-Publicidade-

A internet que vem do céu

Na perspectiva otimista, as ideias circularão como nunca na História da humanidade e o conhecimento alcançará os rincões mais atrasados do planeta

Controlamos nosso dinheiro. Assistimos a filmes. Marcamos consultas com nossos médicos. Permanecemos em contato com a família. Lemos nossas revistas. Participamos de reuniões. Estudamos. Damos aula. Administramos nossa agenda. Pedimos comida. Fazemos compras. Ouvimos música. Reservamos hotéis. Visitamos museus. Vendemos nossos produtos. Debatemos política e futebol. Monitoramos a saúde. Exibimos ao mundo nossa roupa nova. Damos parabéns por aniversários. Fazemos terapia. A pergunta é: o que não fazemos hoje pela internet?

A segunda pergunta: e quem não tem internet? O site Internet World Stats calcula que 57% da população mundial tem acesso à rede global de computadores e a todas as oportunidades que ela oferece. Mas a internet ainda não chegou a quase metade da população do mundo, ou 3,5 bilhões de pessoas. É muita gente sem acesso a informação, cultura e serviços. E um mercado monumental a ser desenvolvido e integrado.

Calcula-se que apenas 39% da população africana esteja conectada. E temos os casos mais graves, como Afeganistão (19%), Etiópia (18%), Madagascar (10%), Sudão do Sul (8%). O pior caso, como não podia deixar de ser, é a Coreia do Norte, onde apenas 0,1% da população — a elite do Partido dos Trabalhadores — tem o direito de acessar a rede. Na sua vizinha capitalista do sul, 96% da população está conectada.

A Coreia é o exemplo mais marcante do que se chama de digital divide, ou a divisão digital entre os que têm acesso à internet e os que não têm. Nesse caso, a causa para a divisão é clara: um país é uma democracia próspera, o outro é uma ditadura comunista. Mas existem outras condições que provocam essa divisão.

Centros urbanos costumam possuir redes de internet de sobra, com a redundância de sinais por cabo, fibra óptica e celulares. Mas zonas rurais mais afastadas ou reservas ambientais como as que existem na Amazônia sofrem com a falta de conexão ou, quando ela existe, com sua má qualidade. Se a gente pensar que o Brasil ainda depende primordialmente do agronegócio, essas falhas de cobertura se tornam mais graves. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, já afirmou que a implantação da rede 5G no campo poderá contribuir decisivamente para que o agro brasileiro dobre de tamanho rapidamente com a expansão da “internet das coisas”, interligando e automatizando processos de produção. Mas não se pode esquecer que sinal de celular depende de torres de distribuição. E não é tarefa fácil estabelecer essa rede de torres em propriedades rurais mais remotas ou em regiões de preservação ambiental.

Boa conexão pela internet virou questão de sobrevivência para cada vez mais gente. Segundo pesquisa do Instituto Locomotiva, a pandemia levou mais 11,4 milhões de brasileiros a garantir ou aumentar sua renda por meio de aplicativos. Vinte por cento da população brasileira adulta (32,4 milhões de pessoas) utiliza algum tipo de aplicativo para trabalhar. Antes da pandemia, o índice era de 13%. Pelas facilidades que proporciona, esse uso da internet só tende a crescer, mesmo com o fim da pandemia.

O objetivo agora é chegar aos 100% de conexão global com qualidade. Ainda é uma utopia. Empresas como Facebook e Google experimentaram levar o sinal da internet a lugares inóspitos com uso de drones e balões. Não deu certo. A solução técnica escolhida pelas grandes empresas do ramo foi instalar uma rede de satélites que possibilite o alcance de qualquer cidadão do mundo à internet, em qualquer local. Você poderá estar no alto do Monte Everest, ou atravessando de canoa o Rio Japurá, numa base da Antártida, sobrevoando o Deserto de Gobi, na Mongólia, num navio no meio do Atlântico ou numa aldeia da Groenlândia. Não importa. O sinal de internet chegará tão bom quanto se você estivesse em São Paulo, Chicago ou Berlim.

O principal projeto em curso hoje é o Starlink, da empresa SpaceX, de Elon Musk. Musk, que não sabe pensar pequeno, está “saturando” as camadas mais próximas do espaço (a 550 quilômetros de altura) com satélites que deverão cobrir toda a superfície terrestre. Segundo o site Olhar Digital, já estão em operação 1.380 satélites a 550 quilômetros de altitude. Só nessa primeira etapa do projeto serão 12 mil satélites.

O plano da SpaceX é colocar um total de 42 mil em três camadas do espaço. Existem hoje 2.300 satélites em órbita, e a empresa de Musk pretende multiplicar esse número por 18. A cada lançamento um foguete Falcon 9 acrescenta uma rede de 60 satélites. Eles podem ser observados em certas condições a olho nu, como um “colar de pérolas” que reflete a luz do Sol. Muita gente achou que eram UFOs.

O Starlink ainda está em sua fase beta. Dez mil usuários estão pagando um valor alto para instalar sua anteninha redonda e receber os sinais. O preço agora é de US$ 99 por mês. E a empresa sai no prejuízo, pois cada terminal está custando US$1,5 mil nesse período experimental.

