Retrato do Ronald Reagan, ex-presidente norte-americano | Foto: Wikimedia Commons
Retrato do Ronald Reagan, ex-presidente norte-americano | Foto: Wikimedia Commons

Tempo de escolha

Estamos cansados, exaustos. Fato. Mas que caminho vamos seguir? A liberdade nunca foi tão frágil e nunca esteve tão perto de escapar de nossas mãos

Para aqueles que me acompanham há algum tempo, o assunto de minha coluna nesta semana pode até não ser novidade. Mas não há como ser diferente, já que, em 6 de fevereiro de 1911, nascia em Tampico, no Estado de Illinois, aquele que se tornaria o 40º presidente dos Estados Unidos e um dos maiores líderes que o mundo já viu: Ronald Reagan. Nome respeitado durante sua administração na Casa Branca, consegue ser nos dias atuais uma voz ainda mais indispensável.

Obviamente, mesmo um grande presidente como Ronald Reagan cometeu erros. Ele mudou de posição algumas vezes e chegou até a confundir sua base conservadora. No entanto, no big picture, como dizem os norte-americanos, a Presidência de Ronald Reagan foi um grande sucesso. Ele reconstruiu um caótico Exército dos EUA e ajudou a acabar com a Guerra Fria sem disparar um míssil sequer. Os cortes de impostos radicais em 1981 estimularam o crescimento econômico e redefiniram a relação entre os norte-americanos e o governo, além de nomear juízes federais conservadores, que tentaram reverter a tendência de meio século de expansão do controle governamental e do ativismo judicial nos Estados Unidos.

O carisma natural de Reagan era uma de suas grandes qualidades e isso fazia com que até os críticos pensassem duas vezes antes de emitir opiniões raivosas sem boa fundamentação. Mas ele não era apenas um bobo sorridente, como alguns acadêmicos alinhados com o Partido Democrata gostam de retratá-lo. Em vez disso, seus diários particulares e documentos revelam um homem profundamente bem informado, que lia vorazmente e possuía um intelecto diferenciado, além de ser um escritor talentoso e impecável. Seria impossível trazer a grande fotografia de todo o mapa de sua vida e seu legado em apenas um artigo. Não à toa, encontro-me mergulhada no esboço de meu primeiro livro, que deverá ser publicado ainda neste ano, sobre a história deste ícone da liberdade e da justiça.

Presidente Ronald Reagan, durante entrevista coletiva. Ele aponta para o repórter que faria a próxima pergunta (1984) | Foto: Mark Reinstein/ Shutterstock

Os antigos amigos, daqui de Oeste e de minhas redes sociais, conhecem em detalhes a história da primeira vez que ouvi o nome “Reagan”. Para os que chegam agora, um rápido resumo: nos anos 1980, depois de se dedicar durante décadas em salas de aula como professor de Matemática, meu pai passou a comandar, como diretor-geral e pedagógico, uma das instituições educadoras mais antigas e respeitadas do sul de Minas Gerais, o Instituto Gammon, em Lavras, onde nasci e fui criada.

Certo dia, eu devia ter uns 12 ou 13 anos, meu pai comentou em casa que ele antevia, até por sua experiência como professor, que aquele ano seria tumultuado, com a ameaça real de uma grande greve de professores em toda a cidade e região. Lembro como se fosse ontem, o telefone tocando em casa sem parar. Professores, sindicatos, pais, políticos, administradores de escolas. Todas as conversas, de alguma forma, convergiam para a mesa do meu pai. Apesar da aparente inevitável greve geral, ele sempre encerrava as ligações com calma e serenidade. Mas houve um dia, logo após mais uma enxurrada de telefonemas, que meu pai estava inquieto. Parecia que não havia mais como contornar os ânimos e que as repercussões de uma greve sem precedentes não poderiam ser evitadas.

Depois do que parecia mais uma conversa improdutiva ao telefone, ele finalmente sentou-se à mesa de almoço onde eu estava com a minha mãe e, mostrando clara frustação, disse para si mesmo: “O que Reagan faria?”. Fiquei com aquele nome na cabeça. Quem era esse homem por quem o meu pai, meu ídolo, tinha enorme admiração e que sempre mencionava em tempos de animosidade, insegurança e incertezas? Bem, a greve foi evitada depois de dias e dias de costuras entre as partes envolvidas; e eu cresci ouvindo histórias sobre esse tal de Reagan, o que fez despertar em mim uma curiosidade diferente sobre o ator que virou presidente.

