Enfermeiras cubanas se disfarçam de árabes para escapar da missão no Catar

Reportagem publicada em junho pelo jornal espanhol El Mundo recolheu os testemunhos de vários profissionais de saúde
-Publicidade-
Bandeira de Cuba | Foto: Pixabay
Bandeira de Cuba | Foto: Pixabay

Reportagem publicada em julho pelo jornal espanhol El Mundo recolheu os testemunhos de vários profissionais de saúde

Cuba
Bandeira de Cuba | Foto: Pixabay

Várias enfermeiras cubanas que foram enviadas para uma missão médica ao Catar, no Oriente Médio, se disfarçaram em trajes árabes e fugiram para os Estados Unidos.

-Publicidade-

Uma reportagem publicada em julho pelo jornal espanhol El Mundo recolheu os testemunhos de vários profissionais de saúde que fugiram da missão e criticam o esquema de comercialização destes serviços de saúde em que a ditadura cubana embolsa até 90% dos salários.

“Lembro que tinha muito medo de ser descoberta. Vesti-me de árabe. Coloquei uma túnica e um lenço. Tinha que me fantasiar toda vez que visitava a embaixada dos Estados Unidos no Catar”, diz uma enfermeira.

Ela trabalhava há dois anos no Hospital Cubano do Catar, a joia da coroa das missões médicas naquele país. A instituição é administrada por Havana, mas dependente da Hamad Medical Corporation sob um acordo secreto entre os dois países. Sua localização no meio do deserto, perto do maior campo de petróleo e gás da Qatar Petroleum, favorece o controle de pessoal.

“No aeroporto, antes de cumprimentá-lo, eles tiram seu passaporte e avisam que todos os seus movimentos serão controlados”, diz outra enfermeira ao jornal.

O passaporte permanece aos cuidados do hospital até o retorno dos funcionários a Cuba, prática ilegal no Catar. Também não há clareza sobre o dinheiro que Cuba recebe por cada profissional.

Brasil

No Brasil, a partir de 2013 médicos cubanos trabalharam no programa Mais Médicos, lançado pela petista Dilma Rousseff.

Depois do fim do programa muitos deles decidiram ficar no Brasil.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. No Brasil rasgaram a CLT para beneficiar Cuba com a complacência da “justica”trabalhista brasileira, aí das Empresas instaladas no Brasil usarem os mesmos critérios usados pelos desgovernos cubanos e brasileiros. Será que Karl Marx apoiaria o mais valia cubano/brasileiro?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site