Amazon pede que funcionários apaguem TikTok e recua da decisão

Amazon pede que funcionários apaguem TikTok e recua da decisão.
-Publicidade-
Indecisão: primeiro a Amazon pediu que empregados apagassem o TikTok. Depois, permitiu que aplicativo continuasse instalado | Foto: Kon Karampelas/Pixabay
Indecisão: primeiro a Amazon pediu que empregados apagassem o TikTok. Depois, permitiu que aplicativo continuasse instalado | Foto: Kon Karampelas/Pixabay | amazon, tiktok, estados unidos, segurança, cibersegurança, segurança nacional, estados unidos, china

Varejista enviou mensagem a empregados dizendo que aplicativo chinês era risco à segurança, porém, horas depois, mudou de ideia e revogou medida

amazon, tiktok, estados unidos, segurança, cibersegurança, segurança nacional, estados unidos, china
Indecisão: primeiro a Amazon pediu que empregados apagassem o TikTok. Depois, permitiu que aplicativo continuasse instalado | Foto: Kon Karampelas/Pixabay

Na última sexta-feira, dia 10, a Amazon pediu a seus funcionários que excluíssem o aplicativo de vídeo chinês TikTok de seus celulares, colocando o gigante da tecnologia no centro de crescente suspeita e paranoia sobre o aplicativo.

-Publicidade-

Quase cinco horas depois, a Amazon inverteu o curso, dizendo que o e-mail aos trabalhadores foi enviado por engano.

Na mensagem inicial, obtida pelo The New York Times, os funcionários da Amazon disseram que, por causa de “riscos à segurança”, os funcionários devem excluir o aplicativo de qualquer dispositivo que “acesse o e-mail da Amazon”. Os funcionários tinham de remover o aplicativo até sexta-feira para poder obter acesso móvel aos seus e-mails da Amazon, dizia a nota.

Em comunicado enviado mais tarde na sexta-feira, a porta-voz da empresa, Kristin Brown, disse: “Não há mudanças em nossas políticas no momento em relação ao TikTok”.

Mas até então o e-mail inicial já havia aumentado a tempestade em torno do TikTok, que é popular entre o público jovem nos Estados Unidos por seus vídeos curtos e divertidos e pertence à empresa chinesa de tecnologia ByteDance.

Devido à sua propriedade chinesa e às tensões exacerbadas entre os Estados Unidos e a China por  questões como domínio do comércio e da tecnologia, o TikTok está sob crescente escrutínio em Washington quanto à segurança.

Mike Pompeo, secretário de Estado, disse na segunda-feira que o governo Trump está pensando em bloquear alguns aplicativos chineses, que ele chamou de ameaça à segurança nacional.

Muitos usuários que criaram comunidade e negócios no TikTok temem uma proibição ampla.

Alguns funcionários da Amazon compartilharam publicamente desânimo por não poder usar o aplicativo.

No ano passado, o Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos, um painel federal que analisa aquisições estrangeiras de empresas norte-americanas por razões de segurança nacional, abriu uma revisão de segurança nacional da aquisição da ByteDance da empresa norte-americana Musical.ly,, que acabou se tornando o TikTok.

Em dezembro, o Departamento de Defesa começou a pedir ao pessoal militar para excluir o aplicativo dos telefones emitidos pelo governo.

No mesmo mês, o Comitê Nacional Democrata alertou campanhas, comitês e partidos estaduais sobre os “laços chineses do TikTok potencialmente enviando dados de volta ao governo chinês”.

Com o TikTok fazendo manchetes por questões de segurança semelhantes, o comitê reiterou os avisos anteriores sobre o TikTok em um de seus e-mails regulares de segurança nesta semana.

Outras empresas estão examinando o uso do aplicativo entre os funcionários.

A Wells Fargo disse a alguns funcionários que instalaram o TikTok em telefones da empresa para excluir o aplicativo. “Devido a preocupações com os controles e práticas de privacidade e segurança da TikTok, e como os dispositivos de propriedade da empresa devem ser usados apenas para seus negócios, orientamos esses funcionários a remover o aplicativo de seus dispositivos”, disse em comunicado uma porta-voz da Wells Fargo.

