Empresa brasileira cria máscara capaz de matar coronavírus

Equipamento da Golden Technology ainda é eficaz contra a variante Delta
-Publicidade-
Sérgio Bertucci é fundador da Golden Technology
Sérgio Bertucci é fundador da Golden Technology | Foto: Divulgação/Golden Technology

A empresa Golden Technology criou uma máscara com tecnologia própria que é capaz de matar o coronavírus e combater a variante Delta. Reportagem publicada na revista Exame mostra que, enquanto as máscaras comuns devem ser trocadas em duas ou três horas, a Phitta pode ser usada durante 12 horas.

Depois de lançar o produto no mercado, a empresa viu seu faturamento aumentar de R$ 1,2 milhão em 2020 para R$ 30 milhões em 2021. “É uma tecnologia brasileira, desenvolvida aqui”, explicou o fundador da companhia, Sérgio Bertucci. “Estamos conversando com outros países, vamos exportar.”

O princípio ativo capaz de liquidar o coronavírus é chamado de Phtalox. Na prática, essa substância age como uma água oxigenada: interage com o oxigênio no tecido, de maneira a torná-lo mais reativo, e faz o vírus ser oxidado.

-Publicidade-

Ômicron na mira

Os testes da nova máscara cirúrgica, realizados pelo Instituto Brasileiro de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (IBC-SP), mostraram eficácia de 99% na eliminação das variantes Delta, P1 e P2. Agora, a companhia pretende fazer os testes para verificar a eficácia contra a Ômicron, cepa detectada pela primeira vez na África do Sul.

Em virtude de sua maior durabilidade, a Phitta tem sido procurada por empresas que desejam fornecer o equipamento de proteção aos funcionários. Atualmente, a Golden Technology oferece as máscaras para companhias como Nestlé, Danone, Coca-Cola, Siemens e Goodyear. O produto da empresa brasileira pode ser encontrado nas principais redes de farmácias do país.

Leia mais: “Brasileiros infectados pela Ômicron estavam vacinados”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

12 comentários Ver comentários

  1. Na quinta-feira (14), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ter cancelado o registro do enxaguante bucal que seria, em tese, capaz de inativar o novo coronavírus (SARS-CoV-2), durante o bochecho. Detalhes sobre o motivo do cancelamento foram encaminhadas à empresa

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.