oficialmente fica na cidade de Reunion, a 20 minutos da Disney World) permite o acesso de pessoas de fora de forma relativamente fácil.

Nesse condomínio, o perfil demográfico é diferente do restante da região, onde o espanhol é quase tão falado quanto o inglês. No Encore Resort, existe, sim, quem se encaixe no estereótipo da Flórida. Também há os turistas, que alugam casas por temporada para desfrutar do parque aquático do local. Mas também existem dezenas de famílias de judeus ortodoxos.

No dia em que a reportagem de Oeste visitou o local, muitos deles confraternizavam sobre a calçada. No sábado, os judeus ortodoxos não fazem nenhum tipo de trabalho, e o veto inclui dirigir carros. Como não há para onde ir a pé (assim como no condomínio de Boca Raton), a programação se resume a passeios pelo condomínio e visitas a amigos que moram na vizinhança.

O senador Flávio Bolsonaro resumiu a situação: “Pode ser amanhã, pode ser daqui uns seis meses, pode não voltar nunca”

No mesmo sábado, o vizinho ao lado da casa onde Bolsonaro morou fazia uma festa e aproveitava o clima ensolarado com a família à beira da piscina. Apesar de oficialmente ser inverno no Hemisfério Norte, o clima da Flórida permanece agradável. O imóvel que fora ocupado pelo ex-presidente estava completamente fechado. É uma casa de dois andares confortável, mas incomparavelmente mais simples do que o espaçoso Palácio da Alvorada. Como resquício da passagem de Bolsonaro por ali, restaram apenas um alambrado e uma espécie de tela verde que dá privacidade a quem ocupa o quintal da casa. Ambos foram instalados depois da chegada do ex-presidente.

Condomínio Encore Resort, na cidade de Reunion, Flórida | Foto: Gabriel de Arruda Castro/Revista Oeste

Enquanto esteve hospedado, Bolsonaro saiu poucas vezes: encontrou brasileiros num evento em Orlando, foi visto fazendo compras num mercado e comeu um sanduíche de frango na rede de fast-food KFC.

Tranquilidade em Boca Raton

Cerca de 130 mil brasileiros moram na Flórida, segundo os dados do Censo norte-americano. O número real provavelmente é bem maior. Atraídos pelo clima agradável e pela similaridade cultural (o Estado é o mais latino-americano dos EUA), cada vez mais brasileiros têm optado por se mudar para lá.

Corretora de imóveis na região há nove anos, a brasileira Gabriela Melo tem visto a demanda aumentar. “A procura de brasileiros por imóveis na Flórida sempre foi muito alta, mas tenho percebido um aumento nos últimos tempos. Muitas pessoas buscando diversificar os investimentos, e principalmente dolarizar parte do patrimônio, investindo numa moeda forte. A questão da qualidade de vida e a da segurança também são fatores fundamentais”, explica.

Gabriela diz que Boca Raton tem um perfil diferente do de Orlando e Miami. “Em Boca Raton, temos uma procura maior por famílias. Por ser uma região com excelentes escolas públicas, uma diversidade enorme de parques ao ar livre, lindas praias e ser um local mais tranquilo, geralmente são famílias com filhos ainda na escola que buscam essa região”, ela explica.

Em condomínios como o Seven Bridges, ao contrário do que acontecia em Orlando, os apoiadores de Bolsonaro não poderiam aglomerar-se na porta do presidente. Apenas pessoas previamente autorizadas podem entrar no condomínio.

Palestra na cidade

Outro sinal de que Bolsonaro pode fincar raízes em Boca Raton é a participação dele em evento marcado para este sábado (11) na cidade. O presidente vai se encontrar com brasileiros numa igreja (a Church of All Nations). A congregação é liderada por norte-americanos, mas também oferece atividades em português. Os ingressos custam US$ 10. Cerca de 600 foram colocados à venda. A maioria havia sido vendida até a quarta-feira 8.

Bolsonaro já havia participado de um evento parecido em Miami. Tanto um quanto outro foram promovidos por uma organização chamada Yes Brazil USA, criada em 2018, em apoio à candidatura dele. Bolsonaro é popular entre os brasileiros da Flórida. Em ambas as eleições presidenciais que disputou, ele teve cerca de 80% dos votos no Estado.

