‘Invasivo’ e ‘abutre’: professora da Universidade de Oxford critica WhatsApp e Facebook

Carissa Véliz critica modelo de negócios do app de mensagens e da plataforma de rede social
-Publicidade-
Para professora, o Facebook é um "abutre dos dados"
Para professora, o Facebook é um "abutre dos dados" | Foto: Canva

O formato de atuação adotado pelo Grupo Facebook para a plataforma de rede social que leva o nome da companhia e o aplicativo de mensagens WhatsApp é criticado publicamente por Carissa Véliz, professora da Universidade de Oxford (Reino Unido) e especialista em proteção e privacidade de dados. Em entrevista publicada no último fim de semana, ela analisou o atual momento das duas iniciativas de comunicação e tecnologia.

Leia mais: “Aplicativo seguro? 5 milhões de brasileiros tiveram WhatsApp clonado em 2020”

-Publicidade-

Sobre o WhatsApp, a professora definiu como “invasivo” o trabalho relacionado à polêmica mudança de privacidade do app. Prevista para entrar em vigor já neste início de ano, a alteração, que visava a compartilhar dados com o Facebook Messenger, acabou adiada para maio. Com isso, o WhatsApp tem perdido espaço para concorrentes como Telegram e Signal.

“Para entender o contexto, é importante lembrar que o Facebook comprou o WhatsApp em 2014 e, na época, prometeu que as duas empresas não compartilhariam dados”, disse Carissa Véliz em contato com o site da BBC Mundo. “Em 2016, porém, houve uma mudança na postura e o Facebook decidiu que os usuários poderiam decidir se compartilhariam as informações entre as plataformas ou não. Agora, decidiram que não haverá mais oportunidade para rejeitar o compartilhamento de dados: se não aceitar a condição, não poderá mais usar o WhatsApp. Por isso acredito que o público reagiu”, contextualizou a professora universitária.

Facebook: problema de marketing

A pesquisadora aproveitou a entrevista para externar a razão pela qual define o Facebook como “abutre de dados”. “Considero o Facebook um ‘abutre de dados’ porque é uma empresa que, basicamente, ganha dinheiro a partir da exploração das informações pessoais dos usuários”, declarou. De acordo com ela, a plataforma de rede social não está sozinha nessa categoria. Para Carissa, empresas de marketing que investem em anúncios cada vez mais segmentados fazem companhia à empresa do bilionário norte-americano Mark Zuckerberg.

Leia também: “14 questões sobre o poder das Big Techs”, matéria da editora Paula Leal publicada na Edição 43 da Revista Oeste

E ainda: “A vida com os algoritmos”, por Branca Nunes

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site