Os vigaristas da adversativa

Se aparece uma notícia boa, os integrantes da tribo infiltram alguma ressalva desanimadora depois do ‘mas’ precedido pela vírgula

A ofensiva contra o presidente que se instalara no Palácio do Planalto em 1º de janeiro de 2019 não respeitou sequer a trégua de praxe, fixada em cem dias. Assim que foi divulgada a queda sofrida pelo Produto Interno Bruto no primeiro trimestre, o segundo foi sitiado pela tribo dos profetas agourentos. Entre o início de abril e o fim de junho, previram 999 em cada mil sumidades da economia espalhadas pela imprensa, ocorreria outro baque — e o Brasil mergulharia no pântano da “recessão técnica”. Nenhum dos especialistas explicou direito o que era aquilo, mas os textos em economês castiço deixaram claro que era coisa grave. E todos debitaram na conta de Jair Bolsonaro o desastre em gestação nos 13 anos de desgoverno do PT e parido em 2015 por Dilma Rousseff. Confrontados com o crescimento de 0,4%, jornalistas sérios se renderiam aos fatos. Os adivinhos de picadeiro não ficaram sequer ruborizados com o naufrágio das previsões. Trataram de imediatamente erguer com manchetes malandras um monumento à tapeação. INVESTIMENTO EMPURRA PIB, MAS RECUPERAÇÃO SEGUE LENTA, desconversou a Folha. PIB CRESCE 0,4% E SURPREENDE, MAS RETOMADA É LENTA, concordou o Estadão.No blog que mantinha no site da Veja, registrei no dia seguinte a aparição de uma nova aberração jornalística: o vigarista da adversativa. Cada vez mais prolífica nas redações da imprensa velha, a espécie segue uma receita singela: quando aparece uma boa notícia que ameace melhorar a imagem do governo Bolsonaro e a vida do leitor, deve-se anabolizar uma informação secundária ruim, conferir-lhe o mesmo peso da que merece ocupar sozinha a manchete e, sempre depois de um “mas” precedido pela vírgula, infiltrar a ressalva que proíbe alegrar-se com o fato animador. (Em artigos e declarações entre aspas, a ordem se inverte: a mentira antecede a vírgula e só depois do “mas” a verdade emerge. Um exemplo: “Sou a favor da Lava Jato, mas acho que ocorreram exageros e irregularidades que comprometem a operação”. O palavrório identifica devotos da seita que sempre rezou pelo estancamento da sangria. Outro exemplo: “Reconheço que o PT errou, mas é preciso valorizar o legado social e econômico de Lula e Dilma”. A lenga-lenga pós-vírgula desnuda mais um comparsa da cavalgadura incapaz de dizer coisa com coisa e do corrupto juramentado que, ao contrário de Getúlio Vargas na carta-testamento, saiu da História para entrar na vida bandida.)

Se o presidente da República reaparecer sorrindo depois de um período de profunda depressão, exemplifiquei no artigo no blog, nossos campeões assim resumiriam o acontecimento: BOLSONARO PARECE ANIMADO, MAS LONGE DO ESTADO DE EUFORIA. Não havia exagerado, constatei num domingo de 2020 ao topar com a primeira página da Folha: SOB BOLSONARO, CRIME CAI E EMPREGO CRESCE, MAS ÁREA SOCIAL PIORA”. Quem efetivamente acredita que a área social melhora se a criminalidade aumenta e a taxa de emprego diminui é uma besta quadrada sem chances de sobreviver como jornalista profissional, certo? Errado. No caso do autor da manchete, trata-se de um sócio fundador do clube dos vigaristas da adversativa. Visto de perto, é mais um torturador da verdade disposto a tudo para impedir a divulgação de notícias que prejudiquem a luta contra a permanência no cargo de um governante eleito em 2018 pelo voto popular. Mas todos os integrantes da espécie capricham na pose de veteranos da guerra travada desde o berçário em defesa da democracia, da liberdade, da ética, da moral, dos bons costumes e do Lula Livre.

 