Com suas duas aposentadorias (a da Câmara dos Deputados e a do Exército), o ex-presidente passou a receber, brutos, cerca de R$ 42 mil. É muito dinheiro no Brasil, mas insuficiente para manter uma vida confortável na rica Boca Raton. O dinheiro mal banca o aluguel de uma casa em Seven Bridges. Os recursos obtidos com palestras poderiam ajudar Bolsonaro a se manter nos Estados Unidos. Mas, sem visto de trabalho, ele não pode exercer nenhuma atividade remunerada nos Estados Unidos. Nos últimos dias, ele deu entrada no pedido de um visto B1, que permitiria a sua permanência no país por mais seis meses (ainda assim, sem poder trabalhar).

O advogado de imigração Felipe Alexandre, que está cuidando do caso de Bolsonaro, estima que o procedimento leve de dois a quatro meses. Ele explicou a Oeste que, por ser ex-chefe de Estado, seu cliente também precisa fazer um procedimento adicional. “O trâmite é especial, porque, do pedido ao USCIS (entidade que cuida da imigração), o processo do ex-presidente precisa também de ser enviado ao Departamento de Estado, o que não acontece com portadores de outros vistos”, afirma.

Alexandre diz não poder revelar o paradeiro exato de Bolsonaro, e afirma que não há obrigatoriedade de endereço fixo durante o processo de solicitação do visto. “Um endereço fixo ajuda para receber documentos”, diz. “Não é necessário, mas a Imigração pede que seja notificada sempre que a pessoa muda de endereço.”

Casa onde Bolsonaro estava hospedado, na cidade de Reunion | Foto: Gabriel de Arruda Castro/Revista Oeste

O então presidente entrou no território norte-americano ainda na condição de mandatário brasileiro e pode permanecer legalmente no país de forma provisória enquanto aguarda o deferimento do novo visto. Mas, enquanto espera a documentação, ele não pode deixar os Estados Unidos. Caso isso ocorra, o processo é cancelado.

Em entrevista ao ativista norte-americano Charlie Kirk, na semana passada, o ex-presidente disse que vai voltar ao Brasil em “algumas semanas”. Mas a verdade é que a data de retorno ao Brasil está indefinida. O senador Flávio Bolsonaro resumiu a situação: “Pode ser amanhã, pode ser daqui uns seis meses, pode não voltar nunca”, disse.

Dilema à frente

O dilema entre um condomínio super-restrito (e isolado) e o contato com o eleitorado brasileiro não é o único diante de Bolsonaro. Na verdade, ele tem um impasse mais importante para resolver.

Se voltar para o Brasil e se tornar uma espécie de presidente de honra do seu partido, o PL, Bolsonaro pode enfrentar medidas judiciais pelas mãos do imprevisível Alexandre de Moraes, que já prendeu um deputado e removeu um governador do cargo.

Atualmente, Bolsonaro é investigado por sua possível incitação à invasão dos prédios públicos em Brasília, no dia 8 de janeiro. O mesmo inquérito já levou à prisão dezenas de manifestantes e até mesmo o então comandante da Polícia Militar do Distrito Federal e o então secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, acusados de omissão.

A volta ao Brasil traria riscos evidentes ao ex-presidente. Ao mesmo tempo, se ficar nos EUA, ele terá dificuldades em se manter influente na política partidária — tarefa que exige presença em reuniões, jantares, cerimônias e conversas ao pé do ouvido em Brasília.

Tudo isso somado ao isolamento num país cuja língua ele não fala fluentemente. Entre o conforto da Flórida e os holofotes de Brasília, Bolsonaro tem diante de si a primeira decisão de peso a ser tomada depois de ter deixado a Presidência.

Vista aérea do Condomínio Seven Bridges | Foto: Divulgação

Leia também “Um governo de más notícias”

39 comentários
  1. Abraão
    Abraão

    No momento creio eu que seria melhor permanecer por lá, conseguir um “greencard” antes de pisar os pés por aqui…

  2. Marcos Aurélio Camilotti
    Marcos Aurélio Camilotti

    Situação do Bolsonaro é difícil….mas no lugar dele ficaria indefinidamente nos EUA.
    Precisa obter a residência permanente e se dedicar ao movimento conservador no mundo. Certamente terá recursos para viver decentemente.
    Aqui os opositores, o judiciário corrupto e aparelhado tudo farão para destruí-lo.

