Tereza Cristina ‘defende comércio internacional aberto e livre de distorções’

Mensagem gravada da ministra foi exibida durante a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU
-Publicidade-
'Seguiremos expandindo a produção através de ganhos crescentes de produtividade e do uso racional dos recursos naturais', afirmou a ministra | Foto: Divulgação/Mapa
'Seguiremos expandindo a produção através de ganhos crescentes de produtividade e do uso racional dos recursos naturais', afirmou a ministra | Foto: Divulgação/Mapa

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, defendeu um “comércio internacional aberto e livre de distorções” nesta sexta-feira, 24. A mensagem foi exibida durante a Cúpula dos Sistemas Alimentares, da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

Leia mais: “‘Protecionismo recompensa a ineficiência’, defende Tereza Cristina no G20”

A ministra também ressaltou que, “com base no nosso modelo de agricultura tropical, seguiremos expandindo a produção através de ganhos crescentes de produtividade e do uso racional dos recursos naturais”. Tudo isso sem a “incorporação de novas áreas à atividade produtiva”.

-Publicidade-

Mais cedo, conforme Oeste noticiou, Tereza cancelou todos os seus compromissos presenciais, após ter sido diagnostica com covid-19.

Íntegra do discurso:

“Excelentíssimo senhor Secretário-Geral das Nações Unidas, Antônio Guterres.

Excelentíssimos senhores chefes de Estado e de governo,

A Cúpula de Sistemas Alimentares constitui oportunidade para reorientar prioridades nacionais e internacionais rumo a um futuro de prosperidade, equidade e sustentabilidade para todos.

No Brasil, promovemos um diálogo nacional abrangente e inclusivo que identificou desafios e apontou soluções para fortalecer a sustentabilidade do nosso sistema alimentar. Elaboramos um mapa do caminho nacional que indica linhas de ação prioritárias e medidas concretas até 2030.

Assumo aqui o compromisso de construirmos um sistema alimentar mais produtivo, inclusivo, resiliente e sustentável, no contexto da Agenda 2030 e da realidade brasileira.

Com base no nosso modelo de agricultura tropical, seguiremos expandindo a produção através de ganhos crescentes de produtividade e do uso racional dos recursos naturais. Assim, reduziremos a pressão pela incorporação de novas áreas à atividade produtiva.

Trabalharemos ainda pela redução de perdas e desperdícios. E promoveremos a alimentação saudável através da informação aos consumidores.

Sob a coordenação do IICA, logramos, nas Américas, o reconhecimento da diversidade dos sistemas produtivos e ressaltamos a necessidade de evitar visões prescritivas de sustentabilidade.

Reforçamos a importância da ciência e da inovação como base para as políticas públicas e para as regras e padrões sanitários. E defendemos um comércio internacional aberto e livre de distorções, baseado em regras justas e transparentes.

No plano internacional, conclamamos os países industrializados a assumirem suas responsabilidades e apoiar os mais vulneráveis por meio da cooperação internacional.

No que diz respeito às coalizões que irão levar adiante o trabalho da Cúpula, o Brasil aderiu às iniciativas sobre Perdas e Desperdícios, Merenda Escolar e Pecuária Sustentável.

Junto com meu colega Secretário Vilsack, lançamos hoje a Coalizão sobre Crescimento Sustentável da Produtividade, que irá contribuir para ampliar a eficiência do uso dos recursos produtivos e a disponibilidade de alimentos a preços acessíveis.

Temos um longo caminho a percorrer. Estamos empenhados nesse desafio.

Muito obrigado.”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Depois do genial Alysson Paulinelli eu considero a Ministra Tereza Cristina a melhor técnica a comandar o Ministério da Agricultura dos últimos cem anos ! Viva o nosso Agro e que produza a cada dia mais alimentos e saldos na balança de pagamentos brasileira !

  2. Não sei qual é a origem dessa fixação por essa organização socialista, o motivo para dar atenção a eles. Francamente não entendo isso, sou mais a favor de conversações bilaterais com todos os países que se interessarem em entabular negócios e parar de perder tempo com esses inúteis, que só fazem politicas sociais de combate à fome, sem sequer incentivar a abertura de novas fronteiras agrícolas para atender a essas demandas, pelo contrário ficam a encher o saco. Aí ficam com esse trololó de aquecimento global, Greta Thumberg, Leonardo Di Caprio e outras porcarias mais. Vão lamber sabão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.