A ByteDance fez uma série de movimentos em resposta às preocupações. A empresa disse que separaria o TikTok de muitas de suas operações chinesas e que os dados pessoais dos usuários seriam armazenados nos Estados Unidos e não na China.

Em maio, a ByteDance contratou Kevin Mayer, ex-executivo da Disney, para ser o executivo-chefe da TikTok com sede em Los Angeles. Ele afirmou que gerentes de fora da China dão os primeiros passos em aspectos importantes de seus negócios, incluindo regras sobre dados.

Na segunda-feira, o TikTok também disse que se retiraria das lojas de aplicativos em Hong Kong, onde foi promulgada uma nova lei de segurança nacional da China. A empresa disse que tornaria o aplicativo inoperante para os usuários lá dentro de alguns dias.

Após o primeiro e-mail da Amazon na sexta-feira, o TikTok afirmou em comunicado que a segurança do usuário era “da maior importância” e que estava comprometido com a privacidade do usuário. Ele acrescentou: “Embora a Amazon não tenha se comunicado conosco antes de enviar seu e-mail e ainda não entendamos suas preocupações, congratulamo-nos com um diálogo”.

Antes de a Amazon enviar sua segunda mensagem na sexta-feira, o senador Josh Hawley, republicano do Missouri, que pediu investigações sobre as ramificações de segurança nacional dos aplicativos chineses, disse: “Todo o governo federal deve seguir o exemplo”.

O TikTok tem sido uma preocupação de oficiais de inteligência norte-americanos, que temem que o aplicativo de rede social seja um serviço de coleta de dados mal disfarçado. Nos últimos seis meses, os pesquisadores de segurança apenas aumentaram essas preocupações com uma série de descobertas.

No mês passado, um pesquisador descobriu que o TikTok tinha a capacidade de desviar qualquer coisa que um usuário copiasse para uma área de transferência em um smartphone — senhas, fotos e outros dados confidenciais, como números do Seguro Social, e-mails e textos. O pesquisador começou a postar as descobertas no quadro de mensagens on-line Reddit.

O pesquisador, que usa o nome Bangorlol, também disse que o TikTok estava capturando dados sobre o hardware do telefone de um usuário e dados sobre outros aplicativos instalados no telefone. Muitas dessas habilidades são encontradas em outros aplicativos, mas os desenvolvedores do TikTok fizeram de tudo para impedir que alguém o analisasse, disse o pesquisador.

“Isso foi muito preocupante e muito raro”, disse Oded Vanunu, que lidera a pesquisa sobre vulnerabilidade de produtos na empresa de segurança israelense Check Point, sobre as descobertas. “Houve muito medo e especulações sobre esse aplicativo, mas as descobertas recentes estão levantando grandes questões.”

A propriedade chinesa do TikTok também tem sido problemática para outros governos. A Índia proibiu quase 60 aplicativos móveis chineses, incluindo o TikTok no mês passado, citando preocupações de segurança nacional. Índia e China entraram em conflito recentemente ao longo de uma fronteira disputada, deixando 20 soldados indianos mortos e um número desconhecido de vítimas chinesas.

Nos últimos anos, a popularidade do aplicativo de vídeo cresceu, especialmente entre adolescentes e adultos jovens, que o usam para criar e compartilhar vídeos curtos.

Os jovens do TikTok também exerceram recentemente sua influência política, alegando ter registrado potencialmente centenas de milhares de ingressos para um dos recentes comícios da campanha do presidente Trump como uma brincadeira — e depois não aparecendo.

O aplicativo foi baixado cerca de 2 bilhões de vezes em todo o mundo, de acordo com dados da empresa de análise Sensor Tower. Cerca de 170 milhões desses downloads foram de usuários nos Estados Unidos. E foi instalado mais de 610 milhões de vezes na Índia.

O TikTok tem sido visto como uma ameaça competitiva por algumas empresas de internet americanas, que estão ansiosas para aproveitar o público mais jovem. Mark Zuckerberg, executivo-chefe do Facebook, disse estar preocupado com a popularidade do TikTok, e sua empresa está construindo produtos concorrentes como o Reels, um aplicativo semelhante ao TikTok que capitaliza o formato de vídeo social.

Com informações do The New York Times

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site