  3. Valdir Solacte
    Valdir Solacte

    Se ele voltar, rapidamente estes bandidos togados, o prenderão e o tornarão incomunicavel, não terá uma cela especial do tipo que teve Lula, até parece que Moraes e Benedito fizeram um curso na Nicarágua ou Venezuela, para saber como se deve comportar e agir um juiz “imparcial”, melhor não voltar, não temos mais democracia para defender.

  4. Erasmo Silvestre da Silva
    Erasmo Silvestre da Silva

    Brasil pelo avesso, povo reprimido, onde o mal é o bem e o certo é o errado e cidadão é o bandido e o ilegal é legal

  5. André Luiz Cumplido de Sant'Anna
    André Luiz Cumplido de Sant'Anna

    Um dilema para ele e para nós sabermos o que deverá acontecer. Fico com o que o Presidente dizia antes das eleições sobre suas opções, a saber ;ser preso, morto ou a vitória. A vitória não veio e o Presidente sabe muito bem que se atentarem contra a sua liberdade o país pega fogo. O capital político dele é enorme e ele deve esperar uma data nacional para retornar ao país, pois sabe que o Ladrão não administra nada e o país está derretendo. Dessa forma, os efeitos comemorativos de uma importante data nacional juntados â situação calamitosa em que poderá estar o Brasil poderão ser o sinal de seu intencional regresso.

  6. Idelberto Antonio Seffrin
    Idelberto Antonio Seffrin

    Bolsonaro precisa voltar, a chama da liberdade, da familia e de Deus está acesa, não podemos deixar apagar, e é Bolsonaro no momento o unico que pode fazer este papel. Homem de coragem não foge a luta, se prenderem vai virar um herói e a esquerda não vai querer isso.

  7. Vera Sousa de Oliveira
    Vera Sousa de Oliveira

    Anonimato??!!!

  8. Ricardo Godoy
    Ricardo Godoy

    Moro nos EUA ha mais de 40 anos,tentei minha volta quando collor foi Presidente,durou muito pouco.Retornei quando Bolsonaro era candidato, gostei e fiquei por 5 anos,depois de investimentos no Brasil.agora o impasse,volto pra la ou tento aguentar esta louca vida oferecida no Brasil.Foram 4 anos de tanta esperanca, que nos foi destruidas pela parte que mais confiavamos,nao preciso dizer o nome,e uma Vergonha o que fizeram.Serei grato a Bolsonaro pelo resto de minha vida,pelo pouco que pode fazer mas que foi grande pra nos.

    1. jose angelo baracho pires
      jose angelo baracho pires

      Me solidarizo com todos aqueles que como eu, reconhecem o trabalho brilhante, de um homem bem intencionado, visionário, nacionalista e temente a DEUS.
      Mas oro para que o MESSIAS pense apenas em curtir a vida, a família, com o sentimento de dever cumprido.
      O maior estadista mundial de todos os tempos, por mostrar ao mundovo estágio de,avanço do comunismo pernicioso, por ser incongruente com as LIBERDADES.
      DEUS SEJA LOUVADO.

  9. Dalva da Silva Prado
    Dalva da Silva Prado

    Preso, porque? Por ter resgatado nosso patriotismo, respeito aos valores morais, à família, à religião e interrompido a indústria da corrupção. Apesar da seca, pandemia, guerra e os presidentes da câmara, senado (políticos)e, principalmente STF, trabalharem constantemente para prejudicar o governo do Presidente Bolsonaro, analisem a situação equilibrada em que o País foi entregue aos que voltaram à cena do crime. Onde está nossa CORAGEM??????

  10. Antonio Carlos Neves
    Antonio Carlos Neves

    Aos 77 anos não consigo entender que tipo de democracia é a nossa. Um grande governante que após 4 anos de intensa perseguição, além de enfrentar 2 anos de grave pandemia, 1 de guerra e os 4 de boicote parlamentar e juridico, consegue entregar o pais com significativos indicadores econômicos, eleger significativa representação na Câmara Federal e no Senado, e tem a ameaça de ser preso por questionar o processo eleitoral, assim como fez o próprio Ministério da Defesa e portanto a maioria das FFAA, instituição mais respeitada pela população brasileira. Pior, em um pleito que ainda assim terminou praticamente empatado entre os concorrentes e que em qualquer pais sério e democrata seria exigida a RECONTAGEM de votos. Agora, como fazê-lo em uma urna eletrônica sem o devido impresso do voto? Ao menos saberíamos que esse era realmente o desejo da população.