Nesta primeira semana de junho, os craques do estelionato informativo se viram subitamente sob o cerco de ótimas notícias, nenhuma delas antecipadas pelas editorias de economia. No primeiro trimestre, o PIB brasileiro cresceu 1,2% em relação ao anterior (contra 0,6% da China e 0,4% da União Europeia). Instituições sérias revisaram prontamente seus cálculos e agora preveem que a taxa anual subirá para 5,5% em 2021. A bolsa de valores registrou uma alta sem precedentes, a cotação do dólar enfim caiu e foram criados em abril 121 mil empregos com carteira assinada. Atarantada com o excesso de notícias favoráveis ao seu Grande Satã, a tropa do quanto pior, melhor confinou os fatos restantes em espaços mofinos para concentrar-se o crescimento do PIB. Paralelamente, houve uma inovação estilística. Para introduzir ressalvas pilantras, os especialistas em tapeação só usavam “mas” (certamente por ser menor e bem mais familiar aos brasileiros que “contudo”, “porém”, “todavia” e demais irmãs). Era muito “mas” para uma página só, deve ter advertido algum soldado da desinformação. E ocorreu a alguém sugerir que o ponto e vírgula fosse promovido a conjunção adversativa. PUXADO POR EXPORTAÇÕES, CRESCIMENTO SUPEROU PROJEÇÕES DO MERCADO; CONSUMO DAS FAMÍLIAS FICOU ESTAGNADO, avisou o Estadão na edição de 2 de junho, no subtítulo da manchete dedicada ao salto do PIB.

A novidade estreou na Folha naquele mesmo dia, no subtítulo da manchete do caderno Mercado: PIB CRESCE 1,2%, ACIMA DO ESPERADO; SETORES QUE MAIS EMPREGAM, NO ENTANTO, AINDA PATINAM. Na manchete da edição, o jornal manteve a adversativa oficial: PIB SOBE E VOLTA AO PRÉ-COVID, MAS GANHO NÃO CHEGA A POBRES, berraram vogais e consoantes grávidas de ressentimento. A turma decerto achou pouco e engrossou o calibre. ECONOMIA VAI BEM; POVO MIÚDO VAI MAL, alertou o título do artigo de outro vidente decepcionado. A opção preferencial por notícias ruins, péssimas, desoladoras e apavorantes chegou ao clímax na página 4, no pé da coluna Painel. Ali foi reproduzida a interrogação que anda atormentando Eduardo Moreira, uma mistura de economista doidão e adestrador de cavalos que escoiceia fatos com medonha ferocidade: “Com milhões em insegurança alimentar e desemprego em alta, pergunto a quem comemora: você come PIB?”. Não se deve perder tempo com quem prefere o crescimento das multidões dependentes da cesta básica ao crescimento do PIB. Mas respondo: a menos que tenha sido adestrada por Moreira, qualquer mula sabe que quanto mais musculoso é o PIB de um país maior é o número de habitantes que conseguem comida.

Para os vigaristas da adversativa, 2020 é o ano que não deveria ter terminado. Eles fizeram o possível para matar de medo quem não morresse de covid-19. Ouviram nitidamente o som de milhares de tambores e clarins quando o primeiro coronavírus pousou no Brasil, quando a crise econômica se agravou ou quando o impeachment do presidente da República pareceu a alguns minutos de distância. Em 2021, a vacinação começou, a pandemia vai recuando, a esperança foi resgatada. Péssimas notícias para carrascos de informações animadoras. Se as coisas continuarem melhorando, vão todos acabar afundados na mais cava depressão.

Leia também “Negacionistas são eles”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

69 comentários

    1. Excelente artigo, como sempre, Augusto, na “veia” de “primeira”, sem errar.
      Ontem, fiz comentário no “estadinho”, acredito que tem algum Mesquita ainda vivo que se interesse em saber o que estão fazendo no antigo “estadão” (me recuso a escrever com maiúsculas enquanto continuar a debacle imposta por “falsos” jornalistas.

      1. Sabem o que eu acho interessante ? ( para não dizer estúpido ) a torcida para o quanto pior melhor! é como estar dentro de um avião torcendo para o piloto derrubá-lo. existe coisa mais burra??

  1. Boa noite Cris, Boa noite Fara. Boa noite a você que nos acompanha. Sei lá, mas o futebol sempre foi liderado por uma máfia, mas dá alegria do rico ao pobre. E a imprensa não tem mais jornalistas desafiadores em perguntas sérias e oportunas. – E aí Tite? Se a Copa América permanecesse na Argentina a seleção participaria sem reclamar? Resposta: – não há resposta para condicionais. Já li o Guzzo também. Depois leio os outros. A revista está com um time muito bom, embora sejam claros e lógicos o que atrapalha o raciocínio.

    1. O técnico da seleção, e
      um ferrenho anti Bolsonaro, deveria preocupar-se em treinar melhor a seleção, e menos com politicagem. No Brasil até o futebol foi politizado, esta dificil achar alguma coisa que presta.

  2. Excelente, Augusto! Como sempre.
    Não adianta. Não devemos dar mais
    importância a esses idiotas !
    Quando terminar o governo do Tarcísio,
    em 2030, eles ainda estarão vociferando…

    1. Não que eu não encontre em toda edição outras N razões mas só a resposta ao Eduardo Moreira, que além de adestrador é também marido de atriz “global”, me fez valer todo o tempo de assinatura que tenho desta maravilhosa revista!

