Vírus de esquerda, vírus de direita

[caption id="attachment_244864" align="alignnone" width="1920"] Foto: Gerd Altmann[/caption] Está demonstrado, mais uma vez, que coisas que nunca aconteceram antes podem acontecer a qualquer momento – como a gente acaba de ver…
-Publicidade-
Foto: Gerd Altmann

Está demonstrado, mais uma vez, que coisas que nunca aconteceram antes podem acontecer a qualquer momento – como a gente acaba de ver agora, com a criação de um vírus de esquerda e de um vírus de direita. Melhor ainda: é o mesmo vírus, mas, segundo quem faz o sequenciamento genético do bicho, ele fica de um jeito ou de outro. Um chimpanzé mais esperto, desses que aprendem a mexer com computador, conseguiria achar em 30 segundos a diferença entre os dois. O coronavírus de esquerda é bravo. Tem de ser tratado com “isolamento horizontal” (ninguém sai de casa, fecha tudo, parem as máquinas) e é um militante anti-Bolsonaro; se receber os incentivos corretos, pode ajudar a derrubar o presidente, na eleição de 2022 ou mesmo antes. O coronavírus de direita é manso. Pode ser tratado com “isolamento vertical” e deixa as pessoas saírem de casa para trabalhar e cuidar de suas próprias vidas da maneira que cada um julgar mais adequada para si próprio.

O coronavírus de esquerda, que também é cultivado na classe liberal-intelectual-civilizada, infecta muito mais gente que o da direita – pelo menos é o que garantem as listas de casos, atualizadas a cada segundo com a ajuda de marcadores digitais em “tempo real”. Mata bem mais, também, segundo os mesmos relógios. Mata cidadãos que morrem de outras doenças, como enfisema, enfarte ou leucemia. E promete ser pior que dez bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki somadas, só no Brasil – onde há “cenários”, “modelos matemáticos” e “projeções de computador” indicando a “possibilidade” de “até 2 milhões de mortos”. Essa cifra será conseguida se o plano de “genocídio” do governo Bolsonaro, que está batalhando por um relaxamento da quarentena, for aplicado em toda a sua extensão.

-Publicidade-

O coronavírus de direita, para não encompridar muito a conversa, sempre apresenta números menos ambiciosos em termos de contágio, de mortes e de estimativas de desgraças que ainda não aconteceram. Além disso, pode ser sujeito à cura por medicamentos e agentes químicos – hipótese dada como cientificamente impossível pelos militantes do coronavírus de esquerda. O coronavírus de direita, enfim, só existe nas pesquisas científicas que procuram a sua cura; não tem existência fora das teorias e dos laboratórios. No noticiário – e, portanto, naquilo que passa por realidade oficial “aceita pela Organização Mundial de Saúde” – só existe um coronavírus: o de esquerda.

Levando-se em conta que a OMS está sob a direção de um político que não é sequer formado em medicina, integra uma das piores ditaduras da África e foi posto no cargo pelo lobby que a China exerce para ganhar votos nos países africanos da ONU, não há muito o que dizer, aí, em matéria de credibilidade. O coronavírus de esquerda, naturalmente, é 100% OMS – seus defensores no Brasil, por sinal, citam o organismo, o tempo todo, como o árbitro mundial supremo da epidemia. Nos meios de comunicação, o habitat preferido do coronavírus de esquerda por aqui, a coisa não é melhor. Jornalistas não sabem o que é um Melhoral – o que vão saber sobre uma epidemia dessas? Na falta de conhecimento, o que aparece é a militância.

Ainda bem que o vírus, no fim das contas, não é de partido nenhum. Ele é apenas o que está sendo, e será o que vai ser – no mundo dos fatos, e não no mundo dos desejos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

28 comentários Ver comentários

  1. J.R.Guzzo
    Parabéns pelos seus comentários.Já lia suas crônicas quando estava na revista Veja e no Metrópoles. Esse “tema” aparentemente fictício de hoje, pode ter mais realidade do que ficção… Você é um dos últimos moicanos da mídia…

  2. Perfeito Guzzo: é 18 vezes mais provável alguém morrer por pneumonia comum (80% idosos) no Brasil do que pelo tal vírus do Partido Comunista Chinês. Uma pandemia terrorista de desinformação que só espalha pânico para paralisar os governos de direita no mundo e inviabilizar a reeleição dos mandatários.

    1. Há uma profunda divisão quando se trata de honestidade intelectual e desonestidade profissional quando comparamos Guzzo e os coleguinhas. Privilégio. Bom dia!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.