Os anos se passaram e, mesmo antes de me mudar para os Estados Unidos, mergulhei em livros sobre a vida, as políticas e o legado do “Grande Comunicador”. Há um vasto caminho de abordagens sobre vários temas que fundamentam sua história. Aqui mesmo, em Oeste, tenho alguns artigos sobre Reagan, Reagan e Thatcher, Reagan e João Paulo II. O material sobre eles é vasto, e é difícil acreditar que muitos jovens nem sequer conhecem o legado desse trio para a humanidade e o que fizeram contra as forças do “império do mal” — nome propriamente dado ao comunismo pelo presidente norte-americano.

Hoje, no entanto, para celebrarmos o aniversário desse ícone e alimentarmos nossas esperanças de dias melhores, convido-os a uma reflexão sobre um discurso de Reagan de 1964, quando ele nem havia emergido para a vida política. Na verdade, foi exatamente depois desse discurso, “A Time for Choosing” (Tempo de Escolha), feito para a campanha presidencial do republicano Barry Goldwater, que muitos perceberam que Reagan possuía o caráter que define os líderes.

Ronald Reagan e Nancy Reagan posam para retrato oficial, em 1981 | Foto: Wikimedia Commons

Não há dúvida de que “A Time for Choosing” pertence ao topo dos discursos históricos norte-americanos e está entre as oratórias políticas mais significativas já proferidas por alguém que não era político nem candidato a nada. O discurso anunciou o início da carreira longe dos palcos de um homem que se tornaria governador por dois mandatos — no Estado mais rico da nação, a Califórnia — e presidente de sucesso por outros dois. O discurso, que continua sendo uma expressão extraordinariamente poderosa e convincente de uma visão de mundo atemporal, nos deu frases citadas até hoje por conservadores espalhados pelo mundo, incluindo a de que “um novo programa do governo é a coisa mais próxima da vida eterna que veremos nesta terra”, além de ser uma declaração definitiva sobre o conservadorismo moderno. Os argumentos centrais de Reagan no discurso abordam os efeitos deletérios dos impostos, gastos deficitários e dívidas que definiram a agenda republicana por duas gerações e estabeleceram raízes sólidas do conservadorismo norte-americano. Mas ele vai muito além disso.

Reagan cultiva no discurso algo que os norte-americanos possuem desde o nascimento da nação: o desejo de um Estado mínimo

Como Reagan observa em seu discurso, as falhas do governo inevitavelmente tornam as ocasiões propícias para mais ativismo governamental. Nas palavras do ex-presidente: “Buscamos resolver os problemas do desemprego por meio do planejamento do governo, e, quanto mais os planos falham, mais os planejadores planejam da mesma maneira”. Hoje, os incentivos que não são bem geridos pelo governo, tanto no Brasil quanto nos EUA, aumentam os custos nas áreas de saúde, educação, segurança e habitação. No entanto, a esquerda continua argumentando que a resposta é mais regulamentação ou uma tomada completa do governo.

Reagan também bate na obsessão da esquerda com a desigualdade pintada até hoje em uma realidade paralela pela turba socialista: “Há tantas pessoas que não podem ver um homem gordo ao lado de um magro sem chegar à conclusão de que o gordo ficou assim levando vantagem sobre o magro”. Ele também cultiva no discurso algo que os norte-americanos possuem desde o nascimento da nação, e que nós brasileiros precisamos urgentemente adquirir; o desejo de um Estado mínimo e da responsabilidade de sermos donos do nosso próprio destino: “Ou acreditamos em nossa capacidade de autogoverno, ou abandonamos a Revolução Americana e confessamos que uma pequena elite intelectual em uma capital distante pode planejar nossas vidas melhor do que nós mesmos”.

