Dinamarca produz 90% de seus alimentos com base na agricultura convencional

Apenas cerca de 10% dos legumes, grãos, frutas e vegetais consumidos no país são orgânicos
-Publicidade-
Na Dinamarca, a participação de produtos orgânicos é baixa
Na Dinamarca, a participação de produtos orgânicos é baixa | Foto: Reprodução

É isso mesmo. Na Dinamarca, a autodenominada nação mais orgânica do mundo, a participação desses produtos no mercado é de apenas 12%. Portanto, quase 90% dos legumes, grãos, frutas e vegetais consumidos no país são produzidos por meio da agricultura convencional. Suíça (10%), Áustria (9,5%), Suécia (9%), Luxemburgo (8,5%), França (6%), Alemanha (5,5%), Holanda (5%), Itália (4%) e Estônia (4%) completam o ranking dos maiores consumidores de alimentos orgânicos. As informações estão disponíveis em The World of Organic Agriculture — Statistics & Emerging Trends, levantamento global realizado pelo Research Institute of Organic Agriculture e pela International Federation of Organic Agriculture Movements, duas das mais importantes entidades representativas do setor no mundo.

Mas a questão vai além disso, argumenta o engenheiro agrônomo Marco Antonio Oltra, professor de Fisiologia Vegetal na Universidade de Alicante, na Espanha. “Somos 7 bilhões de pessoas diante de 1% de produção orgânica”, observou, em entrevista concedida ao jornal El País. “Mudar para uma agricultura orgânica faria com que metade da população mundial deixasse de comer.” O professor explica ainda que a agricultura orgânica existe apenas em países com poucos recursos, o que impede o desenvolvimento de métodos mais sofisticados. “Em algumas nações africanas, acontece exatamente dessa maneira”, ressaltou. “Mas isso não ocorre por respeito ao meio ambiente.”

Há ainda outra questão relevante: a agricultura orgânica demanda a utilização de mais terras, em virtude de seu baixo rendimento em relação à convencional. De acordo com os pesquisadores Verena Seufert, Navin Ramankutty e Jonathan A. Foley, em artigo publicado na revista científica Nature, a agricultura orgânica produz entre 5% e 35% menos que os modelos de agricultura tecnológicos. Na prática, isso significa que a agricultura orgânica não faz uso eficiente da terra nem preserva a natureza. É uma relação perde-perde: não há aumento na produção de alimentos nem preservação dos ecossistemas naturais.

-Publicidade-

O assinante pode ler a reportagem completa ao clicar neste link.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.