Google volta a investir em realidade aumentada

Empresa adquiriu startup avaliada em US$ 1 bilhão para expandir tecnologia
-Publicidade-
A aquisição acontece seis anos depois do fracasso do Google Glass
A aquisição acontece seis anos depois do fracasso do Google Glass | Foto: Divulgação/Pixabay

O Google fechou a compra da startup Raxium, empresa que trabalha desenvolvendo pequenos diodos que emitem luz para telas utilizadas em realidade aumentada.

O valor da negociação não foi divulgado, mas, segundo o site The Information, a Raxium teria sido avaliada em US$ 1 bilhão.

A Raxium deverá fabricar microLEDs para dispositivos de realidade aumentada do Google. A tecnologia da empresa consegue produzir painéis de resoluções mais altas com consumo mais baixo de energia, dois dos principais problemas do Google Glass.

-Publicidade-

A aquisição acontece seis anos depois do fracasso do Google Glass, óculos desenvolvidos pela empresa com diversos conteúdos de realidade aumentada.

Os óculos foram aposentados em 2016, após críticas sobre a sua utilidade, falta de recursos e limitações tecnológicas, incluindo a resolução da tela e o consumo de energia. Também ajudou a derrubar o projeto o seu design, considerado “estranho” para ser absorvido ao vestuário das pessoas.

O interesse renovado do Google em tecnologias de realidade aumentada e realidade virtual não nasceu sozinho. Depois de o Facebook anunciar o direcionamento de seus negócios para o metaverso, o mundo da tecnologia entrou em uma corrida para a construção de universos virtuais que conversem com o mundo off-line.

Além de Facebook e Google, Microsoft, Apple e até Snap estariam fazendo investimentos no segmento. As duas últimas já haviam feito aquisições de empresas que fabricam microLED para ajudar nos projetos de óculos de realidade aumentada.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Cada vez mais “ligados” em transformar o ser humano em algo inusitado. Absorto em cápsulas, observando um mundo irreal, enqto “alimentam” o sistema.
    Muito interessante como tudo se dá. Primeiro uma suposta particula viral letal. Grande parte da população mundial acredita nisso e se isola, seja nas suas casas, ou por trás de máscaras.
    O trabalho e tb grande parte do lazer passa a ser virtual… instala-se uma rede de perversidäo, “adotando e submetendo os jovens e tb os adultos.
    E, sem se darem conta estão entrando e não, como se supõe, da tal Matrix…
    Irônico, q num dos atos do próprio filme o agente Smith em uma tentativa de confissão de Morfeu compara o homem com virus… seria apenas coincidencia?
    Seria apenas coincidência q Morfeu a vitima ser negro e forte e Smith o vilão ser nordico?
    Q Neo um racker ser o próprio Jesus Cristo da história? O traidor chamar mesmo como?
    E a caverna? A realidade ser mostrada como algo sujo, grotesco e limitado?
    Desde q perceberam o poder de alcance das midias e isso nos idos de 60 os “do poder pretencioso e tendenciodo” tem usado a mente dos espectadores para transforma-las no que bem entendem.
    Atualmente para a perversão, porém a perversão destroi a sociedade como um todo, inclusive aqueles q a alimenta. Alguns povos sabem disso e apenas observam a queda a principio silenciosa dessa sociedade.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.