  11. Marcelo Gurgel
    Marcelo Gurgel

    Se voltar vão transforma-lo num Mártir

  12. Alberto
    Alberto

    Essa tua pergunta, Finlab, sequer merece resposta, tão IMBECIL como quem a faz.

  13. Alberto
    Alberto

    Essa tua pergunta, Finlab, sequer merece resposta, tão IMBECIL como quem a faz.

  14. Alberto
    Alberto

    O autor da matéria, de forma incompreensível, cometeu falha grotesca ao deixar de mencionar que todo ex-presidente tem direito a uma pensão por ter ocupado o cargo. Portanto não é só com os R$42 mil que ele poderá viver. Fora a falha, faz muito bem o Presidente do Brasil que presta permanecer por lá, porque aqui certamente será preso INJUSTAMENTE, enquanto essa corja de vagabundos petistas estiver no poder.

  15. Valesca Frois Nassif
    Valesca Frois Nassif

    Mais um exemplo de que esse país não é para amadores! Esvaziam celas ocupadas por criminosos condenados para acomodar manifestantes injustamente presos; libertam Cabral e fazem mais dezenas de outros absurdos , enquanto um presidente honesto corre o risco de ser preso!

  16. Ligia Benevides
    Ligia Benevides

    C, indubitavelmente! Não deveria nem figurar como alternativa, não fosse – esse, sim! – o GRANDE GOLPE capitaneado pelo STF!!!

  17. José Garcia
    José Garcia

    Que país é este ??

    Pessoas de bem, presas e bandidos corruptos, soltos !!!

  18. MARCO ANTONIO CARDOSO VILARINHO
    MARCO ANTONIO CARDOSO VILARINHO

    Nem Gabriel Garcia Marques, com sua realidade fantástica, conseguiria imaginar um absurdo desses. O sistema brasileiro conseguiu superar qualquer imaginação. Um ex-presidente honesto, não pode regressar a seu país, por temer ser preso por bandidos que tomaram o poder. E somos mais de 220 milhões de habitantes, ou melhor, de cúmplices, ou de bananas, algumas dessas bananas travestidas de militares.

  19. João Antônio Dohms
    João Antônio Dohms

    Não deveria voltar a república das bananas!
    Peça asilo em um país o qual não tenha tratado de extradição com o Brasil !
    Teria assim uma vida tranquila !
    Nós brasileiros não o merecemos ,já que com todo o esforço que fizemos ,não conseguimos reelege lo !
    Nossos irmãos brasileiros preferiram um bandido na presidência à um homem probo !
    Triste demais ,mas está é a realidade !

  20. Teresa Guzzo
    Teresa Guzzo

    Bolsonaro não pode mais voltar ao seu próprio país em segurança. Nunca cometeu um crime sequer,as alegações jurídicas habitam apenas as mentes instáveis e perturbadas de Alexandre de Moraes, de Lula,de Randolfe(senhor de recados)e outros.Acho que estamos vivendo um governo tirânico, como de alguns países do mundo.

  21. Rubens Mário Mazzini Rodrigues
    Rubens Mário Mazzini Rodrigues

    Acho que Bolsonaro não deve voltar ao Brasil, onde certamente será preso. Qualquer motivo pode ser aventado. Mesmo que não seja preso terá de passar o tempo todo se defendendo de processos. Ele deve permanecer nos EUA e organizar a resistência de lá, como, por exemplo fez Lênin no passado. Ele pode usar as redes sociais, criar um canal fazer lives e realizar reuniões com políticos por videoconferência.

  22. Maria Izabel
    Maria Izabel

    ele tem varias opcoes , mas no momento se ele voltar ele vai ser preso. ele consegue visto, mas acho que ele vai sentir muitas saudades da sua terra.

  23. José Roberto Manfio
    José Roberto Manfio

    C

    1. José Roberto Manfio
      José Roberto Manfio

      Estamos passando por uma inversão de valores, onde o cidadão de bem, é preso, condenado e exilado. Enquanto os condenados por corrupção da lava jato estão todos soltos. Que Brasil é este !

  24. Antonio Milton Soares
    Antonio Milton Soares

    Espera pra ver.

  25. Elza Silva
    Elza Silva

    Bolsonaro é o melhor que tivemos em muito tempo. Se ele voltar, os insanos que nos governam vão prende-lo. Obrigada ex Presidente por 4 anos de esperança de sermos um Pais do bem. Acabou ….que pe na

  26. Daniel BG
    Daniel BG

    Meus sentimentos de patriotismo relacionados ao presidente Bolsonaro e ao momento nefasto que vivemos com o L (ladrão) são muito prejudiciais para uma afirmação certeira. É o que o artigo diz sobre ele voltar: se tornar o presidente de honra do PL e enfrentar medidas judiciais por parte de Alexandre de Moraes, que em nada vai ajudar aos nossos sonhos de liberdade. Por enquanto seria bastante sensato permanecer nos EUA.

  27. Alex Santana
    Alex Santana

    O Brasil infelizmente está sendo conduzidos por bandidos! E claramente, não há menor dúvida que o prazer deles é prender JB.
    Sinceramente, ele deve ficar por lá e aguardar os ratos se comerem…. Canibalismo político!

  28. Fred Mello
    Fred Mello

    mellofred na rumble…..acabei de descobrir que não foi o rumble que me block e sim vcs da revista oeste no rumble? Pq ? Só pq falei que a Gloria Maria é amiga do Bonner, quem vive de dinheiro de ladrao é conivente…vcs também censuram opiniões que não lhes convém? Amanhã estarão falando que o Bonner é coitadinho….estrategia do PT…respondam me ,resolvam isso….vergonha para vcs!!

    1. Daniel BG
      Daniel BG

      Por que o senhor não escreveu um e-mail para a Oeste?

    2. Assinaturas Oeste
      Assinaturas Oeste

      Caro Fred, boa tarde

      Encaminhamos uma mensagem em seu e-mail com as devidas explicações.

      Atenciosamente,

      Revista Oeste

  29. Alice Gouvêa Alves da Silva
    Alice Gouvêa Alves da Silva

    Nunca cairá no anonimato. O brasileiro aprendeu a conservar na memória os bons e honestos…como também em quem não votar nunca mais…. “desde que haja honestidade nas urnas, como sempre elas foram”.

  30. Bibliófilo

    Desculpe pelo erro. Quis dizer: PUSILÂNIME.

  31. Paulo Neves
    Paulo Neves

    Voltar!!!!????
    É claro que se voltar vai ser preso (ou pior).
    da forma como esta país esta inseguro juridicamente, melhor ficar por onde esta mesmo.
    Cair no anonimato!!!!????
    Ele fez a parte dele, as forças armadas (minúsculo mesmo) entregaram o país aos ratos e enquanto existirem as malditas urnas eletrônicas…
    Nada mais a fazer.

  32. Arlete Pacheco
    Arlete Pacheco

    ENQUANTO O PAÍS ESTIVER SENDO GOVERNADO POR APEDEUTAS DESLUMBRADOS O EX-PRESIDENTE NÃO DEVE VOLTAR. SE VOLTAR ESTARÁ JOGANDO PÉROLAS A PORCOS.

    1. Laudares Capella
      Laudares Capella

      Arlete, Eu penso o contrário; O Presidente Bolsonaro deve voltar logo pois ele não deve nada a ninguém. O Governo dele foi e exemplar e se tentarem prende-lo Todo Brasileiro de bem deve ir para a frente do presidio obrigar a solta-lo

      1. Rubens Mário Mazzini Rodrigues
        Rubens Mário Mazzini Rodrigues

        Mesmo que não seja preso ficará refém de inúmeras ações na “justiça” contra ele e terá de se defender o tempo todo.

      2. Renato Perim
        Renato Perim

        Santa inocência, Capella. Se ele voltar será preso antes de pisar na pista do aeroporto. E se os brasileiros forem pra frente do presídio onde ele estiver serão imediatamente presos também. Deixa de ser ingênuo meu caro. Aqui é brasil do pt agora. Quem puder deve fazer o mesmo que o presidente. Sair daqui o quanto antes.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.