Trigo, milho e soja estão cada vez mais caros no mundo

Os aumentos sucessivos levam a inflação para níveis altos e preocupantes
-Publicidade-
A colheita de trigo no Brasil pode avançar graças a pesquisa e inovação  | Foto: Jair Ferreira Belafacce/Shutterstock
A colheita de trigo no Brasil pode avançar graças a pesquisa e inovação | Foto: Jair Ferreira Belafacce/Shutterstock

As cotações dos grãos (trigo, milho e soja) atingiram níveis próximos dos mais altos da história no mercado internacional em abril. As razões encontram-se na guerra da Ucrânia, na boa demanda por produtos americanos e nos problemas climáticos que prejudicaram as colheitas na América do Sul.

Isso reduz as margens de processamento, encarece as carnes e pressiona os índices inflacionários globais, que estão em patamares recordes. Quem ganha nesse jogo são os produtores e tradings (vendedores). No Brasil, a indústria reclama do aumento de custos, o poder aquisitivo da população está em queda, mas existe a expectativa de que o processo de alta dos alimentos seja contido, especialmente nas análises do Banco Central e de parte dos economistas.

Guerra afeta trigo e milho

-Publicidade-

O milho novamente encerrou o mês com preço médio maior que em abril para os contratos futuros na Bolsa de Chicago, principal referência para as cotações do mercado. Foi o sétimo mês seguido de valorizações, com a segunda maior média da história, perdendo apenas para agosto de 2012. A soja ficou estável, porém com valores muito altos. Depois de cinco meses seguidos de aumentos, ficou apenas 1% menor do que o recorde histórico de setembro de 2012. E o trigo caiu um pouco, mas nada que possa aliviar os custos da farinha e dos alimentos derivados, como massas, pães, bolos e biscoitos. No Brasil, há otimismo com os resultados sobre pesquisa e inovação nessa área.

A guerra na Ucrânia atinge com maior intensidade os mercados de trigo e milho porque a Rússia e a Ucrânia concentram uma grande parcela das exportações desses dois cereais —  30% e 20%, respectivamente.

A soja sofre os efeitos das quebras de safra no Sul do Brasil, na Argentina e no Paraguai em 2021/22. Para os três grãos, as cotações nos próximos meses estarão fortemente vinculadas às exportações americanas e às perspectivas de plantio nos EUA na temporada 2022/23.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Pois é, aonde estão os políticos, e a velhaca imprensa que condenam a Petrobras por praticar a PPI no preço da gasolina A =73% da gasolina comum, sem sequer identificar entre os 5 agentes (gas.A R$2,81, icms R$1,75, álcool anidro (usineiros) por 27% R$1,14, dist./rev. R$0,88 e imp.federal R$0,69 na formação do preço nas bombas R$7,27, quem é o vilão?.
    Ora, se a Petrobras cobra 2,81 por 73%, o preço por lt. é 2,81/0,73=3,85 e os Usineiros 1,14/0,27=4,22. O consumidor sabe que essa commoditie CANA(açucar e álcool) não é da Petrobras e logicamente assim como outras agropecuárias como SOJA, MILHO, CARNE, etc,etc. também praticam a PPI?. Vale lembrar que o preço de uma garrafa de 900 ml de óleo de SOJA custava em 2019 R$2,60 e atualmente R$9,50.
    Como pode se somos campeões mundiais na produção de SOJA e temos para dar e vender? Com relação aos derivados do petróleo gasolina e diesel ainda temos que importar boa parte de nosso consumo interno, dai até justificar aplicar a PPI.
    Não estou aqui fazendo criticas as politicas de preço praticadas apenas contrapondo a inúteis políticos e imprensa que usam esta manchete “A gasolina aumentou novamente e chegou ao maior preço”, sem que a Petrobras tenha aumentado 1 tostão.
    Algum desses nocivos já analisou porque governadores que nada PRODUZEM cobram o vr. de R$1,75 pelo ICMS que representa 62% do vr. R$2,81 cobrado pela Petrobras que PRODUZ a gasolina A?
    Entendo que governo e atividade privada deveriam estabelecer politicas inteligentes que nos ofereçam preços acessíveis àqueles produtos que somos campeões mundiais de produção.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.