  3. Augusto Nunes, nada interessa para esses hipócritas. sempre surgindo uma conjunção adversativa. O melhor é ignorá-los e torcer para que quebrem.

  4. ‘Infelizmente’ a mídia adversa tem que acabar por noticiar a verdade, até porque começa a faltar imaginação para tanta mentira.
    Esta semana no JN, William Bonner e Renata Vasconcellos devem ter sido dopados para noticiar o crescimento económico do país no primeiro trimestre.

  5. Mestre Augusto, Mestre Guzzo, e demais mestres dessa brilhante revista, meus parabéns! Quando chega sexta-feira e sou agraciado com suas crônicas me vem o seguinte pensamento: “Nem tudo está perdido, pois ainda temos gente competente, honestas, patriotas, e que estão ao lado do Brasil que torce a favor do Brasil. Continuem pois vocês tem voz e caneta para serem ouvidos e lidos. Obrigado!

  6. Como sempre, seus comentários são pertinentes, perspicazes e inteligentes. Deixei de assinar – e, ler – o Estadão, a Folha, a Veja, a Isto É, e todos que aderiram, uns de forma velada outros de forma explícita, à esquerda. Depois de ser assinante da VEJA, do Estadão e da Folha por mais de 35 anos, simplesmente cancelei as assinaturas e incentivei meus amigos e parentes a fazerem o mesmo. Também, há quase 4 anos, na minha casa, a Globo-lixo não entra, agora a Bandeirantes vai para o mesmo caminho. Não vejo futebol se for transmitido pela Globo. Portanto, ostracismo neles, essa é, com certeza, a nossa bandeira.

    1. Boa Carlos Benedito, sigo na mesma linha já a um bom tempo.
      Sem as assinaturas, quando acabar a verba que recebem da esquerda, quero ver como vão manter as redações.

  7. Que grande alivio ainda existirem pessoas como você, lúcidos e que prestigiam a língua portuguesa, tão maltratada!
    Sou do tempo em que se confiava nos textos do Estadão, como padrão incontestável de correção de gramática e ortografia!

  8. A imprensa velha está repleta de vigaristas da adversativa.
    Parabéns, Augusto, sempre falando a verdade e colocando os Pingos nos Is !

  9. Como sempre, mestre Augusto, obrigada pelo artigo impecável e por nos representar tão bem! A Oeste é um oásis de alento nesse verdadeiro pântano que se tornou a imprensa brasileira.

  10. Por isso chamam de genocida. Na falta de corrupto, incompetente, ignorante, sobra o quê? Embarcar nessa firula que o presidente matou os doentes um a um.

  11. Fé demais fede mais quando se lhe junta um evangelho baseado na inveja. Seus devotos são, em português chulo, os “empata-f*da” que quando veem alguém melhorando de vida tratam de lhe puxar o tapete para igualá-lo a si e às suas respectivas mediocridades. Tais crentes só produzem lixo tóxico, que nem para esterco serve.

  12. ESTE É O JORNALISMO VIGARISTA DA ATUALIDADE
    POR ESTA RAZÃO ESTAMOS ABANANDONANDO-OS – FLIXO, GLIXO,ESLIXO,VELIXO, ETC

  13. Ainda bem que não perco meu precioso tempo lendo essas baboseiras e coisas que tais, da “tal imprensa escrita, falada e televisada”. Mestre Augusto Nunes, obrigado por me alertar ainda mais um pouco contra essas vigarices todas. Há mais de 02 (dois) anos que eu o assisto com seus companheiros de bancada, aos PINGOS NOS IS. Tenho assinaturas da GAZETA DO POVO e dessa nossa REVISTA OESTE. Resumindo: Sou uma das pouquíssima pessoas bem informadas, de tudo de bom e das vigarices implantadas por ESQUERDOPATAS DOENTIOS . #FECHADOSCOMBOLSONAROATÉ2026. Tenho dito !!!

  14. O Brasil precisa em 2022 pessoas do bem no congresso nacional. Ana Paula, Fiuza, Augusto Nunes, Locombi, Caio Coppolla, Alexandre Garcia, Antônia Fontenelle, Barbara (Te atualizei) Paulo (Canal Hipócritas) Nikolas Ferreira, Lisboa (vlog do Lisboa) e tantos outros que estão com visibilidade nos canais independentes. Não adiantará renovarmos o Congresso com: Kataguiris, Joices, Frotas, Tiriricas, Romários etc… Tenho certeza que nomes citados acima se elegem.

  15. O problema da imprensa narcisista e estéril é usar tanto o elemento coesivo “mas”, que chega a achar que é ” mais”: mais trouxas, mais ignorantes, mais lavradores e mais vigaristas para acreditarem na imprensa camaleão.

