Executivos das 4 maiores empresas de tecnologia do mundo depõem no Congresso dos EUA

Executivos das quatro maiores empresas de tecnologia do mundo são ouvidos no Congressos dos Estados Unidos.
-Publicidade-
Painel antitruste do Congresso dos Estados Unidos ouviu as quatro maiores empresas de tecnologia do mundo | Foto: Reprodução
Painel antitruste do Congresso dos Estados Unidos ouviu as quatro maiores empresas de tecnologia do mundo | Foto: Reprodução | empresas, tecnologia, amazon, jeff bezoz, apple, tim cook, google, Sundar Pichai, facebook, mark zuckerberg, redes sociais, congresso, estados unidos, painel antitruste

Principais representantes da Amazon, do Google, do Facebook e da Apple prestaram esclarecimentos ao painel antitruste americano

empresas, tecnologia, amazon, jeff bezoz, apple, tim cook, google, Sundar Pichai, facebook, mark zuckerberg, redes sociais, congresso, estados unidos, painel antitruste
Painel antitruste do Congresso dos Estados Unidos ouviu as quatro maiores empresas de tecnologia do mundo | Foto: Reprodução

Mark Zuckerberg, do Facebook, Jeff Bezos, da Amazon, Sundar Pichai, do Google, e Tim Cook, da Apple — cujas empresas, juntas, têm um valor de mercado de cerca de US$ 5 trilhões — tiveram de se esquivar de uma série de acusações de parlamentares norte-americanos. Em meio a uma investigação sobre abusos econômicos, eles foram ouvidos por videoconferência nesta quarta-feira, 29, diante do painel antitruste do Comitê Judiciário do Congresso dos Estados Unidos.

-Publicidade-

Primeiro CEO a falar, Jeff Bezos, da Amazon, lembrou que a “obsessão pelo cliente” foi o que fez sua empresa ganhar a confiança de 80% dos norte-americanos.

Sundar Pichai, do Google, foi acusado pelo presidente do subcomitê antitruste, David Cicilline, de roubar dados de terceiros para incorporar a suas ferramentas.

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, foi duramente questionado sobre a aquisição do Instagram, que, segundo o comitê, foi comprado pela empresa por ser visto como ameaça à rede social.

Já Tim Cook, da Apple, indagado sobre as políticas da App Store para restringir a ação de aplicativos de terceiros, respondeu que ela “abriu os portões para os desenvolvedores”.

Google

O presidente do subcomitê antitruste, o democrata David Cicilline, acusou o Google de roubar dados de terceiros para incorporar a suas ferramentas; outros membros do comitê apontaram o favorecimento de seus produtos em anúncios nos resultados de buscas. “Por que o Google rouba conteúdo de empresas honestas?” perguntou Cicilline.

Pichai respondeu que gostaria de saber as especificidades da acusação. “Temos os mais altos padrões”, afirmou, discordando de que o Google roube conteúdo de outras empresas para manter os usuários em seus próprios serviços. O CEO disse ainda que os vários serviços da companhia, como a busca em si, o Gmail, o Maps, o YouTube e o Fotos, “proveem o equivalente a milhares de dólares ao ano ao norte-americano médio”.

Facebook

Para Zuckerberg, do Facebook, fez-se uma série de perguntas sobre a compra do Instagram pela companhia em 2012, e se a aquisição se deu sob ameaça.

O CEO respondeu que o acordo foi analisado pela Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) e que o Instagram na época era um pequeno aplicativo de compartilhamento de fotos, e não um fenômeno de mídia social. “As pessoas não pensavam nele competindo conosco naquele espaço”, respondeu.

Amazon

A parlamentar Pramila Jayapal pressionou Bezos sobre a empresa usar dados de vendedores de terceiros para tomar decisões de vendas. Em uma audiência anterior, um executivo da Amazon negou o fato sob juramento e foi desmentido posteriormente por uma reportagem.

O bilionário respondeu que a empresa tinha uma política contra tais ações. “Se descobríssemos que alguém a viola, agiríamos”, garantiu Bezos.

Do lado republicano, Jim Jordan acusou as empresas de perseguir políticos conservadores. “As grandes companhias de tecnologia estão caçando conservadores”, vociferou. As empresas, no entanto, negaram alegações de censura política.

Apple

Tim Cook, da Apple, foi questionado sobre as políticas da empresa para restringir o uso de aplicativos de terceiros na plataforma.

“Discordo totalmente disso”, retrucou o CEO. “Há competição para desenvolvedores — eles podem desenvolver seus aplicativos para Android ou Windows ou Xbox ou PlayStation. Temos concorrência acirrada tanto do lado do desenvolvedor quando do cliente.”

Cook ressaltou que o mercado de smartphones é extremamente competitivo e incluiu a Huawei, da China, que tem sido foco de ​​preocupações de segurança nacional dos Estados Unidos.

Um relatório detalhado com alegações antitruste contra as quatro empresas deve ser divulgado no começo do ano que vem pelo comitê, que acumulou 1,3 milhão de documentos separadamente das empresas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. À maioria dessas empresas é esquerdista. O vale do silício atua de maneira diferente com os conservadores. Esta é e minha impressão e temos visto na pratica. Força Trump. Vc e importante para deitar s China agressiva de agora.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.