A rede de satélites de órbita baixa poderá comprometer a detecção de asteroides e outros corpos celestes

As condições técnicas de transmissão começaram precárias e estão melhorando rapidamente. Já foram registrados downloads de 400 Mbps de velocidade. A meta da Starlink é chegar a 10.000 Mbps, que já é padrão em algumas redes terrestres de fibra óptica. O recorde mundial de velocidade pertence a um experimento da University College London: 178.000.000 Mbps. Para efeito de comparação, o serviço médio no Brasil não chega atualmente a 50 Mbps.

A empresa de Elon Musk registrou com sócios brasileiros em dezembro último o CNPJ da Starlink Brazil Serviços de Internet Ltda. Já está aceitando endereços brasileiros para enviar, quando for liberado pela Anatel, o kit de instalação. Segundo o site Tecnoblog, a cobertura brasileira começa até o fim deste ano.

O Starlink não é o único serviço disponível de internet por satélite. O Brasil já conta com o HughesNet e a Viasat. O preço mensal pelo serviço varia entre R$ 180 e R$ 600. Seu alcance geográfico é bem limitado, e a velocidade de download parece dos tempos da internet discada, de 10 a 30 Mbps.

No mercado internacional, Elon Musk já enfrenta seu arquirrival Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, que pretende investir US$ 10 bilhões com seu Projeto Kuiper. A tradicional empresa canadense Telesat (fundada em 1969) já anunciou que também entrará no jogo dos LEO Satellites (ou “satélites de órbita baixa”) a partir de 2023 com o projeto Lightspeed, voltado para clientes empresariais. Outras empresas, como a britânica OneWeb e a chinesa Hongyan, também avisaram que estão na disputa.

Essa corrida provocou por enquanto forte reação numa atividade milenar, a astronomia. Os astrônomos temem que essa rede vá atrapalhar em definitivo a visão que temos do espaço, o que poderá eventualmente comprometer a detecção de asteroides e outros corpos celestes que nos ameacem.

Os primeiros Starlink deixaram muita gente deslumbrada com a fila de objetos brilhantes seguindo no céu como colares de pérolas. Para os astrônomos, aquele clarão artificial foi péssima notícia. A SpaceX passou a lançar satélites com as partes brilhantes pintadas de negro. E avisou que os satélites ficarão menos visíveis conforme subirem para sua órbita definitiva. Mas os astrônomos continuam reclamando do excesso de objetos que vão se interpor entre eles e seus focos de estudo.

Outro perigo em potencial é bem mais assustador: um choque acidental de satélites que pode gerar uma reação em cadeia conhecida como síndrome de Kessler. E produzir entulho que passará décadas flutuando caoticamente sobre a cabeça de todos nós. Especialistas ouvidos pela revista Business Insider calculam que poderemos ter em pouco tempo 100 mil satélites de baixa altitude, provocando um perigoso congestionamento e eventualmente um grande desastre.

Em 30 de março passado, a Força Espacial dos EUA emitiu um alerta vermelho avisando que um dos satélites da OneWeb poderia estar em rota de colisão com outro da Starlink. A probabilidade de choque era baixa, de 1,3%. Mas eles passariam a 58 metros um do outro, mais ou menos a distância entre a trave e o meio do campo de futebol. Isso, em termos espaciais, é um raspão cheio de riscos. A OneWeb e a SpaceX comunicaram-se sobre o alerta por e-mail e acertaram uma manobra para evitar o risco.

Temos aparentemente duas possibilidades a considerar. Na otimista, a conexão pela internet vai unir o planeta inteiro na maior comunidade/mercado que nossa imaginação for capaz de imaginar. Mesmo nas piores ditaduras haverá a chance de contrabandear a anteninha receptora que quebrará o isolamento de um país. Qualquer aldeia do interior da África terá a chance de colocar seus produtos no mercado internacional por meio de aplicativos cada vez mais simples e funcionais. As ideias circularão como nunca na História da humanidade. O conhecimento alcançará os rincões mais atrasados do globo. Participaremos do início de uma nova e promissora era de progresso para todos.

A pessimista: o excesso de satélites e a ausência de regras podem provocar uma terrível catástrofe na órbita terrestre, com milhões de detritos metálicos viajando em alta velocidade e interrompendo a exploração internacional. Os detritos serão atraídos para a superfície. Alguns queimarão na atmosfera. Outros cairão sobre nós.

“Não existem leis internacionais para regular o tráfego especial”, notou o jornal The Times. “E ninguém para forçar os operadores a agir de forma a evitar um potencial choque. A quase colisão com o OneWeb mostra que é necessário um tratado para governar o tráfego espacial. Ou um evento desastroso acabará acontecendo.”

Diante das vantagens de uma rede global de conexão, pode valer a pena correr o risco. E os países, em troca dessas vantagens, terão de se entender nessa nova fronteira.

Leia também “O empreendedor mais arrojado do mundo”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comentários

  1. Esses empreendedores multibilionários deveriam pensar, em paralelo, na criação de empresas/sistemas de controle e recolhimento de lixo espacial. Vai ser preciso.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site