  16. Excelente Augusto. Fico imaginando a “guerra” de comunicação na eleição de 2022. Tentam o impeachment e desgaste do governo a todo custo. Infelizmente a cultura brasileira e acesso aos meios de comunicação são limitados e totalmente manipuláveis. Iniciativas como esta revista e outros poucos canais de comunicação são a esperança!! Cabe também, a nós leitores, como comentado por alguns colegas, fazer a nossa parte…

  17. Torna-se chocante e vergonhoso o comportamento de uma classe profissional (e direciono somente aos jornalistas irresponsáveis, incompetentes e militantes), que deveriam ter, como prioridade, veicular apenas a verdade sobre os mais diversos fatos do cotidiano nacional, e não se darem ao indigno papel de, além de mentir ao povo, provocar-lhe pânico e ansiedade, desnecessariamente.

  18. Excelente análise! O fato é que a “imprensa” e os “jornalistas” militantes e outras aberrações sofrem da síndrome da abstinência que é caracterizada por sintomas mentais e físicos que ocorrem após a interrupção ou diminuição no consumo de uma substância que causa dependência, no caso, verba pública.

  19. Ótimo texto, Augusto. Parabéns pela independência. Os militantes da imprensa velha ou os acólitos da adversativa-brilhante definição!-, nada mais são do que adolescentes que não envelheceram, rebeldes sem causa com cinquenta anos nas fuças.

  20. Mestre Augusto Nunes é um prazer ler seu texto toda semana.Fato é que a esquerda está sem assunto,sem intelectuais e sem cérebro.Na OESTE um show até de “conjunção adversativa”.Creio que nosso PIB,as gigantescas manifestações do povo nas ruas e obras acabadas,tudo sem roubo ou corrupção traduz a riqueza do momento político que estamos passando.Os “PITI” da esquerda com Renam e Omar só aumenta o asco do povo por eles.É rico o momento intelectual,REVISTA OESTE,político e financeiro que estamos vivendo.A saída é por aí.

  21. O que acontece aqui é similar ao que ocorreu nos EUA, como ressalta a “musa” Ana Paula. MAS, e esse mas lhes fará mal, a cronologia é outra, as eleições não caminham contra o agravamento, mas sim contra a melhora da pandemia e a possibilidade de termos realçadas e evidenciadas todas as melhorias do pré Covid. Os americanos ao contrário, somente agora enxergarão a besteira que fizeram. Algo protege esse Bolsonaro, no fim tudo dá certo para ele!

  22. “Mas” já era curtinho, mas ponto e vírgula (;) é imbatível.
    Grande Augusto Nunes, que texto sublime. Ri bastante, riso espontâneo e muito bem vindo. Obrigado.

  23. Excelente a sacada dos “vigaristas da adversativa”, grande Augusto Nunes! É um fenômeno que tenho percebido com cada vez mais frequência. Parabéns pelo texto!

  24. Augusto a turma do Antagoni$ta/Cru$oé, aderente$ do Mamata Connection, está louca, espumando de raiva, mentindo como um petista. O cifrão não é erro de digitação.

  25. Delícia de texto, engraçado, sábio, informativo, e sobretudo um alimento para os cérebros cansados das manipulações da grande imprensa.

    1. O medo vai passar, a economia está impulsionada …os adoradores de totalitarismo ,controle estatal, altos impostos, burocracia não terão a menor chance.

  26. Passei recentemente à condição de assinante desta Revista.
    Estou tão satisfeito que tomei com rara satisfação a iniciativa de divulgá-la entre amigos interessados em jornalismo sério e comprometido com a correção dos rumos da nossa Nação.
    Obrigado, Senhor Augusto Nunes!
    Parabéns à Revista Oeste!

  27. O país precisa avançar com as reformas administrativa e tributária para voltar a crescer de maneira robusta. Senado, encerre esta CPI dos horrores.

  28. Pensei num comentário para enviar aos leitores da excelente Revista Oeste sobre o brilhante artigo do companheiro de todos os dias, via Pingo nos Is, Augusto Nunes. O artigo foi brilhante, mas … Mas nesse caso não poderia ser melhor.

  29. Aos vigaristas da adversativa juntam-se agora os canalhas do anti-sinonimo, com seu “despiora”! São um bando de militantes que de jornalistas têm muito pouco, pois abriram mão de buscar a verdade para imporem sua visão de mundo, que por sinal, não é compartilhada pela maioria da população, REsultado: cada dia perdem mais audiência, leitores, credibilidade e…reputação.

  30. Uma velha e anacronica imprensa fadada a desaparecer. São os estertores de uma morte que se avizinha!! Como sobreviver uma indústria de manipulação atrelada a uma ideologia fracassada? Ainda estão por aí, MAS a caminho da extinção!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro