Pix é a 2ª maior modalidade de pagamento no e-commerce

A ferramenta já se tornou um dos meios favoritos dos brasileiros para movimentações financeiras

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
A modalidade de pagamento via Pix cresceu exponencialmente
A modalidade de pagamento via Pix cresceu exponencialmente | Foto: Reprodução/Flickr

O Pix está prestes a completar dois anos em funcionamento e já se tornou um dos meios favoritos dos brasileiros para movimentações financeiras, com um crescimento exponencial. Em julho, o Pix se tornou a segunda maior modalidade de pagamento no Brasil, ficando atrás das vendas por crédito.

Os dados fazem parte da edição do Estudo de Pagamentos da consultoria Gmattos e mostram o avanço do Pix em diferentes tipos de transações, como no meio digital. 

Atualmente, quase 80% dos estabelecimentos com e-commerce no país já aceitam o Pix. Na projeção da pesquisa, até julho de 2023, o pagamento instantâneo deverá ultrapassar 90% nas compras on-line.

-Publicidade-

A pesquisa analisou mais de 50 lojas digitais de destaque no mercado brasileiro, dos mais diversos segmentos, que, juntas, representam 85% do comércio eletrônico do país. 

A consultoria também observou que as empresas têm oferecido cada vez mais incentivos para pagamento via Pix. Segundo levantamento, 24% das lojas que aceitam a modalidade ofereceram algum tipo de desconto.

Atualmente, 130 milhões de CPFs estão habilitados para transações via Pix. Em terceiro lugar na preferência por pagamentos estão os boletos bancários.

As vendas por crédito, principal modalidade no e-commerce, são aceitas por 98% dos varejistas, mantendo a primeira posição que sempre ocupou. Apesar disso, elas apresentaram mudanças consideráveis em relação à dinâmica das transações.

Enquanto apenas 13% das lojas oferecem parcelamento em 12 vezes sem juros, mantendo o patamar de meses anteriores, 32% passaram a aceitar pagamento em 10 vezes, que passou a ser o maior tipo de parcelamento.

Em quarto lugar aparece a aceitação por pagamentos via wallets, que é um tipo de carteira digital em que o pagamento pode ser realizado sem a necessidade de ter um cartão de débito ou crédito físico. Esse tipo de pagamento é aceito por quase 50% dos estabelecimentos. 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. 22 bilhões ano de perda de receitas…. 5 bilhões perdeu BB…4 bilhões ano perdeu itau…3 bilhões ano perdeu bradesco…e por ai vai….
    DINHEIRO NO BOLSO DO POVO.

  2. Bancos sempre foram os que mais ganharam neste tempo todo. Não são instituições amigáveis ao público em geral. São conhecidos por só estarem interessados em dinheiro e não darem nada em troca. São Um mal necessário. O que aliás pode mudar um dia…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.