“A Time for Choosing” é um discurso profundamente ideológico, mas Reagan não enquadra nossa escolha fundamentalmente entre o conservadorismo e o liberalismo (como o termo usado nos EUA, a esquerda norte-americana), mas entre o passado e o futuro, e entre declínio e progresso. Em um momento memorável, ele afirma: “Dizem que cada vez mais temos de escolher entre esquerda ou direita, mas gostaria de sugerir que não existe esquerda ou direita. Há apenas para cima ou para baixo — até o antigo sonho de um homem, o máximo em liberdade individual consistente com a lei e a ordem. E, independentemente de sua sinceridade, de seus motivos humanitários, aqueles que trocam nossa liberdade por segurança embarcaram nesse caminho descendente”.

As palavras de Reagan sobre a Guerra Fria no discurso são marcantes e deixam claro que ele tinha exatamente as mesmas crenças estabelecidas nos mesmos termos por décadas: “Estamos em guerra com o inimigo mais perigoso que já enfrentou a humanidade em sua longa escalada do pântano às estrelas (o comunismo), e foi dito que, se perdermos essa guerra, e ao fazê-lo perderemos nosso caminho de liberdade, a história registrará com o maior espanto que aqueles que mais tinham a perder fizeram menos para evitar que isso acontecesse”. Ele também defende com veemência a frase “paz através da força” (peace through strength), que, embora seja remetida à Guerra Fria, continua relevante não apenas à abordagem à segurança nacional americana, mas à segurança de todos nós contra os tiranos da pandemia dos últimos dois anos. Um recado de ontem para hoje.

Muitos defendem que “A Time for Choosing” é essencialmente um discurso libertário, no sentido original da palavra, não no deturpado significado dos tempos atuais. Mas, mesmo assim, Reagan entrega uma aura conservadora a temas que ressoam além da liberdade individual e do interesse próprio. Seu patriotismo profundo e permanente é inconfundível. Em uma expressão comovente do excepcionalismo norte-americano, ele declara: “Se perdermos a liberdade aqui, não há para onde fugir. Esta é a última posição na terra. E essa ideia de que o governo está em dívida com o povo, que não há outra fonte de poder a não ser o povo soberano, ainda é a ideia mais nova e única em toda a longa história da relação do homem com o homem”.

A lição fundamental de “A Time for Choosing” não é que precisamos de outro Reagan no sentido de alguém replicar exatamente suas políticas e discursos, não que isso seja uma má ideia, mas que, assim como Reagan, tenhamos uma visão de mundo que absorva a profundidade dessas palavras e que nos faça buscar objetivos exaltados por ele de defender nossa nação e nossa liberdade.

O presidente Ronald Reagan arremessa uma bola de futebol americano no Salão Oval (1982) | Foto: Wikimedia Commons

Muitas das frases de discursos de Ronald Reagan como presidente são vastamente conhecidas. Poucos, no entanto, mergulham nesse discurso profético daquele que um dia diria a um líder soviético para derrubar o Muro de Berlim. Não posso me despedir deste artigo sem deixar para a sua apreciação, caro leitor, o final inspirador desse discurso que pode ser aplicado exatamente no momento desta leitura. Não se surpreenda se voltar para ler novamente esses trechos, eu já perdi a conta de quantas vezes eles foram abraçados pelos meus olhos nos últimos anos.

“Aqueles que trocam nossa liberdade pela sopa do estado do bem-estar social nos disseram que têm uma solução utópica de paz sem vitória. Eles chamam sua política de ‘acomodação’. E dizem que, se evitarmos qualquer confronto direto com o inimigo, ele esquecerá seus maus caminhos e aprenderá a nos amar. Todos os que se opõem a eles são indiciados como provocadores. Dizem que oferecemos respostas simples para problemas complexos. Bem, talvez haja uma resposta simples — não uma resposta fácil, mas simples: você e eu temos que ter coragem de dizer aos nossos oficiais eleitos que queremos que nossa política nacional seja baseada no que sabemos em nossos corações que é moralmente correto. (…) Alexander Hamilton disse: ‘Uma nação que pode preferir a desgraça ao perigo está preparada para um dono e merece um’. Agora vamos ser honestos. Não há discussão sobre a escolha entre paz e guerra, mas há apenas uma maneira garantida de você ter paz — e você pode tê-la no próximo segundo —, rendição.”

