-Publicidade-

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

— Quanto é?

— Uma é 5, duas é 10.

— Tá. Me vê uma.

— Pra você eu faço duas por 15.

— Tá bom. Obrigado. Me vê duas, então. Funciona mesmo, né?

— Claro. 100%.

— Ótimo. Não posso ter dúvidas.

— Fica tranquilo. Os testes deram mais de 90% de eficácia.

— 90%? Não era 100?

— 90 foi nos testes. No mercado real é outra coisa.

— Como assim?

— Já ouviu a frase “treino é treino, jogo é jogo”?

— Já.

— Então é a mesma coisa. Teste é teste, mercado é mercado.

— Não entendi.

— Raciocina: se um produto tem mais de 90% de eficácia na fase de testes, que não vale nada, imagina como ele vai performar quando for pra valer?

— É… Faz sentido.

— Capaz até de ultrapassar 100%.

— É possível, isso?

— Se o produto for muito bom, sim.

— Caso ultrapasse os 100%, posso dar o que sobrar pra um amigo?

— No caso você vai precisar cadastrar esse amigo aqui, e pagar uma taxa extra de titularidade compartilhada.

— OK. Se a eficácia não passar de 100% vocês devolvem o dinheiro da taxa?

— Não.

— Por quê?

— Porque esse dinheiro já terá sido investido em mais eficácia. Ou seja, você terá ajudado indiretamente outras pessoas.

— Aquele lance de empatia?

— Exatamente.

— Que legal! Eu sempre quis ter empatia!

— Pois é. É mais simples do que parece. Vai pagar em dinheiro ou cartão?

— Aceita cheque?

— Nem aqui nem na China. Quer dizer, na China aceitamos, mas o cliente tem que deixar uma garantia.

— Qual garantia?

— Ele mesmo.

— Ah, tá. Aí funciona, né?

— Inadimplência zero. Mas esse sistema ainda é muito moderno pra ser usado aqui.

— Por quê?

— Aqui as pessoas são muito indisciplinadas. Não param quietas, querem andar por aí sozinhas, decidir as coisas por elas mesmas, sem monitoramento. Enfim, gente subdesenvolvida, sem empatia.

— Então vou pagar a taxa de empatia em dinheiro e o resto no cartão.

— Perfeito. Isso aqui é seu também.

— O que é isso?

— Um brinde do fabricante. Pode pregar na camisa.

— “100% ciência”. Que legal! Obrigado. Vou botar agora.

— Esse broche teve 98,3% de eficácia em mesa de bar na fase de testes.

— Uau! Vou sair com ele hoje.

— Vai arrebentar, com certeza.

— Somando com 100% de eficácia do produto…

— 75,8%.

— Como assim? Você acabou de me dizer que…

— Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez.

— Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo.

— Fica tranquilo. Ainda é uma boa taxa de eficácia, vai por mim.

— Tá. Mas com essa taxa eu ainda posso usar o broche “100% ciência”?

— Claro! Em mesa de bar ninguém verifica nada.

— Mas e se eu não for direto pro bar?

— Dá no mesmo. Hoje em dia é tudo bar.

— Como assim?

— Não reparou? O mundo virou uma grande mesa de bar. E tá todo mundo bêbado. Vai com fé.

— Com fé ou com ciência?

— Dá no mesmo, bobo.

— Legal! Então… 75,8% de eficácia, né?

— Não. 50,5.

— O quê??

— Te falei que se demorasse ia caindo…

— Droga. Me distraí de novo. Mas… 50%? Não é arriscado?

— Você não comprou duas?

— Comprei.

— Então é só somar: 50,5 + 50,5 = 101%. Você fez um excelente negócio.

— Maravilha! Você teria um broche “101% ciência”?

 

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

31 comments

  1. Perfeito!
    Somente agente rindo de nós mesmo conseguimos vencer um pouco esses vagabundos que governam Estados e Municípios como se todos nós fôssemos gado no pasto…
    Obrigado nobre Fiúza!