“Você e eu sabemos e não acreditamos que a vida é tão querida e a paz tão doce a ponto de ser comprada ao preço de correntes e escravidão. Se nada na vida vale a pena morrer, quando isso começou — apenas diante desse inimigo? Ou Moisés deveria ter dito aos filhos de Israel que vivessem em escravidão sob os faraós? Deveria Cristo ter recusado a cruz? Os patriotas da Concord Bridge deveriam ter largado suas armas e se recusado a disparar o tiro ouvido em todo o mundo? (Início da Revolução Americana). Os mártires da história não foram tolos, e nossos honrados mortos que deram a vida para impedir o avanço dos nazistas não morreram em vão. Onde, então, está o caminho para a paz? Bem, é uma resposta simples, afinal.”

“Você e eu temos a coragem de dizer aos nossos inimigos: ‘Há um preço que não pagaremos’. ‘Há um ponto além do qual eles não devem avançar.’ E este — este é o significado da frase de ‘paz através da força’. Winston Churchill disse: ‘O destino do homem não é medido por cálculos materiais. Quando grandes forças estão em movimento no mundo, aprendemos que somos espíritos — não animais. Há algo acontecendo no tempo e no espaço, e além do tempo e do espaço, que, gostemos ou não, significa dever'”.

“Você e eu temos um encontro com o destino. Preservaremos para nossos filhos isso, a última melhor esperança do homem na Terra, ou os condenaremos a dar o último passo em mil anos de escuridão.”

Na visão de Reagan em “A Time for Choosing”, somos mais do que uma mera coleção de números econômicos ou mesmo o que é visível para nós neste mundo, como muitos governantes querem que enxerguemos.

É tempo de escolha. Estamos cansados, exaustos. Fato. Mas que caminho vamos seguir? Da rendição imediata por um pouco de paz? A liberdade nunca foi tão frágil e nunca esteve tão perto de escapar de nossas mãos como neste momento. Temos a capacidade, a dignidade e o direito de tomar nossas próprias decisões e determinar nosso destino. É tempo de escolha.

Leia também “É chegada a hora de despertar”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

26 comentários Ver comentários

  1. Ana Paula, se me permite, pelo fato de saber que tens trabalhado na biografia de Ronald Reagan, gostaria de indagar, se teve ciência do caso do sequestro e assassinato de um agente do DEA, pelo cartel de Guadalajara, Enrique (Kiki) Camarena e qual a relação entre a CIA, o caso Irã-contras e os cartéis de drogas mexicanos.

  2. Parabéns, Paula. O seu texto traz à luz algumas ações de um verdadeiro estadista, que ajudou a desmontar o imprestável comunismo russo e deu lições de democracia ao mundo. Ronald Reagan faz parte da galeria dos mais importantes presidentes dos EUA.

  3. Sem dúvida um homem acima do seu tempo. Sua capacidade de enxergar a realidade, que hoje falta a maioria das pessoas, é admirável. Sua coragem de enfrentar o “império do mal”, destruí-lo e libertar milhões de pessoas do julgo atroz do comunismo, é muito pouco reconhecido. Meus quatro ídolos do século XX, que nunca paro de reler seus discursos, frases e posições, são: Ronald Reagan, Margaret Thatcher, João Paulo II e Winston Churchill. O que esses quatro heróis fizeram pela paz, liberdade e democracia não é devidamente reconhecido pelo mundo. E o pior. Hoje tenho o desprazer de ver que a maioria absoluta dos jovens nem faz ideia de quem eles são. Triste realidade. Apesar de ser da área das exatas, penso que a matéria mais importante para um jovem é a história. É ela que nos dá condições de conhecer o que foi feito de certo e de errado no mundo, aprender com os erros e evitar de comete-los novamente. Mas hoje a história é mostrada e escrita por pessoas contaminadas por ideologias nefastas, que mentem descaradamente. Parabéns Ana Paula. É muito reconfortante que pessoas jovens como você façam questão de lembrar os fatos que marcaram nossas vidas. E sem dúvida os oito anos de Reagan mudaram o mundo e a história. Para melhor!!!!