  2. ESPETACULAR!!! Tô 50,75% rindo e 50,75% chorando, ou seja, matematicamente e exatamente 101,5% informado, inconformado e imune pela calacoloavac (33,833% para cada), tudo ao mesmo tempo agora kkkkkkkkkkk… Fiuza é MESTRE!

  3. É plágio Fiuza. Você se cansou do assunto e tá dando uma de Mainard, viajando na maionese. Isto mesmo, tá me fazendo lembrar aquele vendido como gado para o Dória, pois fominha que é não aceitou trabalhar de graça prá globolixo!!!
    Nas mídias sociais fascistas e anti-democráticas – conservadoras, cristãs, classe média detestada pelo establishment, por simpáticas que são ao execrável Messias – aquele que não rouba e não deixa roubar – circula um vídeo versão DilmAnta, em que a desaforada e analfabeta entendeu muito bem o que nos oferece os chineses, com o antídoto para adoçar a bôca do bichinho fabricado em Wuhan. Contudo, a ex-presidenta idolatrada pelo condenado, entendeu que seriam 3 doses, um terço cada para alcançar os 100%. Querem tudo! E como de costume o “terço” é o que pedem como “bola” para administrar qq contrato.
    Agora sério: O preço final não será mesmo proporcional à eficácia alcançada?
    Se é assim, se o voto eletrônico não fora também impresso, vamos pedir ao Barroso que só valha 50%.

  4. Esses precisei usar a emergência do sus nem tanta emergência assim. Depois de três horas esperando atendimento e escutando as pessoas ao meu lado entendi o porque que todo o sus é pouco.

  5. com 2 doses de 50,34 chegamos a 100,68% de ciência e fé.
    Mas e se virar jacaré?
    Muito bom Fiúza, você me fez sorrir, isso aumenta minha imunidade!

    1. Certíssimo, Eduardo. Os artigos do Fiuza são mais eficazes do que a vacina. Já faz tempo, meu avô me dizia, “rir é o melhor remédio”.
      Adoro diálogos 🤭

  6. Quem desdenha da eficácia dos textos do Fiúza (estes sim, 100 % aprovados pela Academia, que também é Ciência), tem por obrigação acreditar em 100% de eficácia da vacina chinesa. É esperar pra ver.

  7. Melhor ler e escutar Fiuza com seu bem fundamentado humor, brincando com os números oficiais dos testes apresentados pelos “cientistas” do marqueteiro Dória para comercializar a vacina da salvação, que assistir a tv funerária (globo,cnn,cultura) e a imprensa marron (Estadão, Folha), que não se envergonham de omitir a quantidade de pessoas recuperadas, mas apenas a tragédia diária de casos e mortes.
    Evidente que todos desejamos a vacina, mas, cientista é somente aquele que espera a aprovação da sua vacina ou a de outros coleguinhas? Afinal, médicos que vem recuperando pacientes como hidroxicloroquina, azitromicina, ivermectina, nitazoxanida, e outras medicações, não são cientistas, mas charlatões que prescrevem remédios ineficazes?. Notáveis da ciência não utilizaram pessoalmente tais medicações? Vale então para que politizar, como faz o marqueteiro Dória ao tentar sair na frente com sua quase ineficaz vacina que em condições normais talvez nem fosse aprovada pela ANVISA?
    Logico que na minha idade e 75 anos tomando vacinas desde criancinha, vou tomar aquilo que temos, mas sinceramente gostaria de ter a opção de escolha, e essa aceleração não faz nenhum sentido. Mortes refletem o colapso do atendimento e não somente da gravidade clinica do paciente. Dá para aceitar a falta de oxigênio em Manaus?. Da para aceitar que vários meios de comunicação ironizaram ao dizer que o governo pediu oxigênio à Venezuela, e não explicar que a fornecedora White Martins, teve que trazer de sua unidade industrial na Venezuela? Dá para entender essa imprensa tão cientista?

  8. A Revista Oeste é uma ilha de Bom Jornalismo num oceano de mediocridade, incompetência e má Fé. Fiusa é um Colunista que faz diferença em qualquer veículo. Meus Parabéns.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site