  4. Sempre que leio Ana Paula, sou agradavelmente surpreendido com uma escrita leve – sem ser superficial – e cada vez mais inspiradora. Que texto delicioso!

  5. Que artigo maravilho Ana. Parabéns. E o quanto é atual esse discurso do Reagan. Depois que eu ouvi da boca de um médico que preferia um pouco de segurança do que liberdade, quando as medidas draconianas estavam sendo implementadas no início da pandemia provocada pela da peste chinesa.

  6. Que tal Ana Paula senadora por Minas Gerais? Ana você mesma encerra teu artigo assim, “temos a capacidade a dignidade e o direito de tomar nossas próprias decisões e determinar nosso destino. É tempo de escolha”.
    Pronto Ana, mesmo sendo eleitor por São Paulo já te escolhi para ser candidata para senadora em Minas. Que tal? E vamos voltar às ruas em manifestações pacíficas verde amarelas para enxugar as gorduras de nosso Legislativo Nacional reduzindo em no mínimo 1/3 as cadeiras da Câmara Federal, Assembleias e Câmaras Municipais e o Senado a somente 1 por Estado. Chega de tantos inúteis Randolfes nessa soberba casa que tem dificuldades em legislar e trabalhar.

  7. Como sempre, brilhante artigo. Esse ano será um ano de escolhas muito importantes para as nossas vidas, voltar para a escuridão ou continuar com os avanços em três anos de governo Bolsonaro, tá a cargo do povo, que Deus abençoe as nossas escolhas.

  8. “Querida Parceira”, como diz o Mestre Augusto Nunes, que satisfação indescritível sinto ao ler sua coluna. Parabéns, e continue please!! Fraterno e respeitoso abraço com votos de perene sucessso em tuas buscas!!

  9. Chamei a Sandra agora (17h) para alermos juntos o teu texto. Esperamos ler um dia o teu livro aqui no sertão profundo. Por acaso assistimos a novela da Record que conta a vida do Moisés (isto não significa que a gente goste de novela ou da Record, mas nesta época da pandemia entendemos rever alguns momentos bíblicos). Misturando tudo, passamos pelo espírito do gaúcho peleador (que está sendo superado por uma concorrência oligopolista dos critérios do que são elementos culturais e o que são elementos de marketing. Tinha uma música do Teixeirinha que em parte traduzia o espírito do gaúcho, do campo a fora e na sua letra dizia: se alguém me pisar no pala o revórve fala e o buchincho tá feito. Era assim. Agora tudo mudou e muita gente pintou uma caricatura do Teixerinha e do Gaúcho como seres negacionistas ou alienígenas. Quando nossos ancestrais vendiam as mulas leiloadas na Feira de Sorocaba para os mineiros o valor da coragem para esse serviço era maior do que o próprio ouro carregado nas canastras pelos muares. A outra letra que chega mais recente no imaginário musical por aqui é “não se entreguemo pros hôme, de jeito nenhum…” Os hôme, são os inimigos que pretendem tirar a liberdade de quem trabalha com afinco e dedicação à família e amos a querência, ao chão, a Pátria Amada idolatrada. Se o STF tivesse deixado o Lula preso com seus comparsas nada do que está acontecendo de ruim na política estaria sustentando o ódio e a divisão entre os brasileiros. Mas, como a História é viva, sempre existirão pessoas corajosas que tomarão a dianteira na batalha (conceito amplo). Honra e Glória!

  10. Caríssima Ana Paula,
    Aguardo ansiosamente teu livro sobre R.Reagan. Tomara que saia ainda neste primeiro semestre.
    Go ahead!
    Márcio Antonio Torres Bueno
    Volta Redonda -RJ

  11. Chega a ser irritante a obsessão com que a nobre revista persegue seus assinantes.
    Para ler um artigo você assinante tem que se identificar com e-mail e senha. Não satisfeita ela exige novamente sua identificação ao assinante pretender ler outro artigo.
    Será que os assinantes dessa revista são considerados golpistas pela sua direção?
    Estou propenso a cancelar minha assinatura se essa política irritante persistir.

      1. Interessante é que após eu ter publicado a reclamação não me foi mais pedido log-in.
        Alvissaras!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.